TIE-Brasil
19/11/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Fevereiro/2009)

(clique para ver todas)

Alta nas vendas traz trabalhadores de volta às fábricas
Vendas de veículos novos e usados já se aproximam dos níveis registrados antes da crise. Redução do IPI, estabelecida pelo governo Lula, é considerada o principal motivo para melhora do mercado

Até o último dia 19, segundo dados preliminares do Renavam, foram licenciados no País 148 mil 134 veículos, com média diária de 10 mil 571 unidades emplacadas, indicando que as vendas de fevereiro poderão ser semelhantes as do mesmo período do ano passado, quando foram emplacadas 191 mil 331 unidades. O resultado alterou a realidade dos últimos meses nas empresas de autopeças que, agora, cancelam férias coletivas e até mesmo redução de jornada de trabalho recém-negociada com os sindicatos regionais.

Em Diadema, SP, funcionários da Polistampo, empresa metalúrgica do setor automotivo, retornam ao horário normal de trabalho nesta semana por conta do aumento dos pedidos das fabricantes de veículos.

O acordo da redução de jornada de trabalho assinado com os trabalhadores da Polistampo foi refeito e o término antecipado para a próxima segunda-feira, 2. Ficou preservada, porém, a estabilidade de emprego de 160 empregados até abril, conforme ajuste firmado no fim de janeiro com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

Em comunicado, José Mourão, diretor do sindicato da Regional de Diadema, as empresas do setor instaladas na cidade que estavam prestes a reduzir jornada de trabalho começam a pensar diferente, pois os clientes retomaram as encomendas.

Na semana passada o primeiro cancelamento da redução de jornada foi anunciado pela Fiamm, de São Bernardo do Campo, SP. A partir de 1º de março, 168 empregados retornarão aos horários normais de trabalho.

Para o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e coordenador da base de São Bernardo do Campo, Moisés Selerges, algumas empresas foram apressadas na tomada de algumas decisões antes de avaliarem o real tamanho da crise.

Fonte: Autodata
Enviada por CNM-CUT, às 19:02 28/02/2009, de São Paulo, SP


Carta de ex-trabajadores y ex-trabajadoras de Muebles Fino Buenos
Al pueblo de Tijuana,

Al pueblo de todo México

A los Pueblos del mundo.

Que se entere todo México, somos ex trabajadores y ex trabajadoras de Muebles Fino Bueno, fabrica de muebles de capital estadounidense, de Carlson California, fuimos operadores de máquinas para muebles, perforadoras, taladros, pintadoras, montacargas y cortadoras y algunos supervisores. Nuestra antigüedad, en esa maquila era de 3 a 16 años. Dejamos parte de nuestra vida ahí.

El 6 de octubre del 2006 nos dijeron que nos iban a dar a todo el personal una semana de vacaciones. Aunque nos tocaran más días de vacaciones sólo nos darían y pagarían 8 días, y a los y las que nos les tocaban se las dieron adelantadas y nos la pagaron. Después nos hicieron una reunión donde dieron otra semana de “descanso” y no la pagaron

El 20 de octubre del 2006, estalló una huelga. El sindicato “fantasma” Sindicato de Trabajadores de la Industria, el Comercio, la Maquila, Conexos y Similares “Guadalupe Victoria”, de la Confederación Revolucionaria Obrero Campesina (CROC) impuso una huelga a 900 trabajadores de la fábrica Muebles Fino Buenos. El secretario general de ese sindicato fantasma es Cesar Soto Agüero, al que no conocíamos hasta esos días de la huelga, ni pensábamos que era del sindicato, mucho menos trabajador, pensábamos que era licenciado. Este señor hacía juntas cada ocho días y decía que pelearía por nosotros y que las demandas de la huelga eran que nos pagaran el 100% de las prestaciones que marca la ley como la indemnización constitucional de 90 días de salario, más la prima de antigüedad de 12 días por año trabajado, más 20 días por año trabajado, más las prestaciones que nos debían, más los salarios caídos, hasta que se dictara el laudo de la JLCA y nos pagaran el 100%

Nos robaron: Después de más de un año de huelga, nosotros resistimos ataques del sindicato. Nosotros pusimos guardias para cuidar la fábrica, pero Cesar Soto nos envió un montón de gentes del sindicato y a otros malandrines encabezados por él mismo y por su hermano que con gran cinismo nos decían “ratas” y nos acusaban de robar la fábrica que nosotros cuidábamos para el sindicato y la empresa no se metieran ni robaran nada de la fábrica. Por eso no querían nuestras guardias. Por eso los cuestionamos que nos demostraran si éramos “ratas,” pero nunca contestaron y en cambio nos agredieron, tumbaron nuestra carpa y se robaron el tanque de gas, la lona y los trastes y nos amenazaron que no nos querían ver a menos de cien metros de la puerta de la fábrica. Pero no caímos en sus provocaciones ni respondimos la agresión, pues era lo que el sindicato quería para que perdiéramos la demanda y metieron a los malandrines a la fábrica. En una ocasión agredieron a golpes a trabajadoras y trabajadores que estábamos de guardia. No nos dejamos y los vecinos salieron a defendernos. Nosotros seguimos las guardias en la banqueta gracias a un vecino que nos defendió, que dijo que podíamos quedarnos en su banqueta, y que enfrentó a los del sindicato: les dijo que él autorizaba que estuviéramos los trabajadores en su banqueta y pedía que ya nos dejaron en paz. Después las organizaciones nos prestaron una carpita y nos apoyaron a hacer presión.

Finalmente, el sindicato de la CROC y la empresa hicieron un arreglo en contra de nosotros. El 28 de noviembre de 2007, Vladimir Téllez, abogado de la empresa, y Cesar Soto, Secretario General del sindicato “fantasma” decidieron poner fin a la huelga y firmaron un convenio donde una vez más se burlaban de los derechos de los y las trabajadoras, pagándonos solamente entre el 23 y el 29 % de lo que realmente correspondía a nuestras indemnizaciones. El convenio que fue ilegalmente avalado por la Junta Local de Conciliación y Arbitraje, cuando se supone que la JLCA tenía que exigir a la empresa y al sindicato que nos pagaran el 100% de lo que marca la ley y no el 23%.

Robo en despoblado: Así nos sentimos con este convenio que nos quieren imponer la empresa Muebles Fino Buenos o Fine Goods, sus representantes, como el ingeniero Eduardo García y el abogado Vladimir Téllez, el sindicato fantasma autodenominado sindicato de los trabajadores y la JLCA. Todos ellos han caído en el delito de fraude y abuso de autoridad al querer engañarnos con la miseria que nos han dado y del cual no quedamos conformes y por eso seguimos organizados y luchando.

Queremos justicia: que le regresen al Cesar lo que es del Cesar, o sea que nos se pague lo que nos corresponde del convenio original a los trabajadores y trabajadoras de Muebles Fino Buenos y no al fantasma sindical Cesar Soto, a quien no le corresponde nada porque nunca ha sido trabajador de Muebles Fino Buenos y que sólo le ha vendido la protección patronal a los señores Finegoods

Que nos paguen lo que nos deben los mendigos, es decir el charro fantasma Cesar Soto, la empresa, su licenciado y la autoridad que violó la ley, pues el gobierno federal, y la Secretaria de Trabajo y Previsión Social (STPS) es a quien le corresponde vigilar que se cumplan las leyes laborales y constitucionales en nuestro país y en este caso no lo están haciendo. Es por eso que los sindicatos charros fantasmas hacen de las suyas, por falta de vigilancia de la autoridad, pues todo viene desde arriba, hasta el presidente de la republica apoya al empresarial, porque de ahí viene y se quieren aprovechar de que dicen que no sabemos de leyes y nos quieren engañar bien bonito y nosotros estábamos actuando derechamente, pensábamos que era legal lo que decía. Pues de ahí vienen lo de los salarios mínimos, los no aumentos de salarios, la injusticia laboral.

Los tres son un solo cabrón: sindicato, Junta Local y patrón.

No es verdad que la JLCA y sus autoridades son neutros y que no pueden meterse entre los trabajadores y estos sindicatos fantasmas, pues estos sindicatos ni los conocemos, ni nunca los elegimos como nuestros representantes y no los queremos. Están violando la ley y sus propios convenios; la autoridad laboral tiene que actuar en defensa de la LFT, la constitución y los derechos de los y las trabajadoras.

Esperamos que ahora sí las autoridades sean justas y legales para recuperar nuestro patrimonio que quieren quedárselo entre la empresa Muebles Fino Buenos y el Sindicato fantasma de la CROC. Pedimos tu apoyo como trabajador, como trabajadora, como organización, como compañeros que somos unos mismos, para que la autoridad actúe legalmente.

¡Alto a los sindicatos fantasmas, patronales y blancos!

La ley debe ser justa, si es que existe

Atentamente, ex trabajadores y ex trabajadoras de Muebles Fino Buenos

Ana Patricia Escobar Castillo, Alfredo Castañeda Valenzuela, AurelioVitela Pérez, Basílica Antonio Monterrubio, Everardo Carrión Camacho, Fernando Torres Valdivia, Francisco Benitez Medina, Gerardo Hernández García, J. de Jesús Palomino López, Jorge Viera Lugo, José Antonio Saldaña Marín, José Manuel Muñoz Mitre, Juan Antonio Aviña Jiménez, Juan Reyes Ledezma, Luís Dagoberto Govea García, Maria Alicia Hernández Pegueros, Nelson Domínguez Martínez, Rafael Chávez Ramos, Rogelio González Pérez, Rosario Ayala Verdugo, Rosendo González Sandoval, Teresa Olmedo De la Paz
Enviada por Cittac, às 15:03 27/02/2009, de Tijuana, México


Carnaval do Barbas vai de Obrahma na pressão
O bloco Carnavalesco Barbas, comandado pelo filho de Nelson Rodrigues, comemorou 25 anos de desfiles fazendo trocadilhos com o nome do presidente norte-americano e a famosa marca brasileira de chopp...

O BARACK DO BARBAS É OBRAMA NA PRESSÃO

O Barack é bom
Esse Barack é forte
Super-herói que vem d’América do Norte
Afegão, Iraque, Gaza e Paquistão
Pra relaxar só um o’brama na pressão

Sou de botá fogo, olha é nós na fita
Se vacilar vou invadir de carro-pipa
Com Chavez, Kiko e Morales
Tu nom me calles, soy d’América do sul
We can disse que isso é impossível
Se até Fidel já chamou o Raul

Se Dado bate na Luana
Chama o Obama
Se o Vasco cai pra segundona
Chama o Obama
Mas se não der pra resolver sozinho,
Liga pro barbas e convoca o Nelsinho

(Bis)
Enviada por Sérgio Bertoni, às 17:42 23/02/2009, de Rio de Janeiro, RJ


Segundo IPEA o pior da crise já passou
O Brasil já passou pelo pior momento da crise financeira e pode esperar uma melhoria inclusive no primeiro semestre deste ano, diz um estudo divulgado hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Confira alguns trechos do documentos:

"Existem vários elementos que permitem inferir uma possível melhoria nas condições econômicas do país nos próximos meses, ou pelo menos no segundo semestre de 2009"

"Em outras palavras: o cenário recessivo observado nos países desenvolvidos não se estenderá à economia brasileira"

"Em vários setores o uso da capacidade instalada já estava no nível mais alto em muitos anos e começavam a surgir preocupações pela escassez de capacidade produtiva e de mão-de-obra qualificada."

"A estabilidade dos indicadores medidos por diferentes instituições em janeiro e a recuperação do índice de confiança do consumidor permitem pensar que não haverá uma piora drástica da situação no primeiro trimestre do ano."

"Há sinais de que janeiro não foi um mês tão difícil. O volume de vendas e produção de automóveis cresceu. O consumo de energia elétrica também cresceu. Em resumo, embora não seja possível afirmar que haverá uma recuperação da indústria já nos primeiros meses, talvez seja possível dizer que o pior do ajuste da indústria já passou."

Resta ao Movimento Sindical e aos Trabalhadores, obviamente, continuar suas jornadas de luta e impedir que a conta da crise seja paga pelos trabalhadores.

Um outro mundo é possível e juntos estamos a construí-lo.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 19:58 18/02/2009, de Curitiba, PR


Renault suspende Lay-Off e convoca 50% dos trabalhadores afastados
Em reunião realizado hoje a direção da Renault em conjunto com a Coordenação da Delegação Sindical, decidiu que irá chamar 50% dos trabalhadores que estão em TLO (Temporary Lay Off). Os trabalhadores devem estar retornando entre o dia 9 e 23 de março. Só precisamos definir esta data, mas será neste periodo.

Estes trabalhadores estarão locados no 2º turno da CVP (Curitiba Veiculos de Passeio). Com a resposta positiva que o mercado tem dado, a Renault começa e precisar de uma produção maior que a capacidade de um turno e menor que de dois turnos completos. Acreditamos que o mercado vai continuar reagindo positivamente e teremos todos os trabalhadores na fabrica muito em breve.

Com a medida adotada pela Renault em não demitir e sim, buscar formar de contornar a crise, pudemos mostrar que quando se tem um trabalho em equipe empresarios, sindicato e governo as coisas podem ser construidas de forma a preservar empregos e geração de renda. Tudo é uma questão de vontade politica de fazer com que as coisas aconteçam.

Seguimos confiantes na retomada positiva do mercado.

Abraços

Robson JAMAICA
Coordenador da Delegação Sindical na Renault do Brasil
Enviada por Robson Jamaica, às 19:29 16/02/2009, de Curitiba, PR


Sindicalistas da Itália buscam alternativas ao neoliberalismo no Brasil
Duas sindicalistas italianas, visitam o Brasil para acompanhar projetos cooperativos de solidariedade em parcerias com a Unisol, e dizem que aproveitam a viagem para conhecer as alternativas ao neoliberalismo que acontecem no País.

"Procuramos visões originais que se contraponham à lógica do mercado. E elas estão aqui no Brasil, nos países da América Latina", disse Simonetta Ponzi, da direção do Sindicato dos Trabalhadores na Região da Emiglia Romana, ao Norte da Itália, ligado a central sindical CGIL.

Ela comentou que os países europeus não sabem pensar alternativas para além do capitalismo. Até mesmo o movimento cooperativo italiano, que é muito forte e responde por um terço da economia, está perto demais dessa lógica de mercado.

"As cooperativas italianas exercem bom papel social junto a entidades de outros países com intercâmbios, mas isso não acontece na organização interna delas", disse Sandra Pareschi, presidente da Nexus, a central de cooperativas ligada à CGIL.

Ela comentou que as cooperativas de seu país precisariam recompor os valores de solidariedade para ter condições de apontar saídas. "No Brasil é diferente e por isso estamos aqui", afirmou.

União contra a crise

A realização de um seminário internacional reunindo trabalhadores de várias partes do mundo foi o resultado do encontro das sindicalistas com Sérgio Nobre, presidente do Sindicato. Simonetta Ponzi disse que somente a união dos trabalhadores poderá impedir que eles paguem a conta da crise.

Ela lembrou que, apesar da CGIL desenvolver campanha cobrando ações do governo italiano para superar a crise econômica, até agora nada foi feito. "O primeiro ministro Berlusconi diz que é preciso ser otimista. Mas nada faz a não ser negar a crise", disse Simonetta Ponzi. Ela comentou que a crise atinge todos os setores e todas as regiões da Itália, principalmente as industrializadas, com milhares de demissões.

Enviada por Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, às 09:48 16/02/2009, de São Bernardo do Campo, SP


Contra oportunismos e em defesa do direito social
Assinado por mais de 260 juízes, promotores, procuradores, auditores fiscais, advogados, professores e estudantes de Direito, o manifesto "Contra oportunismos e em defesa do direito social". é um documento que precisa ser lido e reproduzido amplamente no meio sindical

De forma clara e objetiva, profissionais comprometidos com a Justiça esclarecem como a mal chamada "flexibilização" de direitos e "as ameaças de dispensas coletivas representam meras estratégias de pressão, de natureza política, para se extraírem vantagens econômicas"

Veja a integra do documento no artigo abaixo.

Os trabalhadores não estão dispostos a ceder às pressões do empresariado multinacional

Se a causa da presente crise da globalização neoliberal se assenta precisamente "na desregulação do mercado financeiro e na falta de limites às possibilidades de ganho a partir da especulação", esclarece o manifesto, "sua origem não está nos custos de produção". Afinal, "não é possível que pessoas sérias desse país acreditem que o 13º salário de um trabalhador já terceirizado, que ganha pouco mais de R$ 400,00 por mês constitua entrave ao desenvolvimento econômico. Nossos problemas econômicos, certamente, têm raízes mais profundas". "Desse modo, as propostas de superação da crise a partir do postulado da redução do custo do trabalho revelam-se de todo oportunistas e descomprometidas com os interesses nacionais, já que tendem a gerar uma retração do consumo..."

Nas palavras do juiz do Trabalho Jorge Luiz Souto Maior, um dos idealizadores do manifesto, "o que está havendo é uma reivindicação da Fiesp e de alguns setores do meio empresarial de redução dos direitos dos trabalhadores por meio de negociação coletiva, e também uma forma de pressão sobre o governo para reduzir a legislação trabalhista, ou seja, a flexibilização para redução do custo do trabalho, por meio da retirada de direitos dos trabalhadores".

Da mesma forma que a Central Única dos Trabalhadores e a quase totalidade do movimento sindical brasileiro - com raras e vergonhosas exceções -, o manifesto defende a adoção de políticas que apontam para o fortalecimento do mercado interno, "centradas na preservação do emprego, na proteção social e nos princípios e direitos fundamentais do trabalho", pois "não se promove uma sociedade, salvando empresas e deixando pessoas à beira da fome"

O documento ressalta ainda que governos como do Brasil, Argentina, México e Chile "não estão dispostos a ceder às pressões de parte do empresariado multinacional que quer se aproveitar do argumento da crise para impor maior sacrifício aos trabalhadores e às bases jurídicas do Estado Social".

Como não poderia deixar de ser, embora datado de 22 de janeiro, o documento não ganhou repercussão na mídia, que prefere dar manchetes em letras garrafais para todo e qualquer sindicalista que "entre na negociação concordando, de cara, com a redução de salário e de direitos", como bem denunciou o presidente da CUT, Artur Henrique.

Para o secretário geral da CUT, Quintino Severo, o manifesto ajuda a demonstrar que não existe qualquer unanimidade de que a retirada de direitos é caminho para combater a crise, como querem fazer crer os grandes meios de comunicação. "Além das centrais sindicais responsáveis, existem inúmeros outros setores sociais, como os magistrados e formadores de opinião, que expressam uma posição clara de que o direito não é entrave para o crescimento econômico, mas condição indispensável para o desenvolvimento social", acrescentou Quintino.

Que a divulgação do manifesto sirva para expandir a consciência emanada da última quarta-feira (11), Dia Nacional de Luta pelo Emprego e pelo Salário, contribuindo para ampliar a unidade e consciência da classe para o embate político, econômico e ideológico a respeito da crise e suas conseqüências.

Fonte: CUT
Enviada por CNM-CUT, às 09:41 16/02/2009, de São Paulo, SP


Dispensa coletiva e redução de salário são meios para múltis ampliarem lucro
Contra oportunismos e em defesa do direito social

Todas as avaliações sobre a causa da presente crise são unânimes em dizer que sua origem não está nos custos da produção, mas na desregulação do mercado financeiro e na falta de limites às possibilidades de ganho a partir da especulação. Desse modo, as propostas de superação da crise a partir do postulado da redução do custo do trabalho revelam-se de todo oportunistas e descomprometidas com os interesses nacionais, já que tendem a gerar uma retração do consumo, reduzindo, de forma sempre renovada, as potencialidades do modelo de produção capitalista.

Além de constituírem atentado à ordem jurídica, por ferirem o disposto no inciso I, do art. 7º, da Constituição Federal, as ameaças de dispensas coletivas representam meras estratégias de pressão, de natureza política, para se extraírem vantagens econômicas a partir do temor e da insegurança que geram sobre os trabalhadores e, por via indireta, ao governo.

O Direito Social, como regulador do modelo capitalista de produção, bem ao contrário, visa ao aprimoramento das relações entre o capital e o trabalho no sentido evolutivo, com maior eficácia dos Direitos Humanos, maior distribuição de renda, e mais justiça social, tendo sido, ademais, a mola propulsora da reconstrução da humanidade desde o final da segunda grande guerra.

Daí porque não se podem ver nos preceitos fixados nos incisos do art. 7º os fundamentos jurídicos para fornecer aos empregadores a possibilidade de, por um exercício de poder, induzirem os trabalhadores, mesmo que coletivamente organizados, a aceitarem a redução dos direitos trabalhistas legalmente previstos, ainda mais quando tenham sede constitucional e se insiram no contexto dos Direitos Humanos, que são, como se sabe, abarcados pelo princípio do não-retrocesso.

As ameaças de dispensas coletivas e o ataque generalizado às garantias trabalhistas constituem, portanto, um atentado contra a ordem jurídica e o Estado Social, até porque o desenvolvimento da economia está, necessariamente, atrelado aos postulados da boa-fé e da justiça social (art. 170, da CF).

Assim, todas as dispensas coletivas de trabalhadores já operadas, sem o respeito aos limites jurídicos, podem - e até devem - ser judicialmente desconstituídas, por ação do Ministério Público do Trabalho, sindicatos ou mesmo individualmente.

A ameaça de dispensas coletivas, como fator de imposição de uma solução egoísta, sacrificando a tudo e todos, constitui, igualmente, dano social, punível com indenização específica (arts. 186 e 187, do CC).

Há de se ter bem clara, a propósito, a diferença entre crise econômica, estruturalmente considerada, e dificuldade econômica de uma empresa ou setores determinados.

Uma crise econômica, vista do ponto de vista estrutural, se concretamente existente, somente pode ser superada por meio de um autêntico pacto social, que envolva os setores da produção, do trabalho e do consumo, gerenciado pelo Estado, e no qual se priorize a construção da justiça social. Ou seja, constatando-se o colapso do modelo ou o risco de que venha ocorrer, o que se deve realizar é a sua reformulação por inteiro, o que impõe medidas reais de aumento das potencialidades do Direito Social, tais como: reforma agrária; redistribuição da riqueza; reorganização dos meios de produção; aumento das despesas públicas com educação, saúde, ciência e tecnologia; eficácia das medidas de efetivação do custeio da seguridade social; incentivos às atividades produtivas, sem sacrifício aos direitos dos trabalhadores e ao custeio da seguridade social; tributação especial da especulação financeira e das grandes fortunas; incentivo ao turismo etc.

É importante perceber, aliás, que se estamos diante de uma crise econômica, já estamos vivendo uma crise de natureza social, moral e ética há muito tempo e a solução desta última é, por óbvio, mais urgente.

Neste aspecto, há de se reconhecer que a superação de uma crise econômica estrutural requer sacrifícios de cima para baixo e não de baixo para cima. Não se promove uma sociedade, salvando empresas e deixando pessoas à beira da fome. Se há um problema na conjuntura econômica, que atinge a todos indistintamente, e não apenas a uma ou outra empresa, é necessário, então, o sacrifício conjunto, começando pelos próprios empresários e passando por diversos outros setores da sociedade (profissionais liberais, servidores públicos, senadores, deputados, prefeitos, governadores, juízes etc). É impensável que se busque a solução de problemas econômicos estruturais do país com o sacrifício apenas de trabalhadores cujo salário já está entre os mais baixos do mundo.

Não é possível que as pessoas sérias desse país acreditem que o 13º salário de um trabalhador, já "terceirizado", que ganha pouco mais de R$ 400,00 por mês constitua entrave ao desenvolvimento econômico. Nossos problemas econômicos, certamente, têm raízes mais profundas.

O respeito à ordem jurídica, ademais, deve ser defendido por todos, como fator de estabilização social e segurança pública. Ora, se parte do empresariado considera que pode desrespeitar a ordem jurídica, promovendo dispensas coletivas para alcançar vantagens na "negociação" coletiva com os trabalhadores que restaram, partindo do mero argumento de estar passando por problemas em virtude da "crise", o que a leva crer que as pessoas que estejam sendo conduzidas à situação de necessidade alimentar, desprovidas das possibilidades concretas de sobrevivência, devam respeito a essa mesma ordem jurídica? Não estariam estas, então, também livres para ofender o ordenamento e a buscarem a satisfação de suas necessidades pelo exercício da própria razão?

Para solução de problemas, gerados, por dificuldade econômica, de empresas ou setores determinados, a lei já estabelece mecanismos para salvaguarda da unidade produtiva, com preservação dos empregos.

A aplicação dessas medidas exige, no entanto, efetiva contrapartida, pois que se inserem no contexto de autênticas negociações, comprovação da necessidade econômica, respeito ao princípio da boa-fé, reconhecimento da garantia jurídica ao emprego contra dispensas arbitrárias (art. 7º, I, da CF), fixação de prazo determinado, elaboração de um efetivo plano para recuperação econômica da empresa, atendendo sua função social e demonstrando ser ela viável dentro da lógica de um capitalismo responsável. Não se destinam, pois, a servir de instrumentos para compensar uma circunstancial diminuição de lucros ou para reforçar a lógica da acumulação de rendas.

A tão propalada "flexibilização", no fundo, é um eufemismo, ou seja, uma maneira amena de se alcançar a redução dos direitos trabalhistas, que, no Brasil, já deu mostras claras de sua falácia, visto que estando entre nós de desde 1967, quando fora criado o FGTS para acabar com a estabilidade no emprego (passando por: trabalho temporário, 1974; lei de estágio, 1977; vigilância, 1983; terceirização, 1993; banco de horas, 1998; contrato provisório, 1998; trabalho a tempo parcial, 1998; redução da prescrição do trabalho rural, 2000; limitação da natureza salarial de benefícios concedidos ao empregado, 2001; suspensão temporária do contrato de trabalho, 2001; primeiro emprego, 2003), não produziu qualquer resultado satisfatório em termos de melhoria da economia com produção de justiça social, muito pelo contrário.

Perfeita e oportuna, portanto, a reação dos Ministros do Trabalho da Argentina, Brasil, Chile e México, exposta em Declaração conjunta publicada em 15 de janeiro último, que merece total apoio da comunidade jurídica ligada à defesa dos direitos sociais, no sentido de que a reativação econômica deve ser buscada pela adoção de políticas anticíclicas centradas na preservação do emprego, na proteção social e nos princípios e direitos fundamentais do trabalho, de onde se extrai que os governos não estão dispostos a ceder às pressões de parte do empresariado multinacional que quer se aproveitar do argumento da "crise" para impor maior sacrifício aos trabalhadores e às bases jurídicas do Estado Social.

Fonte: CUT
Enviada por CNM-CUT, às 09:38 16/02/2009, de São Paulo, SP


Venezuela: Emenda Constitucional é aprovada. E daí?
A emenda constitucional que coloca fim ao limite para a reeleição aos cargos públicos na Venezuela foi aprovada neste domingo com cerca de 54% dos votos.

Com esta vitória, o presidente Hugo Chávez abre caminho para disputar um terceiro mandato presidencial nas eleições de 2012. A emenda também beneficia a governadores, prefeitos, deputados e vereadores.

Sem entrar na discursera anti-chavista da imprensa patronal queremos perguntar:

- O que está passando com a Revolução Bolivariana se, para garantir sua continuidade, Chávez necessita ficar no poder por vários mandatos?

- O socialismo do século XXI estaria repetindo a trágica performance dos "socialismos" do século XX, aqueles do partido único e de governantes vitalícios?

Do ponto de vista comercial brasileiro uma possível reeleição de Chavez é muito interessante, pois durante seus mandatos o Brasil passou a ter com a Venezuela seu segundo maior superávit comercial.

- Mas será que é só isso que interessa aos povos brasileiro, venezuelano e latinoamericano?

- Que tipo de revolução é essa que só pode continuar com a presença da Chávez?

Ok! A Aprovação da emenda não signfica a reeleição automática de Chávez. Outros candidatos poderão ganhar numa disputa democrática.

- Mas será que Chávez fez tanto esforço para aprovar a emenda para depois deixar o cargo a um outro correligionário?

Tudo indica que não. E este é um péssimo sinal para a construção de uma outra América Latina possível, popular e democrática.

Infelizmente nossa história latinoamericana está cheia de exemplos de líderes que começaram seus governos com boas intenções, com uma base e apoio popular fortes, mas que com o passar dos anos se transformaram em caudilhos, em governantes de iguais para os mais iguais.

Não afirmamos aqui que seja esse exatamente o caso de Chávez, mas o perigo existe e é preciso admiti-lo para poder avançar.

Uma revolução popular deve ser comandada pelo povo, pela sociedade civil organizada, pelos Trabalhadores organizados em seus locais de Trabalho e não por personalidades ou governantes fortes.

Será que é isso que está ocorrendo com a Revolução Bolivariana?

Torcemos para que o povo, a sociedade civil organizada e os movimentos dos Trabalhadores venezuelanos chamem para si a responsabilidade na condução da Revolução Bolivariana e mostrem ao mundo que é possível construir uma nova América Latina sem capitalismo, sem caudilhos, sem governantes perpétuos.

Respeitando a soberania e a sabedoria do povo venezuelano, encerramos estas linhas afirmando que em lugar de "Uh, ah, Chávez non se vá!", efusivamente cantado pelso partidários de Chávez, seria muito bom ouvir o povão gritando ""Uh! ah! La revolucion continuará", com Chávez ou sem Chávez...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:21 16/02/2009, de Curitiba, PR


Tucano pisa na bola no Pacaembu
O Alvi-VERDE de Parque Antártica fez neste sábado sua primeira partida pelo Campeonato Paulista no Pacaembú, o famoso Estádio Municipal, propriedade do povo paulistano, que os corintianos insistem em chamar de "sua" casa...

Porém, a pisada na bola, não é essa. O governador José Serra, dito palmeirense fanático, compareceu ao estádio para prestigiar a equipe reserva de Luxemburgo diante do Paulista de Jundiaí. Mostrando completa falta de intimidade com o esporte mais popualr no país, pisou e feio na bola. O tucano vestia roupas pretas, cor tradicional do rival Corinthians.

Os verdadeiros torcedores Alvi-VERDES não deixaram por menos e gritaram: “Serra, de preto no jogo do Verdão não dá!”.

O corintiano Lula, seguramente, nunca faria uma besteira dessas. Primeiro porque é mais chegado ao povão. Segundo porque conhece futebol. Terceiro porque jamais entraria num estádio com roupas VERDES em dia de jogo do Corinthians.

Até nisso o ex-metalúrgico do ABC leva vantagem sobre os acadêmicos do tucanato.

Fica aqui um recado. Tucanos tentem ser vocês mesmos. Não tentem ser populares, nem muito menos imitar Lula. Vocês não levam jeito. Apesar de corintiano, Lula entende mais do babado e é mais chegado ao povão.

Serra, não se esqueça do recado do Felipão, quando você era ministro da saúde: "Cuide do ministério que do Palmeiras cuido eu". Luxa ainda pode te dizer o mesmo: "Cuide do teu governinho que do VERDÃO cuido eu".

Serra, pare de envergonhar a tiffosi palestrina!!!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 23:25 14/02/2009, de Curitiba, PR


Na Venezuela, indígenas terão sua própria agência de notícias
Os indígenas da Venezuela contarão, a partir de julho, com uma agência de notícias que divulgará fundamentalmente fatos relacionados com suas comunidades e sua cultura. Assim informou o coordenador da Rede Nacional de Porta-vozes Indígenas da Venezuela (Renavive), Jesús Gonzáles, à agência oficial ABN.

O objetivo é que este meio de informação cubra o território nacional e se integre dentro de redes similares espalhadas na América Latina.

A agência de informação indígena "estará a serviço das populações originárias do país. Sabemos que temos a capacidade de manter todo o território nacional informado", assegurou Gonzáles.

O projeto informativo contará, além disso, com o apoio do primeiro satélite venezuelano Venesat-1, batizado Simón Bolívar, que foi lançado ao espaço no final de 2008 e já se encontra em funcionamento.

O satélite Simón Bolívar "vai facilitar o uso de internet e também a participação de todos os povos originários do país", disse González. Na Venezuela vivem 28 etnias indígenas distribuídas em todo o território, segundo dados oficiais.

Fonte: Adial
Enviada por SindLab, às 13:41 13/02/2009, de São Paulo, SP


Consumo de carne aumenta na Argentina
A carne argentina, muito apreciada mundo afora anos atrás, vem perdendo mercado externo

A Argentina já foi a terceira maior exportadora de carne do mundo, mas atualmente exporta somente 500 mil toneladas e se encontra na sétima posição entre os maiores exportadores, superada pelo Uruguai.

Por outro lado o consumo interno de carne vem aumentando expressivamente. Dados recentes mostram que cada argentino consome, em média, cerca de 200 gramas de carne por dia, ou 70 quilos anuais. É o maior consumo per capita do mundo para desespero dos vegetarianos...

É a crise! os hermanos argentinos afogam suas mágoas devorando um belo bife-de-chorizo, o primo do nosso contra-filé...

No Brasil o consumo de carne gira em torno de 36 Kg por pessoa ao ano. Se cada brasileiro consumisse a mesma quantidade anual de carne consumida na Argentina, o Brasil precisaria produzir nada mais nada menos que 14.000.000 (quatorze milhões) de toneladas por ano só para atender o mercado interno.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 11:10 13/02/2009, de Curitiba, PR


Cuidado? Indústria auto em crise???
Dados da Anfavea mostram que o discurso alarmista do empresariado e da grande mídia distoa da realidade, comprovando a tese marxista que ideologia é uma versão falseada da realidade

A produção total de veículos no Brasil foi de 3.220.475 unidades no ano de 2008 (com crise) contra 2.970.818 unidades en 2007 (sem crise).

As vendas de automóveis saltaram de 2.462.728, em 2007 (sem crise), para 2.820.350, em 2008 (com crise) segundo dados do RENAVAM, ou seja, veículos adquiridos e licenciados pelos consumidores finais.

Por outro lado as exportações caíram de 789.379 unidades em 2007, para 734.583 em 2008.

Em outras palavras, enquanto as empresas deixaram de vender la fora 54.796 veículos, venderam aqui dentro 357.622 a mais!!! Uma merreca de saldo positivo de 302.826 unidades...

E ainda tem gente que acredita que o mercado diminuiu!!!

Se os Trabalhadores e seus sindicatos estivessem mapeando e comparando os processos produtivos com maior frequencia, saberiam que não precisam sentar-se a mesa de negociação para diuscutir desgraças, nem para abrir mão de seus direitos...

Infelizmente, tem muita gente no movimento sindical que não quer saber da realidade nos locais no trabalho e por isso se borra de medo que os Trabalhadores entendam o que ali se passa...
Enviada por Sergio Bertoni, às 10:17 13/02/2009, de Curitiba, PR


Trabalhadores no metrô de Buenos Aires realizam plebiscito para criação de novo sindicato
Estimados compañeros,

Los ponemos al tanto de las novedades en el desarrollo del plebiscito que están realizando los compañeros del subte (metro) por la creación de un nuevo sindicato.

El plebiscito comenzó el jueves pasado con una importante participación. Se había realizado gestiones para garantizar la presencia de diferentes figuras de organizaciones de derechos humanos, sindicales y políticas. De estas forma se acercaron para respaldar el plebiscito: la presidenta de Madres de Plaza de Mayo, Línea Fundadora-, el Secretario General de la Central de Trabajadores Argentinos de Capital Federal-, y un Diputado Nacional- de un espacio político de centro izquierda.

Las elecciones se estaban desarrollando con total normalidad, en realidad podemos decir que se trataba de una verdadera fiesta, porque a los trabajadores se los veía muy alegres y contentos, en este puntapié inicial que implica la creación de este nuevo sindicato.

Pasado el medio día una “patota” como los llamamos aquí, un grupo de matones, atacó brutalmente el lugar en el que se estaba realizando la elección. Resultaron heridos varios compañeros, incluso pasajeros, ya que la elección se realizaba en una estación, destruyendo la carpa que se había montado como cuarto oscuro pero no pudiendo romper la urna, ni los padrones.

Nos encontrábamos allí y es difícil transmitir la situación de impotencia, frente a este cobarde ataque de estos profesionales de la violencia.. Tres de estos delincuentes fueron detenidos, y se comprobó que pertenecen al sindicato.

Inmediatamente la reacción de los compañeros fue paralizar todas las líneas del subterráneo, con lo que los medios acudieron, y en definitiva tomó trascendencia pública el plebiscito. Con una muy buena decisión política los compañeros decidieron seguir con el plebiscito, ahora con la custodia de la policía.

El día terminó con una muy alta participación de los trabajadores, y un contundente triunfo del “Si” 98%), pero el clima de tensión continuó dada las declaraciones del secretario general del sindicato (UTA) que planteó que no iba a permitir que el plebiscito continuase y que la elección se trataba de una situación de indisciplina que la empresa no podía permitir.

De esta forma la elección tomó estado público y la tensión continuó ya que era factible otro ataque desde el sindicato.

El miedo no se instaló y la masividad de la elección es rotunda en las diferentes líneas, pese a que una gran cantidad de trabajadores se encuentra de vacaciones.

Por nuestra parte hemos colaborado activamente en la campaña de solidaridad, y en los vínculos tanto sindicales, políticos y sociales para que los compañeros avancen en el respaldo que necesitan. El tema se ha instalado a nivel nacional y ha tomado estado público. El secretario general de la CGT, Hugo Moyano, ha solicitado al ministro de trabajo que no avale la formación del sindicato. Y el Ministro le ha respondido que es “muy creativo el plebiscito pero que el planteo no corresponde”.

Como vemos se está jugando algo muy importante para el movimiento obrero. Están interviniendo las mayores esferas en el área sindical de nuestro país. Hay mucha presión para que no pueda prosperar el proyecto de conformar un nuevo sindicato (aunque la ley lo permita), tanto desde las organizaciones sindicales no democráticas que miran con recelo perder su monopolio de representación, como también de las empresas temen que pueda ser un ejemplo de un sindicalismo democrático y combativo.

Por ello les queríamos consultar si han podido avanzar en la difusión en la campaña. Sin duda la solidaridad internacional va a ser muy importante para aportar a lo que los compañeros están realizando día a día (hoy es el quinto día de plebiscito) y generar presión a las autoridades.

Un abrazo y saludos.

Daniel, Oscar y Federico.

Taller de Estudios Laborales.

www.tel.org.ar
Enviada por TEL-Argentina, às 21:49 11/02/2009, de Buenos Aires, Argentina


Dia Nacional de Luta: é hora de ocupar as ruas para garantir emprego e salário
Em diversas capitais, a CUT e seus sindicatos estão organizando mobilizações para o Dia Nacional de Luta pelo Emprego e pelo Salário, dentro da agenda proposta por nossa campanha "Querem Lucrar com a Crise. A Classe Trabalhadora não vai Pagar Esta Conta".

Confira o local e o formato das mobilizações já confirmados. Solicitamos às entidades que nos enviem informações sobre atos aqui não divulgados, para podermos noticiar.

"Vamos mostrar a capacidade de resistência dos trabalhadores e trabalhadoras na luta pela manutenção da renda e do trabalho como direitos inalienáveis e como instrumentos para o Brasil superar a crise", conclama Artur Henrique, presidente da CUT, que participará dos atos na cidade do Rio de Janeiro

São Paulo

Panfletagens e atos públicos em todas as cidades onde há subsedes da CUT-SP, ao longo do dia

Ato público na Praça do Patriarca, centro da capital às 10 horas

Rio de Janeiro

Passeata e ato político na Vale (Av. Graça Aranha n° 26) às 16 horas

Rio Grande do Sul (Pelotas)

Mobilização no calçadão da cidade ás 10 horas

Paraná

Ato na Boca Maldita às 9 horas

Alagoas

Ato no centro da cidade, no Calçadão do Comércio às 15 horas

Espírito Santo

Panfletagem em diversos pontos da cidade de Vitória

Ato de protesto em frente à Vale - Portaria de Camburi às 9 horas

Fonte: CUT
Enviada por SindLab, às 11:15 10/02/2009, de São Paulo, SP


CUT convoca trabalhadores de todo Brasil para dia de Luta pelo Emprego
"Manter empregos e salários é garantir que o mercado interno continue em expansão"

Com a chamada "Querem lucrar com a crise. A classe trabalhadora não vai pagar esta conta", a Central Única dos Trabalhadores (CUT) convocou para a próxima quarta-feira (11) um "Dia Nacional de Luta Pelo Emprego e pelo Salário".

Estão previstas mobilizações em diferentes regiões do País. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, haverá passeata e concentração em frente à sede administrativa da Vale do Rio Doce, uma das empresas que atualmente simbolizam o oportunismo de quem lucra muito dinheiro mas, aproveitando do clima de crise, defende demissões e redução de salários.

Em Vitória, capital do Espírito Santo, vários sindicatos cutistas já começaram nesta quinta-feira (5) a panfletar vários locais da cidade com o Jornal da CUT. A panfletagem segue, diariamente, até o dia 11, preparando a atividade maior.

Em São Paulo, a CUT do Estado planeja uma grande panfletagem no dia 11 e um ato para reivindicar que o Governo do Estado negocie com os trabalhadores ações para superação da crise e reversão das demissões.

A CUT vem defendendo que os governos estaduais e municipais entrem no jogo para estimular investimentos produtivos e, portanto, promover emprego e renda.

O presidente da CUT, Artur Henrique, lembrou que todos os setores econômicos e as empresas ganharam muito dinheiro nos últimos anos em que o Brasil manteve crescimento econômico constante e que "o próprio mercado já aposta em crescimento de 4% do PIB em 2008, mesmo com crise. Portanto, é hora de empresários contribuírem. Manter os empregos e os salários é garantir que o mercado continue em expansão".

A CUT avalia que a mobilização será uma resposta firme "à proposta da Fiesp e de alguns empresários que andaram dizendo que os trabalhadores precisavam aceitar redução de salário. É uma proposta burra, indecente porque esconde que, na verdade, o que eles querem é aumentar a exploração e os lucros. Burra porque, com menos dinheiro no bolso do trabalhador, menos consumo e menos crescimento".

Entre as reivindicações apresentadas pelo presidente cutista está a de usar o superávit primário para garantir programas sociais e investimentos em obras que gerem empregos, uma vez que "o governo federal mantém mais de R$ 130 bilhões guardados para garantir pagamento da dívida interna, dívida que pertence a 0,04% das famílias brasileiras, ou seja, especuladores iguais aos que criaram a crise internacional"; redução drástica da taxa básica de juros; queda do spread; fim da rotatividade no emprego; liberação do crédito e redução da jornada sem redução de salário. Artur também propõe atenção especial aos investimentos públicos: "é essencial que o governo federal, através do BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) mantenha e até amplie os investimentos em obras que gerem emprego e renda. Contrapartidas sociais - o governo precisa exigir que todas as empresas que receberem isenção de impostos ou empréstimo com dinheiro público se comprometam a não demitir, sob pena de punição".

Fonte: CUT
Enviada por CNM-CUT, às 12:07 09/02/2009, de São Paulo, SP


Ucrânia: Trabalhadores ocupam fábrica
Os Trabalhadores da KhMZ - Fábrica de Construção de máquinas e Equipamentos de Kherson (lê-se rrerson), Ucrânia, ocuparam suas instalações dias atrás e controlam a empresa. A ação dos trabalhadores é uma resposta à decisão dos donos da KhMZ em fechá-la, vender seus equipamentos e demitir todos os Trabalhadores.

Como em todos os lados, os capitalistas ucranianos e seu governo pró-ocidente capitalista, querem jogar nas costas dos trabalhadores, da juventude e dos aposentados, os custos da crise. Querem que estes paguem a conta da falta de competência capitalista e governamental. O néo-liberalimso acabou, mas eles querem continuar surfando nas ondas do lucro fácil e da falta de responsabilidade.

As reivindicações dos Trabalhadores são:

* Não às demissões!

* Os Trabalhadores não devem pagar pelos erros dos capitalistas e de seu governo!

* Não à falência e fechamento da fábrica!

* Pela nacionalização de empresas estratégicas!

* Entregar as empresas ao controle dos Trabalhadores!

* Bloqueio das contas bancárias dos proprietários da empresa e pagamento de todos os salários atrasados, assim como pagamento das dívidas da empresa com o fisco e a previdência social ucranianos.

* Que o estado garanta a compra da produção da empresa. O Estado já deu ajudas milionárias aos bancos. Não queremos dinheiro do Estado financiando estruturas parasitas. Queremos apoio para o setor da economia real, para garantir e manter empregos.

* Pagamento de todos os salários atrasados na Ucrânia, aumento salarial real e indexação dos salários de acordo com a inflação!

* Garantia de pleno emprego no país!

Contatos:

e-mail

- Trabalhadores na KhMZ:
solydarity.ksmz@gmail.com

- Grupo pela criação do comitê de Coordenação dos Trabalhadores em Luta na Ucrânia:
rabochiy_komitet@googlegroups.com

Solicitamos apoio e solidariedade aos companheiros da KhMZ.

Aqui vão endereços das autoridades locais e proprietários da empresa:

Херсонская облгосадминистрация: (Governo Regional de Kherson)
E-mail: vd-komp@oda.kherson.ua
Факс (0552) 26-36-02
Председатель (Governador)
Силенков Борис Витальевич
Тел: (0552) 32-11-00

Собственник: (Proprietários da KhMZ)
ООО "Белоцерковский машиностроительный завод"
09107, Киевская обл., г. Белая Церковь, б-р 1 Мая, 13
(04463) 90733, (04463) 90733, (04463) 92734
Факс (04463) 51527

Председатель: (Presidente da KhMZ)
Олейник Александр Анатольевич
тел./факс:+38 (0446) 39-07-33
e-mail: alex@bcmaz.com.ua

Генеральный директор:(Diretor Geral da KhMZ)
Баженов Игорь Александрович
тел./факс:+38 (0446) 39-07-33
e-mail: boss@bcmaz.com.ua
Enviada por Sindicato dos Trabalhadores na Ford Rússia, às 11:47 09/02/2009, de São Petersburgo, Rússia


Russia anti-sindical: mais um sindicalista sofre atentado em São Petersburgo
O líder sindical dos Trabalhadores na filial da GM em São Petersburgo, Evguenii Ivanov, foi agredido na tarde de domingo 08 de fevereiro de 2008 quando saía do prédio onde mora na localidade de Kolpino.

O líder sindical se encontra hospitalizado e tão logo possa irá registrar queixa na milícia (a polícia russa), mesmo sabendo que esta pouco resolve. Em 26 de janeiro Evguenii já havia registrado queixa na milícia, denunciando telefonemas anônimos ofensivos e ameaçadores.

Como o Sindicato dos Trabalhadores na GM é filiado ao MPRA (Sindicato Interregional dos Trabalhadores na Indústria Auto Russa) e este à VKT (Confederação Geral dos Trabalhadores na Rússia), Evguenii também solicitou apoio da VKT pedindo que fossem tomadas as mesmas medidas quando dos atentados sofridos por Aleksei Etmanov, co-presidente do MPRA e presidente do Sindicato do Trabalhadores na Ford, outra das organizações de base do MPRA.

Recentemente o MPRA enviou correspondência ao governo russo reivindicando que os sindicatos tenham um maior controle sobre as administrações das empresas.

As iniciativas pró-trabalhadores do MPRA parecem desagradar profundamente ao anti-sindical e anti-democrático regime russo, onde tudo mudou para continuar na mesma ditadura de sempre.

Atentados contra os líderes sindicais do MPRA estão cada vez mais constantes e os orgãos de segurança nada fazem para coibir as agressões. Ao contrário acabam por inocentar os agressores com desculpas esfarrapadas. Assim foi nos casos das agressões aos companheiros da Ford e da TagAZ (Hyundai) ocorridas em 2008.
Enviada por Aleksei Etmanov / Sergio Bertoni, às 09:23 09/02/2009, de São Petersburgo / Curitiba


Denúncia: partido do governo russo cria sindicato fantasma na Ford
Há tempos o governo russo vem desenvolvendo políticas de controle que avançam sobre todos os seguimentos da sociedade. Partidos, imprensa, empresas que não apóiam o presidente e seu partido sofrem todos tipo de perseguição. Ativistas sofrem atentados e são assassinados.

Os sindicatos também estão na mira dos poderosos. Aqueles sindicatos que ousam se opor ao regime e defender os interesses dos trabalhadores contra as investidas do capital estão fadados a perseguição. A serviço do regime estão outros “sindicatos” criados de cima para baixo ou velhas estruturas que sempre estiveram a serviço dos donos do poder, sejam elas “socialistas”, sejam elas capitalistas.

O Sindicato Interregional dos Trabalhadores na Industria Auto da Rússia – MPRA - e suas organizações de base lutam pelos interesses dos trabalhadores e tem enfrentado as políticas anti-sindicais das transnacionais do setor instaladas em Rússia. Portanto, estão entre os sindicatos perseguidos pelo poder e seus sindicalistas de aluguel.

Nos últimos meses o governo vem promovendo uma campanha de apoio à indústria automobilística “nacional”, incluindo aí as transnacionais instaladas no país. Na última semana aconteceu uma série de ações partidárias em apoio das iniciativas governamentais promovidas pelo partido do Putin “Rússia Unida” em conjunto com sindicalistas politiqueiros e patrões. Uma dessas ações aconteceu na cidade de Vsevolozhsk, onde está instalada a fábrica da Ford na Rússia. A ação foi dirigida pelo sindicato pelego “Sotsprof” recentemente cooptado pela administração do Presidente. A ação tinha como palavra de ordem “Sotsprof apóia a Ford” e “Ford também é uma indústria nacional”.

Aproveitando-se do fato que companheiros da direção nacional e local do MPRA estavam presentes no Fórum Social Mundial, o partido do governo promoveu um assembléia em frente aos portões da Ford, denunciando o MPRA, acusando-o de não se preocupar com a crise e com os empregos dos trabalhadores e anunciando a criação de uma filial local do Sotsprof. Os trabalhadores não participaram da assembléia, mas a imprensa controlada pelo governo rapidamente distribuiu a notícia sobre a assembléia por todo o país. Em São Petersburgo existem 4 montadoras de veículos, mas somente na Ford, onde o sindicato é mais forte e organizados o partido do governo e seu sotsprof fizeram a asembléia e tentam criar um sindicato fantasma, pelego.

Um outro fato a destacar é que a campanha governamental tem como um dos seus objetivos acabar com a importação de carros usados japoneses através do porto de Vladivostok. Estes veículos são destinados à região do Extremo Oriente na Rússia. O governo aumentou os impostos de importação na tentativa de preservar a indústria nacional e a mão de obra nas regiões centrais do país.

A defesa da garantia de emprego é uma reivindicação histórica do movimento sindical, que unifica a luta dos trabalhadores e sindicatos. Porém, os ditos “defensores” dos interesses nacionais desprezam o fato de que há um grande número de trabalhadores informais que vivem do trabalho de adaptação dos carros usados japoneses para o mercado russo e correm o risco de perder seus empregos. Esses supostos defensores instigam os trabalhadores das fábricas na região central da Rússia a se manifestar contra seus companheiros no Extremo Oriente. Enquanto isso a “NOSSA” General Motors-Avtovaz (Lada) demite 50% de seus trabalhadores, a “TAGAZ” (Hyndai) com sua política de flexibilização salários através do pagamento de prêmios, elimina o pagamento destes mesmos prêmios arrochando ainda mais os já baixos salários, que hoje gira em torno de R$ 200,00 por mês. A Avtovaz (Lada) ao mesmo tempo em que aumenta os preços dos carros, diminui seus custos através de férias coletivas não remuneradas.

O nosso sindicato MPRA (Sindicato Interregional dos Trabalhadores na Indústria Automobilística) luta contra esta política e se recusa a participar de ações que ferem os interesses dos trabalhadores.

Nosso sindicato não vai lutar contra os nossos companheiros do Extremo Oriente.

A campanha em prol da indústria nacional, na prática, prejudica os trabalhadores. Leva ao desemprego em massa e à precarização das condições de vida, enquanto o governo abre uma linha de incentivos fiscais aos patrões.

O sindicato MPRA enviou ao governo uma proposta de controle destes incentivos fiscais e cumprimento da lei. Os trabalhadores não devem pagar pela crise. Hoje somos obrigados a arcar com os erros dos patrões e do governo.

O MPRA convoca a todos os companheiros demitidos, a todos os trabalhadores, a todas as organizações que se preocupam com a situação da Rússia, a mobilizar-se e participar nas ações de protesto, promovidas pelo nosso sindicato nos dias 14 e 15 de fevereiro de 2009, contra as demissões e precarização da vida dos trabalhadores na Rússia.

Nossas bandeiras são:
«Os trabalhadores não devem pagar a crise»,
«Contra demissões!»,
«Garantia dos direitos dos sindicatos», «Lei para a Rússia!»,
«O trabalhador do Extremo Oriente não é nosso inimigo!»,
«Não à privatização dos lucros e à socialização dos prejuízos!»

Está na hora de por um fim às disputas no movimento social russo e construir a luta unitária pelos direitos dos trabalhadores.
Enviada por Sind. Interregional dos Trab. na Ind. Auto Russa, às 11:18 03/02/2009, de Belém, PA


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.