TIE-Brasil
20/11/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Julho/2005)

(clique para ver todas)

Exército Brasileiro faz Manobras na Fronteira
O Brasil começou nesta semana uma série de manobras militares na fronteira com o Paraguai. Pára-quedistas simularam a ocupação de Furnas e outras operações de ataque e defesa.

Estas manobras acontecem exatamente no mesmo período que tropas dos Estado Unidos fazem o mesmo tipo de operação em território paraguaio.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 11:04 30/07/2005, de Curitiba, PR


Rússia na Segunda Guerra
O Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro apresenta de 02 a 07 de agosto de 2005 obras de quatro diferentes cineastas russos e seus pontos de vista sobre a particpação da URSS no conflito mundial.

Entre os filmes da mostra estão "Balada de um soldado", "Quando as cegonhas voam", "Auroras nascem tranqüilas" e "Torpedeiros".

Vale a pena conferir!!!

CCBB, Rua Primeiro de Março, 66, Rio de Janeiro, Terça a Domingo, 17h e 19h.
Enviada por Sergio Bertoni, às 10:55 30/07/2005, de Curitiba, PR


Cultura: Exposição "A Minha Casa Baiana"
Uma das mais representativas coleções brasileiras de arte está sendo apresentada pela primeira vez ao público em sua totalidade na exposição "Odorico Tavares - A minha Casa Baiana, Sonhos e Desejos de um Colecionador de Arte".

A mostra traz 440 obras de artistas como Di Cavalcanti, Lasar Segall, Picasso, Miró e Matisse.

Museu Oscar Neymeyer, Rua Marechal Hermes, 999, Curitiba, PR. Terça a Domingo, 10/18h. Ingressos a R$ 4,00.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:48 30/07/2005, de Curitiba, PR


Agenda Positiva: R$ 2,5 bi para habitação
O governo federal resolveu destinar R$ 2,5 bilhões ao SFH - Sistema de Financiamento Habitacional neste segundo semestre de 2005. Isso significa um aumento de 50% em relação aos recursos concedidos no mesmo período de 2004.

É uma bela injeção de ânimo no setor da construção civil, que deverá gerar mais empregos.

Os efeitos dessa medida poderão ser ainda maiores se o Ministério da Fazenda diminuir a carga tributária sobre materiais de construção, por exemplo.
Enviada por Sergio Bertoni, às 10:39 30/07/2005, de Curitiba, PR


Outra Política é possível, necessária e urgente!!!
- Manifesto dos Frades Dominicanos do Brasil -

Frente à atribulada conjuntura do País, os frades dominicanos da Província Frei Bartolomeu de Las Casas, reunidos em seu Retiro Espiritual anual, vêm a público manifestar, em nome dos valores do Evangelho, seu apoio às atuais investigações a cargo do Ministério Público, da Polícia Federal e das Comissões Parlamentares de Inquérito.

Nossa indignação é grande diante de tantas denúncias de corrupção; todas elas devem ser rigorosamente apuradas e os culpados de crimes, severamente punidos. Esta é a única via para que a política caminhe à luz da ética.

Somos testemunhas de que está surgindo nas comunidades um revoltado sentimento de descrença na Política e de desesperança na construção de um outro mundo possível, colocando em xeque décadas de avanços na mobilização consciente do povo.

É urgente a reforma política pela qual, entre outras questões, deve-se: combater a ingerência constante do poder econômico na política, gerar mecanismos de transparência na ação parlamentar, reduzir os cargos de confiança, determinar a fidelidade partidária e instaurar mecanismos de participação popular e que a Justiça Eleitoral assegure plena transparência na contabilidade dos candidatos.

É dever da nova direção do PT, apoiada pelos militantes, investigar os possíveis desmandos do Partido, resgatando seu patrimônio ético. Acreditamos que a presença do PT no cenário político nacional é imprescindível ao fortalecimento da democracia brasileira. Sem canais institucionais que viabilizem as reformas estruturais inadiáveis para que se reduza a desigualdade social, a esperança dos pobres corre o risco de resultar em revolta, ameaçando o Estado de Direito.

Apelamos para a sensibilidade do Presidente da República para que, em constante diálogo com os Movimentos Sociais, promova indispensáveis e urgentes mudanças na política econômica, priorizando as políticas sociais, sobretudo as reformas agrária e urbana, a educação, a saúde e emancipando os 53,9 milhões de brasileiros e brasileiras que vivem na pobreza.

Jundiaí, SP, 28 de julho de 2005.

Assina em nome dos 56 participantes do retiro espiritual anual.

Frei Márcio A. Couto, OP.

Provincial
Enviada por Frei Betto, às 23:40 29/07/2005, de São Paulo, SP


Argentina y Brasil tienen que actuar en conjunto
Estimado Prof. Mele:

Muchas gracias por su e-mail y alarmantes informaciones que me transmite, relativamente a fuerzas armadas americanas sediadas en Paraguay.

Ese hecho es de suprema gravidad y requiere una acción conjunta de Argentina y Brasil, en el sentido de disuadir Paraguay de albergar fuerzas estranjeras en su territorio. Si Paraguay quiere dar inmunidades (impunidades) a las fuerzas americanas, que lo haga. Lo que atenta contra los principios de Mercosur es abrigar en territorio de los participes fuerzas alienígenas.

La construcción de un Mercosur consistente y, lo que es aun mas difícil, de una seria Comunidad Sudamericana de Naciones, es algo que se defrontará, continuamente, con todo tipo de obstáculos por parte de EUA.

Nuestro posible éxito depiende, integralmente, de la medida en que logremos estabelecer una estable, confiable y recíprocamente benéfica alianza estratégica argentino-brasileña. El propósito de hacerlo existe. Hay que transferirlo de la retórica a los hechos. La llave por a eso es la adopción de una política industrial común. Nos compite, dentro de los medio de que disponemos, contribuir para eses objetivos.

Cordiales saludos,

Helio Jaguaribe
Enviada por Helio Jaguaribe, às 22:07 29/07/2005, de Rio de Janeiro, RJ


Nueva Base de EE.UU. en el Corazón de Suramérica
"La ignorancia es deliciosa...." Es una frase que se dice en la película Matrix cuando los humanos creen ser parte de la historia del mundo y solo eran instrumentos de una computadora central. Así pareciera ser el grado de ignorancia o de ocultamiento sobre lo que esta aconteciendo en el corazón del continente Suramericano y dentro del MERCOSUR con la autorización por parte de las Autoridades gubernamentales del Paraguay, al despliegue que realizara en ese país tropas del Comando Sur de los EE.UU.

Pues bien este tema de bases debe encuadrarse en el concepto estratégicos que EE.UU., a establecido muy especialmente después de 11 de Septiembre, por lo cual la lucha contra el terrorismo paso a ser fundamental, , con sede en Miami se estableció el Comando Sur del continente suramericano y el Caribe y para ello dispuso siete objetivos estratégicos a cumplir:

Primero: "Garantizar el flujo libre del suministro regional de energía a los mercados internacionales, sin que sean objetos de agresión"

Segundo: asegurar que los países ejerzan su soberanía territorial, para ello se comprometió a ayudar a las naciones andinas en su esfuerzo por dominar espacios no gobernados e impedir el efecto derrame de sus vecinos inestables (¿).

Tercero:lograr que los aliados tengan la voluntad de participar en "operaciones combinadas",

los Cuarto y Quinto son clasificados y por lo tanto no son de conocimiento general.

Sexto: impedir que los estados renegados apoyen a organizaciones terrorista, y el

Séptimo: "fortalecer y mantener gobiernos estables y democráticamente electos.

Ahora bien teniendo en cuenta los objetivos antes planteados, con un silencio muy particular, en la gran prensa y los gobiernos involucrados el 1 de julio de este año desembarcaron en Paraguay 400 marines de Estados Unidos, con el objetivo de establecer una base que por la zona en que esta enclavada significa el control estratégico del Cono Sur.

Es mas estas tropas ingresaron con el consentimiento del Gobierno Paraguayo que a través de la firma de Notas revérsales firmada entre EE.UU. y Paraguay el 5 de mayo de 2005, autorizan "Ejercicios e intercambios militares bilaterales". Además esto fue aprobado por el Parlamento Paraguayo y el acuerdo rige del 1 de Julio de 2005 a Diciembre de 2006, resaltando que el mismo es "prorrogable".

Es llamativo que Paraguay por ser miembro del MERCOSUR es firmante del TPI (Tratado Penal Internacional) y firmante del Estatuto de Roma de la Corte penal Internacional que es subsidiaria a los tribunales de los Países firmantes. Es importante aclarar que los EE.UU. no firmo los tratados antes mencionados. Y que Paraguay firmara estas notas y sus socios no protestaran por ello.

Y que de acuerdo a las notas antes comentadas los efectivos norteamericanos en Paraguay tendrán el status de "funcionarios diplomáticos administrativos", gracias a lo cual pueden entrar y salir del País cuando lo deseen, transportar libremente armas o cualquier tipo de equipo sin que las autoridades locales puedan requisar, e incluso tiene el beneficio de exención impositiva para sus productos, materiales y propiedades. Además de que esos soldados no tendrán que responder por los daños que causen a la salud o al medio ambiente, ni tampoco a los recursos de la población. También se les reconocerá matriculas medicas y las licencias de conducción de los vehículos que lleven a Paraguay.

La Base de Mariscal Estigarribia

La base en cuestión será la ampliación de la ya establecida semiclandestinamente (hace mas de cinco años que tenemos conocimiento d ela existencia de la misma), en la localidad de Mariscal Estigarribia, Provincia de Boqueronen,en el Occidente del Territorio Paraguayo. Mariscal Estigarribia es una localidad de apenas 3000 habitantes en el denominado Chaco Paraguayo que esta ubicada a 250Km de Bolivia cercana a las provincias Argentina de Formosa y Salta, cuenta con una pista de aterrizaje de 3800 metros lo cual permite el aterrizaje de los aviones de mayor tamaño actuales del parque militar de EE.UU. Los Galaxy y los B52. y la idea es ampliar las instalaciones según informes con una capacidad de albergue a 16.000 efectivos y se especula que los mismos llegaran en 13 contingentes.

Para que tengamos una idea de su importancia estratégica comentaremos lo siguiente :

*Desde allí se podría controlar las reservas gasiferas y petrolíferas de Bolivia, ubicadas en Tarija (según algunos informes una délas mayores reservas mundiales de gas), estas esta conectada con el pozo "Independencia 1" a 100 Km. de distancia en territorio Paraguayo, es mas se ha descubierto que si las maquinas excavan a mayor profundidad hay importantes pozos petrolíferos.

*Esta ubicada en el corazón del continente puede desplazar efectivos a la denomina zona de la Triple Frontera donde en la actualidad reside una importante comunidad árabe que cuenta con varios miles de Palestinos

*Y desde esta base se puede monitorear la segunda reserva de agua dulce del Planeta el denominado Acuífero Guarani

Es evidente que si analizamos los objetivos que se plantea el Comando Sur para este Continente, por lo menos los objetivos 1,2 y 3 están cubierto por esta base militar.

*Para dar una idea de la importancia que da EE.UU. a este tema debemos informar que la Casa Blanca, designo como nuevo Embajador en Paraguay a James Caldwell Cason. Que por sus conocimientos militares fue asesor político del Comando Estadounidense en la OTAN . Fue Director de Planificación para el Hemisferio Occidental del Departamento de Estado y actualmente se desempeña como jefe de la oficina de intereses de EE.UU. en la Habana Cuba ( un funcionario de gran importante por las funciones cumplidas)

*Además para el mes de septiembre se espera la llegada a Asunción de expertos del Centro de Estudios Hemisféricos de Defensa organismos dependiente del Pentágono, para desarrollara un seminario de Planificación del sistema de Seguridad Integral

Para dar un marco de en que contexto se inscribe esta nueva Base, transcribo las apreciaciones que desarrolla el Américas IRC-online Org. Sobre las apreciaciones estratégicas de los centro de análisis del Pentágono sobre la situación en América latina que me enviara el Prof. Dr. Luiz Moniz Bandeira y que gracias a la colaboración del amigo y Traductor DMP retransmito:

"Según este informe especial, "Washington esta perdiendo control de su patio trasero. Si el gobierno de ESTADOS UNIDOS "mantiene el curso" con su actual política extranjera y militar, como presidente Bush ha afirmado en varias ocasiones que es necesario mantener el país fuerte, los Estados Unidos están en un curso de colisión con América latina y el Caribe." La política de seguridad nacional de ESTADOS UNIDOS se ha desarrollado en años recientes con una combinación de "misión" que abarca definiciones que se amplían de la seguridad nacional, y de aspiraciones hegemónicas más abiertas. Los estrategas y los ideólogos principales de la administración de Bush creen abiertamente que la dominación global de ESTADOS UNIDOS es la mejor y en todo caso, inevitable forma de gobierno del mundo. Pero al mismo tiempo este alcance que se amplía de la seguridad nacional y de la hegemonía enfrenta un contragolpe del no-hegemónico. Hay un nuevo espíritu de resistencia, de reforma y de autodeterminación en América latina y el Caribe "

See complete new IRC paper online at:Vea el informe complete del IRC en:

http://americas.irc-online.org

Por ello considero que el despliegue de tropas norteamericanas es uno de los golpes mas fuertes que la administración Bush ha descargado sobre el Mercado Común del Sur y no dudaría en afirmar que los marines incursionaran sobre a zona de la Triple Frontera actuando como una fuerza de despliegue rápido.

Debemos destacar que hasta la fecha el Gobierno Paraguayo, no desmintió ninguna de los análisis y conjeturas arriba planteados, solo aplico el silencio, que extrañamente esto también se ve en los grandes medios de prensa (algunos porque pertenecen a monopolios extranjeros y otros por imposición o auto censura), pero también de los integrantes del MERCOSUR no se ha escuchado ninguna declaración oficial sobre este tema.

En la actualidad EE.UU. posee muchas bases en la región conocidas o semiclandestinas

A nadie informado, escapa que Latinoamérica es un objetivo estratégico. Que es el territorio que posee casi todos los recursos naturales que le faltaran a la Humanidad en este siglo y el próximo, además esta poco poblado en relación a sus dimensiones y las mayorías de sus clases dirigentes están agotadas y corrompidas.

Como Directivo del CeeS. considero que de no tomar conciencia, Los Estados involucrados, la Base en paraguay puede ser el indicio de los años mas difíciles para Suramérica desde las Guerras de independencia. En nuestro continente se desarrollaran conflictos en los que intervendrán actores extracontinetales en no mucho tiempo mas para el control de los recursos y la supervivencia de esos hoy poderosos países-continentes. Por ello debemos iniciar una rápida difusión de esta información y movilizarnos para defender nuestra posibilidad de ser sujetos de la Historia con decisión propia

"Que la ignorancia no sea el motivo de desencuentros en el Cono Sur"

Lic. Carlos A. Pereyra Mele

Secretario de Interior Fundación CeeS

Fuentes:

Diarios de Paraguay, Bolivia y Argentina, Sitio Harry Magazine, Sitio Periodístico Rebelión, Sitio Periodístico Argenpress, Sitio Red Kalki, Mapa de Base Mariscal Estigarribia (www.abc.com.py/images/mappar1.jpg)
Enviada por Frederico Estrada Meyer, às 22:04 29/07/2005, de Nova York, EUA


Fiat: filial brasileira sustenta matriz italiana
As operações da Fiat no Brasil obtiveram um crescimento no seu faturamento de 18,8%, representando um total de R$ 8,2 bilhões (cerca de 2,8 bilhões de Euros) que impulsionaram o crescimento mundial da empresa com sede em Turim na Itália, que fechou o primeiro semestre de 2005 com lucro de 300 milhões de Euros.

Como nos "bons tempos" coloniais quando o Ouro saía de Minas Gerais para abastecer a metrópole portugesa, agora são os Euros que saem de Minas Gerais para abastecer a transnacional italiana.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 15:30 29/07/2005, de Curitiba, PR


Itaipu será polo de produtos orgânicos
A empresa Itaipu Binacional se prepara para deixar de ser apenas uma produtora de energia para se tornar também um grande produtora de produtos agrícolas orgânicos.

O programa "Cultivando Água Boa" iniciado em 2003 já no governo Lula faz parte de um programa ambiental de longo prazo que visa recuperar os passivos ambientais de toda a área do enorme lago de Itaipu, que inclui 28 municípios no Paraná e 1 no Mato Grosso do Sul.

Participam do projeto coordenado por Itaipu Binacional 33 instituições envolvendo diretamente 700 pessoas num total de 70 projetos em 29 microbacias numa área de 1.300 km2, onde 3250 propriedades deverão ser certificadas até 2006.

O programa ampliará a produção de alimentos orgânicos saudáveis, aumentará a vida útil da barragem de Itaipu e combaterá 4 dos 5 maiores problemas ambientais da região.

O projeto providencia assitência técnica aos produtores, ajuda na comercialização, marketing, certificação e controle de qualidade dos produtos além de investir em pesquisa e desenovlimento, comunicação e educação ambiental e gestão informatizada através do uso de Software Livre onde são armazenadas todas as informações possíveis que são compartilhadas entre os participantes do projeto.

Os produtos provenientes dos projetos parte do programa "Cultivando Água Boa" são comercializados com a marca Gran Lago que também é uma espécie de certificado de origem para os produtos da região.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 15:25 29/07/2005, de Curitiba, PR


Juiz de Fora: Metalúrgicos em campanha
O Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora está em negociação com a patronal para definir a Convenção Coletiva de Trabalho para 2005/2006.

A pauta de reivindicações é extensa e visa ampliar as conquistas e garantias já incorporadas ao patrimônio dos Trabalhadores.

Entre as reivindicações destacam-se:

a) Aumento real de 5% mais inflação integral do período anterior; b)pagamento de adicional de férias de 100% do salário quando do retorno do Trabalhador de seu merecido descanso; c)Auxílio Creche; d)Garantia de Emprego e Salário; e) Negociação com o Sindicato de todo processo que envolva terceirização de serviços e mão-de-obra; f) Eleição dos Comitês Sindicais de Base em empresas com mais de 50 Trabalhadores.

Através desta negociação os metalúrgicos de Juiz de Fora buscam colocar em prática a Reforma Sindical, confirmando que a nova legislação proposta não trata apenas de uma questão de mudanças legais ou jurídicas, mas sim uma questão de concepção sindical que priviligie a Organização dos Trabalhadores no Local de Trabalho e a Democracia na vida sindical.
Enviada por Henrique Almeida, às 14:05 29/07/2005, de Juiz de fora, MG


CUT: João Felício é o novo presidente
João Felício foi escolhido hoje pela Executiva da CUT (Central Única dos Trabalhadores) para ser o novo presidente da central sindical. Ele vai substituir Luiz Marinho, escolhido pelo presidente Lula para ocupar o cargo de ministro do Trabalho.

A nomeação de Marinho para a pasta antecipou o debate sobre a sucessão na CUT. Até o meio desta semana, Artur Henrique da Silva Santos e João Felício apareciam como favoristos ao cargo.

João Felício vai apenas cumprir o resto do mandato de Marinho. Em abril ou maio de 2006, durante congresso, a CUT deve escolher o próximo presidente da entidade, que terá mandato até 2009.
Enviada por Sergio Bertoni, às 12:44 29/07/2005, de Curitiba, PR


Veja, os tucanos e Marcos Valério
Por Marco Aurélio Weissheimer

Dados do TSE mostram que Editora Abril, proprietária da Veja, financiou campanhas de candidatos tucanos em São Paulo, entre elas, a de Alberto Goldman. Nada ilegal, mas não custa avisar aos leitores. Ajuda a entender a linha editorial. E o que isso tem a ver com Marcos Valério?

As informações são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e foram obtidas pelo gabinete do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR). A Editora Abril S/A, proprietária da revista Veja, entre outras publicações, doou, nas eleições de 2002, R$ 50,7 mil a dois candidatos do PSDB e a um candidato do PPS. O deputado federal Alberto Goldman (PSDB-SP) recebeu doações de R$ 34,9 mil da editora naquele ano. O deputado federal licenciado Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ex-ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso, recebeu uma quantia mais modesta, R$ 15,8 mil. Ferreira é hoje secretário de governo do prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB). Já o candidato Emerson Kapaz (PPS-SP), que já exerceu mandatos pelo PSDB antes de trocar de partido, recebeu R$ 30 mil. Segundo a assessoria do deputado Dr. Rosinha, essas foram as únicas doações a políticos feitas pela Editora Abril em 2002.

Até aí morreu Neves. Nenhuma ilegalidade e também nenhuma surpresa. A informação é útil, porém, para ver com mais clareza as opções editoriais da revista Veja, que chegou a recorrer à Justiça para ter o direito de chamar a ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, de "perua do mensalão", sem apresentar qualquer prova que justificasse essa agressividade verbal. As afinidades político-partidárias dos donos da revista talvez forneçam uma explicação mais razoável para tanta fúria.

A Editora Abril também foi identificada como responsável por um depósito de R$ 303 mil reais em uma conta da DNA Propaganda, empresa de Marcos Valério, segundo dados obtidos pela CPI dos Correios e divulgados pela mídia. Os integrantes da CPI também identificaram dois depósitos da TV Globo, somando R$ 3,6 milhões, e dois da Globosat, somando R$ 180 mil. Segundo a assessoria da DNA, nestes dois últimos casos, os depósitos correspondem ao pagamento de comissões e bônus pela veiculação de publicidade em emissoras de televisão aberta e a cabo. Em princípio, também não há nada de ilegal nisso. Mas será interessante ver qual será o tom da cobertura destes veículos sobre tais depósitos. Merecerão manchetes e destaques de capa?

Nos últimos dias, as revelações de que candidatos tucanos e de outros partidos da oposição também receberam dinheiro de contas de Marcos Valério pegaram muita gente de surpresa, desafiando a grande mídia a adotar novas inflexões em suas coberturas. O próprio presidente nacional do PSDB, Eduardo Azeredo, teve que vir a público para dar explicações. O ex-presidente FHC apressou-se a dizer que é preciso investigar tudo, mas teve mais pressa ainda em dizer que é importante não perder o foco olhando para o passado, ou seja, para o seu governo. Ao contrário de FHC, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, mostrou-se preocupado com o passado e pediu esclarecimentos a quatro assessores do governo estadual que receberam dinheiro das contas de Marcos Valério para campanhas eleitorais em 1998. Aécio também parece preocupado com rumores que apontam para tucanos paulistas como responsáveis por denúncias que estão caindo em seu colo. A rivalidade tucana na corrida presidencial para 2006 ainda vai dar o que falar.

E a revista Veja, o que diz de tudo isso? Em sua edição on-line desta quarta-feira (27), a revista anuncia que "o presidente do PSDB, senador Eduardo Azeredo (MG), reagiu rapidamente às denúncias de que teria recebido recursos das empresas de Marcos Valério para sua campanha de reeleição ao governo de Minas em 1998". E informa que Azeredo já se colocou à disposição da CPI dos Correios para explicar as denúncias, rejeitando qualquer comparação entre a campanha em Minas e as denúncias contra o PT, apuradas pela CPI dos Correios. Nenhuma linha sobre o depósito de R$ 303 mil reais feito pela Editora Abril na conta de uma das empresas de Valério. Em nota oficial, não publicada pelo site de Veja na tarde de quarta, o Grupo Abril afirma que "mantém relacionamento comercial com a grande maioria das agências de publicidade do país e que pagamentos de comissões em nome de agências fazem parte das práticas normais da atividade". De fato, fazem parte, mas a discrição e o silêncio no site da revista são duas características estranhas à linha editorial da publicação quando se trata de alguma denúncia contra qualquer coisa que tenha "cheiro de esquerda". Neste caso, qualquer denúncia ganha destaque imediato.

A informação levantada por Dr. Rosinha teria algo a ver com essa postura? Para o parlamentar petista, há fortes evidências de que sim. "Essas doações a dois caciques tucanos, feitas pela editora proprietária de Veja, revelam uma relação íntima mantida entre a revista e o PSDB", declarou. Dias atrás, Dr. Rosinha apontou ligações entre o instituto de pesquisa Ipsos-Opinion (multinacional com sede na França) e o PSDB. Segundo ele, a revista usou dados do instituto para publicar capas ofensivas contra o presidente Lula. Qual a relação entre as duas entidades? O Ipsos trabalha para o PSDB desde o início de sua atuação no Brasil em 2001, apontou o deputado petista.

Ele também tira algumas conclusões a partir da confirmação do financiamento, pela Editora Abril, de candidaturas tucanas, especialmente no caso de Alberto Goldman. "Além de ter relatado a Lei Geral de Telecomunicações durante o governo FHC, Goldman também presidiu a comissão que tratou da flexibilização do monopólio do petróleo. O principal beneficiado pelas doações da Editora Abril foi ainda ministro dos Transportes, quando deu início ao processo de privatização das rodovias e portos brasileiros", informa material produzido pela assessoria do parlamentar. E vai mais além. "Uma das maiores editoras do Brasil, a Abril possuía um endividamento líquido, em 2002, de R$ 699,5 milhões. Em julho de 2004, fundos de investimento em empresas de capital privado da Capital International Inc. associaram-se ao grupo Abril, beneficiando-se da Lei Geral de Telecomunicações, relatada por Goldman".

Ainda segundo Dr. Rosinha, essa negociação permitiu à editora um aumento de capital de R$ 150 milhões - parte desse valor teria sido utilizada no abatimento da dívida. "O negócio corresponde a 13,8% do capital da Abril. A dívida atual da editora chega a R$ 485,9 milhões", acrescenta, concluindo: "Como se vê, mesmo endividada, a empresa não deixou de contribuir com campanhas tucanas. Onde fica o princípio de imparcialidade e a independência jornalística dos veículos ligados à editora?", questionou o parlamentar.

A revista Veja tem denunciado com vigor as relações entre políticos do PT e a iniciativa privada, relações estas que financiariam o esquema do mensalão. Não resta sombra de dúvida de que a democracia brasileira só vai merecer este nome quando, entre outras coisas, as relações entre os setores públicos e privados ficarem transparentes para a população. A Editora Abril e a revista Veja poderiam dar o exemplo e explicar com que interesse financiaram campanhas eleitorais de candidatos tucanos. E se esses interesses se manifestam, de algum modo, em suas escolhas e ênfases editoriais. Afinal de contas, a falta de transparência nas relações entre o público e o privado é um dos fatores causadores da atual crise política. Ou não?

Fonte: Agência Carta Maior

Marco Aurélio Weissheimer é jornalista da Agência Carta Maior
Enviada por Almir Américo, às 11:05 29/07/2005, de São Paulo, SP


A esquerda pasmada e a República nua
Por Maria Alzira Brum Lemos

"Quando ele se viu sozinho,

da cova na escuridão, surrupiou de mansinho

os dourados do caixão".

Gregório de Matos

Em O rei pasmado e a rainha nua (Rio de Janeiro, Rosa dos tempos, 1993), Gonzalo Torrente Ballester narra o alvoroço que causou, na Espanha do século XVII, o desejo do rei Felipe IV de ver a rainha nua. O romance, adaptado para o cinema por Imanol Uribe, trata da confusão decorrente do fato de que a nudez real não era então considerada assunto privado, mas assunto de Estado, pois, dizia-se, pelos pecados dos reis pagava o povo. A partir desse episódio, Ballester desnuda a Espanha do século XVII, a um passo de perder sua supremacia no mundo, submetida por um regime absolutista, com a gestão do Estado mergulhada num labirinto de interesses, farsa, trapaças, corrupção. Tudo isto alimentava os mentideros, como eram conhecidos os locais onde as pessoas se reuniam para saber das últimas notícias, fazendo eco de conspirações mirabolantes, intrigas, calúnias e quetais.

A equação parece óbvia até mesmo para quem, como eu, não é expert em política: quanto mais centralizado o poder, quanto mais autoritário e/ou totalitário o regime, maior a promiscuidade entre os interesses privados e a res pública. Quanto mais inacessíveis os métodos de gestão do Estado, maior é a corrupção, ou, na definição de Aristóteles, a ?mudança que vai de algo ao não-ser desse algo; é absoluta quando vai da substância ao não-ser da substância e específica quando vai para a especificação oposta?.

A corrupção tem sido endêmica no nosso país. Na Colônia, dos tribunais da Inquisição ? que se apoderavam dos bens dos infelizes que processavam - aos funcionários da Corte poucos escaparam desse mal. Segundo contam algumas línguas, até Gregório de Matos, grande poeta, pensador e cronista desse e de outros costumes da colônia, uma vez transformado em governador, andou aprontando. A corrupção se perpetuou e, dizem, aumentou com o Império e com a República. Será por causa das distâncias imensas que aqui têm separadado os bacharéis e coronéis do resto das gentes, dirão alguns com sobrada razão.

Mas o partido que hoje está na Presidência da República teve origem na resistência, na efervescência política e na diversidade de correntes que puseram fim a mais de 30 anos de ditadura. Sendo assim, os governantes do Brasil de hoje, pelo menos em parte, representam avanços com relação à antiga configuração. Os trabalhadores da cidade, do campo, dos serviços, a ?classe média intelectualizada?, entre outros setores, têm relação com o atual governo. Uma relação que tem que ver com a própria origem do PT.

O Partido dos Trabalhadores -PT- nasceu de um amplo acordo entre sindicalistas, marxistas, ex-guerrilheiros, setores da igreja, intelectuais e de um grande número de correntes e propostas em torno de um projeto de mudança. Esse projeto, a grosso modo, pode ser resumido em:

1) reformas estruturais que diminuíssem a desigualdade econômica e social, que levassem o Brasil a deixar de ser o país da escravidão agrária, dos meninos de rua, da prostituição infantil, da fome e da violência generalizada;

2) democratização, para restituir a vivência democrática, possibilitando maior participação dos cidadãos nas decisões e nos processos de gestão do Estado; e

3) como eixo transversal, a ética, pois, da diversidade e da construção de novas normas de convivência na política e de novos paradigmas para as relações entre o privado e o público adviria maior transparência nos métodos utilizados na política, na gestão do Estado e na condução da res pública.

A corrupção não é apenas uma triste tradição de uma história de autoritarismo, centralização e elitismo. Na forma como chegou até nós, tem muito que ver com os vícios da época da ditadura, que, ao longo de 30 anos, favoreceu, privilegiou, alimentou e/ou obrigou a que se cultivassem métodos no mínimo questionáveis quando se tratava de aceder ao poder. À direita e à esquerda (leninista), os fins, interesses privados ou supostamente da maioria, justificavam os meios. Não preciso lembrar aos contemporâneos o quanto era comum o uso das ?máquinas? para se atingir metas políticas, ou seja, de poder.

Foi assim que, para chegar ao poder, o PT abriu mão daquilo que era sua maior riqueza: a diversidade. Virou um partido sem discussão, um partido dirigido por profissionais, um partido de consenso. O PT afastou muitos quadros, ou estes se afastaram do PT. A partir de um determinado momento, não se falava em política ?na base? do PT. Pelo menos não como antigamente. Os ?pragmáticos? venceram. A mitância foi se profissionalizando, e se amoldando à déformation professionelle da política. Os demais foram cuidar da vida, nas ongs, nos movimentos sociais, nas universidades, em outros partidos, nos jornais, na NET ou nos shoppings. O PT do poder é o partido do consenso.

Mas o consenso (e não a diversidade, como pensaram muitos nos séculos XIX e XX e a cúpula petista no XXI) é o fim da história. Ao instalar o consenso, o PT descaracterizou o projeto petista. Embora não se possa dizer que Lula tem feito um mau governo, não se levou a cabo a proposta de reformas estruturais. Em vez de uma aliança por reformas, o PT apostou numa aliança pelo poder. Em vez de um movimento pela democratização, escolheu amoldar-se aos piores métodos herdados do passado. Em vez da saudável diversidade que garantiria a sustentação da ética, optou pela auto-suficiência e, por conseguinte, pela ausência de ?outros? com quem discutir os métodos.

Quando se instaura a desconfiança com relação aos membros do PT no Governo, já não há quem defenda o projeto que dava a sentido ao partido. Os dirigentes, por tê-lo abandonado, não conseguem sequer usá-lo em sua defesa. A ?esquerda? fundou outro partido, que não herdou (até pelos métodos que utilizou para se formar) o projeto que esteve na base da criação do PT. Os intelectuais ou foram expulsos ou se expulsaram, preferindo o lugar de críticos, onde não têm que sujar as mãos com política. Esvaziou-se, para grande parte dos militantes, simpatizantes e eleitores do PT, a autoridade moral advinda de uma forma nova, diferente e saudável de fazer política.

Daí o silêncio. Daí o pasmo que nos acomete frente à chamada grande imprensa, que sobrevive de ?desmistificar? as demais instituições, às custas do espetáculo e da ignorância. Vive de ?desvelar? os segredos, e não tem interesse em que outros métodos de gestão sejam formatados, porque, neste caso, seria o fim dela da maneira como a conhecemos. A grande imprensa e os meios de comunicação também apostam, à sua maneira, no consenso.

Parece que não sobrou ninguém que defenda aquelas plataformas que orientaram o processo de construção do PT enquanto uma novidade na política brasileira, e do mundo. Quem cala consente. E esse silêncio tem cara de rendição. Para muita gente de minha geração, isto provoca um grande mal-estar. Por que não assumir a defesa do PT, não enquanto agremiação partidária, mas naquilo que esta sigla representou e representa para o Brasil e para muitos de nós? O inimigo não é ?a direita?, não é o Roberto Jefferson, não é o PSDB, mas exatamente o vazio, o mal-estar, o pasmo e a pasmaceira que tomam conta da ?esquerda? nestes dias.

Hoje dispomos de meios para falar, opinar e, inclusive, com as tecnologias digitais, formatar métodos interativos de gestão, maior acesso, não apenas às informações, mas às decisões. Por que não falar? Por que não retomar a resistência, a diversidade e a efervescência política que marcaram o nascimento do PT? Por que não fazer da crise um momento de renovação? As perguntas estão no ar.

Quem cala consente. A ?esquerda?, incluídos nesse termo todos aqueles que apostaram no projeto por um novo Brasil que o PT representou, está pasmada enquanto a República se desnuda. Enquanto isto, como na Espanha de Ballester, o povo paga pelos pecados dos governantes.

Maria Alzira Brum Lemos é jornalista, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, professora universitária, consultora e coordenadora da série académica da Editôra Garamond. Esta matéria foi escrita para ser publicada pela Novae.
Enviada por Maurício Minolfi, às 10:25 29/07/2005, de Curitiba, PR


SALVEMOS O PT!
Por Frei Betto

PT não significa Partido do Trambique, da Trapaça ou da Tramóia.

É o Partido dos Trabalhadores que, ao longo de 25 anos de existência, revelou possuir muitas virtudes e alguns vícios. Agora ele aparece, aos olhos de considerável parcela da opinião pública, um partido "igual aos outros" ou "farinha do mesmo saco".

O horror da Inquisição na Idade Média e os recentes casos de pedofilia não obscurecem a história da Igreja, banhada pelo sangue dos mártires e abraçada por tantas figuras exemplares, como Francisco de Assis, Bartolomeu de las Casas e madre Teresa de Calcutá.

O fato de alguns dirigentes do PT terem agido em contradição com a ética e os princípios do partido não significa que houve conivência do conjunto de sua direção e, muito menos, de sua militância, em geral gente pobre, desempregados, donas de casa, operários, pequenos agricultores, estudantes e profissionais liberais.

Excessos, traições e corrupções ocorrem, infelizmente, em todas as instituições. Até Jesus teve Judas em seu grupo.

O PT não merece ser levado na enxurrada do esgoto destampado pelo deputado Roberto Jefferson. Precisa ser preservado e depurado, como bem percebeu o presidente Lula ao apoiar as CPIs, demitir o ministro José Dirceu e intervir na direção do partido, agilizando a substituição de seus membros por ministros de alta competência e confiabilidade, como Tarso Genro (Educação), Ricardo Berzoini (Trabalho) e Humberto Costa (Saúde).

Nunca me filiei ao PT, mas participo de sua história, abonei-o junto às Comunidades Eclesiais de Base e aos movimentos populares. Como cidadão, constato que ele está visceralmente comprometido com o futuro do país. Se o PT naufragar junto com seus dirigentes alvos de suspeitas, em qual outro horizonte os pobres haverão de canalizar suas esperanças? O PT é muito maior do que seus dirigentes acusados de agir ilicitamente no tráfico de verbas de campanha.

Numa nação em que a parcela dos 10% mais ricos controla 42% da riqueza e, na outra ponta, os 10% mais pobres dividem entre si 1% da renda nacional, o PT tem sido a referência de mudanças no rumo da justiça social, malgrado o freio de mão representado pela atual política econômica do governo.

A hipótese de esgarçadura do PT, advogada por setores retrógrados da política brasileira, é uma ameaça à estabilidade democrática.

Sem o PT, os movimentos populares perderão sua representação política. É verdade que poderiam delegá-la a outros partidos progressistas, mas nenhum deles tem suficiente capilaridade no país, nem suscita o entusiasmo confiante queo PT goza Brasil afora.

Sem o PT no cenário político brasileiro, o movimento popular ficará órfão, sem canal de expressão, o que poderá induzi-lo ao desencanto com a política institucional e resultar em graves desvios. Centrais sindicais e movimentos de trabalhadores sem-terra podem ceder à tentação de se transformarem em alternativas partidárias, esvaziando suas bandeiras específicas. Movimentos sociais talvez se vejam incapazes de conter a revolta de seus militantes em busca de vias alternativas, não-institucionais, para as mudanças sociais. Não há quem possa garantir que tais alternativas venham a respeitar os limites do estado de direito.

A luta armada interessa hoje, no Brasil, a apenas dois setores: aos fabricantes de armas e à extrema-direita, saudosa dos tempos em que o fuzil subjugava a lei. Porém, não se pode pedir a 53,9 milhões de pobres que tenham paciência infinita. Embora o governo federal venha implantando políticas sociais inovadoras, como o Fome Zero e, dentro dele, o Bolsa Família; o microcrédito; o Pronaf; o seguro-safra; a demarcação de terras indígenas, como Raposa Serra do Sol; o cooperativismo; e a ampliação do emprego formal; ainda falta muito para que sejam atingidos os compromissos históricos do PT, como a efetivação das reformas agrária e trabalhista.

Ninguém sai incólume de uma crise. Esta que ora abala o país e, no olho do furacão, o PT, deverá servir para que a nova direção do partido - a provisória e a que será eleita em setembro - repense seus mecanismos internos de controle, seus princípios éticos, seus critérios de financiamento de campanha, seu processo de filiação, de formação política da militância e de qualificação dos dirigentes, sua visão estratégica de um Brasil menos desigual e mais desenvolvido.

O PT é fiador de uma incomensurável esperança, hoje centralizada no governo Lula. Pior que todas as maracutaias é ver o medo, frente às injunções do mercado financeiro, vencer essa esperança. Não é a corrupção que mais ameaça o PT. É o risco de o partido não cumprir seu papel histórico de agente de transformação social.

Como disse Lula na Praça da Bastilha, em Paris, faz-se grande quem sabe pensar grande. Se o PT pensar apenas nas próximas eleições, cego ao horizonte de mudanças que ele descortinou, haverá de definhar como uma estrela sem brilho. E arrastará consigo a esperança de milhões de pessoas. Restará a desesperança, em cujo ventre germinam as sementes malignas da política: o fascismo, o fundamentalismo e o terrorismo.

Salvemos o PT, livrando-o de quem não o merece. Trata-se de salvar a democracia brasileira. E que a lição sirva a todos nós: quando não há clareza de quem são os nossos adversários, corremos o risco de nos comportar como eles.

Frei Betto é escritor, autor do romance policial "Hotel Brasil" (Ática), entre outros livros.
Enviada por STIA São Borja, às 10:19 29/07/2005, de São Borja, RS


Fidel Castro faz grave denúncia contra EUA
O presidente de Cuba, Fidel Castro, denunciou que os Estados Unidos estão criando um "dispositivo militar para deter" o movimento político na América Latina e intervir "inclusive no Brasil".

Ele afirmou que o governo de George W. Bush tem "uma mentalidade intervencionista" e planeja "entrar na Bolívia quando for preciso, e intervir inclusive no Brasil".

Os Estados Unidos "andam buscando bases e criando dispositivos militares para deter a América Latina com as armas", disse na terça-feira à noite, ao comentar o envio de 400 soldados norte-americanos ao Paraguai.

Em um discurso de quatro horas por ocasião do 52º aniversário do assalto ao quartel Moncada, Fidel Castro afirmou que os EUA "precisam de uma base contra os latino-americanos e contra qualquer processo político revolucionário na América Latina". "Há dois ou três dias entraram 400 soldados americanos no Paraguai. O que fazem lá? Será que há uma nova União Soviética ali, ao lado do Paraguai? Para que querem uma base? Quem vão bombardear lá?" - perguntou o presidente cubano para as mais de 5 mil pessoas que assistiam ao ato.

Segundo o "comandante", os Estados Unidos "não aceitam a realidade de que seu sistema conduz à catástrofe" e que a Área de Livre Comércio das Américas, a Alca, "é um fracasso".

Fidel também advertiu que não tolerará as "provocações" dos dissidentes cubanos, que chamou de "mercenários". Vestido com o tradicional uniforme verde oliva, Fidel qualificou de "provocações" estes atos de dissidência, "animados" pelo escritório de interesses dos Estados Unidos em Havana. "A propagada dissidência ou suposta oposição em Cuba não existe além da mente fértil da máfia cubano-americana e dos burocratas da Casa Branca e do departamento de Estado".

O "comandante" também dedicou parte de seu discurso para lembrar que no primeiro semestre de 2005 "a economia cubana cresceu 7,3% e deve terminar o ano com alta de 9%", o que será o maior crescimento desde 1990, quando começou a crise cubana, consequência do desaparecimento da União Soviética e do recrudescimento do embargo norte-americano.
Enviada por João Cayres, às 21:09 27/07/2005, de São Bernardo do Campo, SP


Ford Taubaté aprova 2ª parcela da PLR
Os trabalhadores da Ford de Taubaté aprovaram a PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de 2005 em assembléia promovida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, filiado a CUT, nesta terça-feira, 26, às 16h30.

A proposta aprovada pelos trabalhadores garante o pagamento no dia 16 de dezembro da segunda parcela do benefício no valor de R$ 3 mil.

O valor total da PLR dos trabalhadores da Ford ficou definido em R$ 5 mil, sujeitos ao cumprimento de metas de produção.

A primeira parcela da PLR da Ford foi paga no dia 13 de maio, no valor de R$ 2 mil. O pagamento da 1ª parcela da PLR dos trabalhadores da Ford injetou cerca de R$ 4,5 milhões na economia local.

A Ford de Taubaté tem 1.500 funcionários e produz conjuntos de câmbio e motores para os automóveis da montadora.
Enviada por SITIM Taubaté, às 16:49 27/07/2005, de Taubaté, SP


Empresas credoras de Marcos Valério
Empresas ligadas ao empresário Daniel Dantas, um dos maiores beneficários da política de privatizações conduzida pelo governo FHC está entre os credores das empresas de Marcos Valério.

Segundo levantamentos da CPI, as empresas Telemig Celular, Amazônia Celular a Brasil Telecom, todas controladas pelo Banco Opportunity de Daniel Dantas, teriam depositado R$ 40 milhões nas contas da SmP&B e da Multiaction. Outros R$ 24,5 milhões teriam sido depositados nas contas da DNA, outra empresa de Marco Valério.

Mais do que nunca as investigações devem continuar e ir fundo no lamaçal, pois há muita gente graúda e "distinta" envolvida nestas maracutaias todas.

O presidente Lula não pode perder esta oportunidade de passar o Brasil a limpo e punir, no rigor da lei e do estado de direito democrático, que se frize aqui, tanto aos corruptos como aos corruptores que desde sempre circulam por Brasília e se apropriam do patrimônio público nacional.
Enviada por Sergio Bertoni, às 14:31 27/07/2005, de Curitiba, PR


A inexorável desconstrução de Lula
Por Luciano Martins Costa

Vou ousar aqui repetir um destempero que me atrevi a publicar no jornal O Estado de S.Paulo, em 1992, alguns meses antes de começarem os caras-pintadas a exigir nas ruas a saída do então presidente Fernando Collor de Mello: o governo acabou.

Pode parecer aos mais sensíveis ? ou aos mais sensatos ? que o observador ensandeceu, ou que simplesmente espera chocar os leitores para lhes extrair comentários, o que sempre envaidece os articulistas. Mas faço a afirmação, convencido pela mesma razão que me fez acreditar, há 13 anos, que o governo Collor estava chegando ao fim: eu havia testemunhado ? e registrado, na "Coluna do Estadão", de que fora titular, e em artigos na página 2 ? a movimentação lenta mas inexorável das grandes forças econômicas do país para fora do círculo de apoio ao então presidente Collor.

A reação extremada da Fiesp após a detenção dos empresários Eliana Maria Piva de Albuquerque Tranchesi e Antonio Carlos Piva de Albuquerque ? desproporcional, sob todos os aspectos, à relevância do fato ? é a linha d´água sutil, mas muito significativa, que define o afastamento do poderoso capital paulista do governo, até então tolerado, sob a chefia do ex-metalúrgico do ABC.

Não que o partido do presidente não tenha dado contribuição suficiente para o desfecho que o observador percebe no horizonte. Ninguém, em sã consciência, descartaria o efeito devastador das revelações sobre falcatruas cometidas pelos petistas, sobre as chances de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva levar seu mandato até o fim, ou de, remotamente, se reeleger em 2006. Mas não é apenas e principalmente o escândalo das verbas clandestinas que motiva as forças econômicas ? e, por extensão, a grande imprensa ? a determinar que Lula deva deixar o poder antecipadamente ou se contentar em completar o atual mandato.

O que pode estar definindo o fim do namoro do patrão com o operário é que, depois de haver conseguido equilibrar um programa econômico que interrompeu a espiral das crises e recolocou o Brasil com destaque no mapa dos negócios mundiais, o governo Lula resolveu levar a sério esse negócio de responsabilidade fiscal. Primeiro, a Polícia Federal prende o dono de um dos mais vistosos escritórios de advocacia tributária do país, colocando sob a mira da Justiça uma seleta lista de empresas de boa reputação. Depois, os policiais levam sob custódia os donos da butique de luxo que faz vibrar o coração provinciano do povo remediado para cima. Em seguida, consolida o projeto da Super Receita, que está destinada a funcionar como o FBI do fisco.

Caldeirões do inferno

Quem, por dever de ofício, é obrigado a ler os relatórios de bancos de investimento e as análises sobre a economia brasileira distribuídas no mercado, não pode ignorar que, de quatro semanas para esta data, os especialistas têm indicado que os fundamentos econômicos e a segurança dos investidores estariam sob risco bastante relativo, em caso de afastamento do presidente da República. Bastaria, para tranqüilizar o mercado, que se consolidasse a possibilidade de um sucessor confiável, capaz de manter a política econômica no mesmo rumo ? e deixasse o resto mais ou menos como está, diria um analista mais malicioso.

Se não há perigo para os investimentos, quem precisa tolerar por mais um mandato um governo que a qualquer momento pode resolver fazer reformas indigestas, ainda mais se pesa sobre ele a suspeita de ter se favorecido de dinheiro do caixa 2 de empresas? Se sobreviver ao escândalo, quem garante que, num eventual segundo mandato, Lula não cairia na tentação de reconstruir uma base de apoio menos confiável do que os partidos de aluguel que agora o arrastam para o mar de lama?

Pois bem. O sucessor que está sendo preparado chama-se Ciro Gomes. Discretamente, a oposição conduz o ministro para fora do escândalo, apesar de o deputado Roberto Jefferson, autor das denúncias que destamparam os caldeirões do inferno petista, já tê-lo envolvido em irregularidades no projeto de transposição das águas do rio São Francisco.

Ciro já foi o querido da mídia, em certa altura das eleições de 2002. Tem carisma, pode herdar alguma popularidade do governo Lula e fica bem na TV. Com a economia segura, ele é o nome que tranqüiliza o mercado, dizem alguns analistas.

Processo de desmanche

A pauta que a grande imprensa já comprou diz que o presidente Lula pode não ser cúmplice das falcatruas que vicejaram sob suas barbas, mas ? por isso mesmo, e por outras razões ? não tem o perfil necessário para ser presidente da República. Se chegou ao cargo, foi um acidente histórico, possibilitado por manobras marqueteiras financiadas com dinheiro sujo. Se seu governo é até aqui bem-sucedido em termos gerais, o mérito não seria dele, mas de sua equipe econômica. Dar-lhe um segundo mandato seria, por essa lógica, premiar a incompetência ou a desonestidade.

Há uma versão mais radical da mesma pauta, patrocinada por aquela parte do empresariado e da política que não quer ver em operação uma força policial treinada para reprimir o crime econômico. Essa versão mais radical, operacionalizada ? para usar o jargão de seus patrocinadores ? pela turma do gatilho, traz um interesse adicional: a indústria de armas e seus defensores gostariam de levar a crise a um impasse institucional que lhes desse a oportunidade de reverter o referendo sobre o desarmamento civil.

Um texto muito bem elaborado começou a circular nesta semana, sob a forma de abaixo-assinado, alcançando inicialmente endereços eletrônicos de brasileiros com residência em Londres, Boston e Nova York, espalhando-se rapidamente pela internet. Defende explicitamente o impeachment imediato do presidente da República, alinhando fatos reais, denúncias, boatos, interpretações livres e afirmações tresloucadas sobre o envolvimento de Lula em uma conspiração mundial que inclui as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, o Movimento dos Sem-Terra, a Líbia, a Síria, o governo Chávez da Venezuela, Fidel Castro e o narcotráfico internacional.

O arco desse processo de desmanche do governo Lula começa em artigos nos quais se insiste em que, pelo fato de não possuir diploma universitário, o presidente está despreparado para o cargo, mesmo que, objetivamente, seu governo possa ser considerado um sucesso, dadas as circunstâncias em que tomou posse. Termina em e-mails e blogs mais ou menos coerentes, mais ou menos bem elaborados, mas sempre eficientes em minar a confiança geral no atual governo. No centro desse processo está a ação política combinada às operações de mídia.

Lição de História

É exercício didático a leitura dos sites de partidos políticos. Ali se percebe como se exercita a espiral de formação da opinião pública. O político faz uma declaração, que a imprensa divulga, o articulista comenta, o editorial chancela e o site partidário realimenta, dizendo que, segundo a imprensa, tal e tal. O político comenta a especulação que virou afirmação da mídia e um palpite vira fato.

Quando o observador afirma que, para a grande imprensa, o governo Lula acabou, não está fazendo eco ao coro dos petistas flagrados com a mão na mala preta, segundo a qual "a direita conspira para derrubar o governo popular". O observador precisa vasculhar as fontes mais variadas e olhar os fatos com o máximo de objetividade. Não há, na história do Brasil, personagem que tenha resistido à combinação das forças políticas conservadoras com as premissas da grande imprensa.

Não é preciso muito mais para que se consolide na opinião pública que, de fato, Lula foi conivente com a corrupção ou é incompetente. Também não será necessário muito esforço para que a margem de erro da próxima pesquisa de opinião, no limite das incertezas, seja vertida para a coluna negativa, induzindo às manchetes definidoras de uma completa derrocada da popularidade do presidente. Sua aprovação entre os considerados mais educados já está em declínio acelerado.

Debilitado por sua própria incompetência, o Partido dos Trabalhadores tem hoje um poder de mobilização muito reduzido. Não se sabe (porque os últimos anos de comando centralizado nas mãos de José Dirceu o tornaram menos transparente) se ainda persistem em seus quadros líderes capazes de mobilizar a militância para a defesa do governo. O senador amazonense Jefferson Peres (PDT), que na falta de um Ulysses Guimarães tem sido citado pela imprensa como uma espécie de Ruy Barbosa contemporâneo, já alertou que uma tentativa de derrubar Lula pela força ? mesmo a força constitucional ? poderia gerar sérias instabilidades sociais e políticas.

Mas a grande imprensa brasileira aprendeu muito nos últimos anos. Move-se em consonância plena com suas alianças econômicas e políticas. Suas premissas não são propriamente o que existe de mais avançado em termos de consciência do interesse público, mas sabe se alimentar em boas fontes de conhecimento. A crise a tornou mais conservadora, o desaparecimento daquela geração de patriarcas que enfrentou as turbulências do século 20 a deixou menos educada. Mesmo assim, ela evolui. Não apoiará uma versão desarmada do golpe de 1964, mesmo que respaldado numa interpretação conveniente do texto constitucional.

A imprensa trabalha para desconstruir Lula, para deixá-lo só, sem uma base partidária e sem condições de consolidar uma aliança que lhe desse a possibilidade de lutar pela reeleição. Quer lhe ensinar uma lição de História: lugar de operário é ao pé da máquina. Quer fazê-lo ver que a eleição de 2006, mesmo que ele chegue lá com a popularidade preservada, será um massacre, porque a massa vai votar naquele que ficar bem na TV.

E ninguém fica bonito tendo ao fundo um mar de lama.

Fonte: www.observatoriodaimprensa.com.br
Enviada por Almir Américo, às 11:29 27/07/2005, de São Paulo, SP


E AGORA JOSÉ?
Por Frei Betto

A festa acabou? Já não há mais PT?

Não, José, de tudo isso fica uma grande lição: não é a direita que inviabiliza a esquerda. Esta tem sido vítima de sua própria incoerência, inclusive quando se elege por um programa de mudanças e adota uma política econômica de ajuste fiscal que trava o desenvolvimento, restringindo investimentos públicos e privados.

A esquerda deu um tiro no pé na União Soviética, esfacelada sem que a Casa Branca lhe atirasse um único míssil. Faliu por conta da nomenklatura, das mordomias abusivas das autoridades, da arrogância do partido único, da corrupção. Assim foi na Nicarágua, onde líderes sandinistas se locupletaram com imóveis expropriados pela revolução e enriqueceram como por milagre.

Agora, José, é a nossa confiança no PT que se vê abalada. O que há de verdade e mentira em tudo isso? Por que o partido não abre sua contabilidade na Internet? Se houve mensalões e malas de dinheiro, como ficam os pobres militantes e simpatizantes que, nas campanhas eleitorais, contribuíam com sacrifício do próprio bolso?

Finda as investigações, o PT precisará vir a público e, de cabeça erguida, demonstrar que tudo não passou de "denuncismo", de "golpismo", de armação (ia escrever "dos inimigos") dos aliados... Ou, de cabeça baixa, em atitude humilde, reconhecer que houve sim malversação, improbidade, tráfico de influência e corrupção.

O mais grave, José, é o desencanto que toda essa "tsulama" provoca na opinião pública, sobretudo nos mais jovens. Quando admitimos que "todos os partidos são farinha do mesmo saco", fazemos o jogo dos corruptos, pois quem tem nojo de política é governado por quem não tem. Se todos se enojarem, será o fim da democracia e da esperança de que no futuro predomine a política regida por fortes parâmetros éticos. Portanto, o desafio, hoje, não é apenas promover reformas estruturais no país, é reformar a própria política, de modo a vedar os buracos pelos quais a corrupção e o nepotismo se infiltram.

Temo que por muitas cabeças passe a idéia de, nas eleições de 2006, anular o voto ou votar em branco. Seria um desastre. O voto é uma arma pacífica. Deve ser usada com acuidade e sabedoria. Em todo esse processo é preciso destacar os políticos que primam pela ética, pela coerência de princípios, pela visão de um novo Brasil, sem alarmantes desigualdades sociais.

Antonio Callado, em sua última entrevista, por sinal à Folha, disse que perdera "todas as batalhas". Também experimentei, José, muitas perdas: a morte do Che, a derrota da guerrilha urbana contra a ditadura militar, a queda do Muro de Berlim e, agora, essa fratura no corpo do partido que ajudei a construir como simpatizante, e que se gabava de primar pela ética na política.

No entanto, quantas vitórias! Sobre a França e os EUA no Vietnã; sobre os EUA e a ditadura de Batista em Cuba; a de Martin Luther King contra o racismo americano; de Nelson Mandela contra o apartheid na África do Sul. No Brasil, a extensa rede de movimentos populares, as Comunidades Eclesiais de Base, a CUT, o MST, a CPT, a CMP, a CMS; os movimentos de direitos humanos, mulheres, negros, indígenas; as ONGs, as empresas cônscias de sua responsabilidade social. E, sobretudo, a eleição de Lula à presidência da República.

Não se pode jogar no lixo da história todo esse patrimônio social e político. Sem confundir pessoas com instituições, maracutaias com projetos estratégicos, é hora de começar de novo, renovar a esperança e, sobretudo, não permitir que tudo fique como dantes no quartel de Abrantes. Aprendamos com Gandhi a fazer, hoje, a partir de nossa práticas pessoais e sociais, o mundo novo que sonhamos legar às gerações futuras.

Deixemos ressoar no coração as palavras de Mario Quintana: "Se as coisas são inatingíveis... ora!/ Não é motivo para não querê-las.../ Que tristes os caminhos, se não fora/ A mágica presença das estrelas!"

Frei Betto é escritor, autor de "Treze contos diabólicos e um angélico" (Planeta), entre outros livros.
Enviada por Frederico Estrada Meyer, às 17:42 26/07/2005, de Nova York, EUA


Mudar o PT!!!
Pela primeira vez, um presidente do PT assume reconhecendo a necessidade de mudar. Não por coincidência, ele não faz parte do núcleo paulista que sempre dirigiu o partido. Tarso Genro vem do Rio Grande do Sul e de outra tendência. Mas ainda não sabemos se ele conduzirá as mudanças que os militantes do PT defendem há anos, pois ele e os demais dirigentes são do bloco majoritário que vem controlando partido e governo desde a eleição do presidente Lula.

Há medidas concretas e urgentes a serem iniciadas em breve. O contrário, maquiagens e ações de marketing para atender ao clamor público - pode provocar o desaparecimento do partido. O resultado será um novo PT ou PT nenhum.

Aceitar o realismo econômico. O novo PT, amadurecido com a prática de governar, precisa admitir que a economia não é espaço para demagogia nem aventuras; que política econômica não é de esquerda ou direita, mas sim competente ou incompetente, responsável ou irresponsável. A nova direção precisa apresentar propostas e ajustes à atual política que possam ser adotados no futuro sem pôr em risco as conquistas dos últimos anos.

Assumir o compromisso de mudar a sociedade. A experiência no governo levou o PT a abandonar promessas antigas, tornando-o igual aos outros partidos. O novo PT precisa se comprometer com a criação de uma sociedade mais justa.

Definir bandeiras concretas. Os militantes precisam de bandeiras unificadoras:

1. fim do analfabetismo;

2. política tributária distributiva;

3. reforma agrária;

4. proteção ambiental;

5. redução da desigualdade de renda;

6. aumento do valor da Bolsa Família, vinculado a objetivos educacionais;

7. federalização da educação, com pisos de qualificação e salário de professores, conteúdo de ensino e equipamento das escolas;

8.fim da reeleição para todos os cargos executivos;

9. financiamento público de campanha;

10. fidelidade partidária;

11. fim do sigilo bancário e fiscal de dirigentes e filiados com mandato ou função pública.

Abolir as tendências. Após a definição de objetivos comuns a todos os militantes, deve ser abolida a formalização de tendências internas organizadas. Nada deve impedir a aglutinação de afinidades dentro do partido, mas sem uma estrutura viciada e divisionista.

Nacionalizar o poder interno. A tarefa mais difícil e necessária da nova direção do PT será retirar de São Paulo e das tendências o poder que os dominou, viciou, isolou. O PT precisa democratizar a representação de todos os estados na sua estrutura interna. É preciso transferir a sede nacional do PT para a capital do País, e garantir representatividade regional na direção nacional.

Socializar o poder interno. Ao lado da distribuição regional, o PT precisa atrair para o seu núcleo os movimentos sociais, garantindo-lhes assento em todas as direções partidárias. Assim o PT será o partido do povo brasileiro e não só dos trabalhadores. É preciso também renovar constantemente os dirigentes, proibindo a reeleição em cargos executivos e permitindo apenas uma reeleição nos diretórios.

Promover transparência. O PT precisa adotar uma total transparência administrativa e financeira, divulgando suas contas pela Internet, realizando auditorias externas regulares.

Com esses e outros gestos de uma direção democrática, transparente e popular, o PT pode renascer como um partido de vanguarda na reorientação de que o Brasil precisa. Caso contrário, a mudança na sua direção terá sido um engodo. No lugar do PT ocupando o governo, teremos o governo ocupando o PT. E tudo o mais seguirá igual.

Enviada por Cristovam Buarque, às 17:37 26/07/2005, de Brasília, DF


Povo Brasileiro confia em LULA
Recente pesquisa publicada pelo IBOPE demonstra que o povo brasileiro confia no presidente Luiz Inácio Lula da Silva e está preparado para lhe dar um segundo mandato.

Ao serem perguntados "Em quem o(a) sr.(a) votaria se a eleições fossem hoje?" 22% dos entrevistados disseram de forma espontânea que votariam em Lula. Serra (PSDB) foi lembrado por 6%, Geraldo Alckmin por 2%, enquanto que FHC, César Maia (PFL) e Garotinho (PMDB) foram lembrados por apenas 1% dos entrevistados.

Em todas as pesquisas estimuladas (aquelas com os nomes de determinados candidatos) Lula teria 39% do total de votos, o que praticamente lhe garantiria a reeleição em primeiro turno. Sua popularidade é maior entre os Trabalhadores de baixa renda, ou seja, a maioria do povo brasileiro. Na faixa salarial de até 1 salário mínimo 45% dos eleitores votariam em Lula e na faixa de 1 a 2 salários mínimos este percentual seria de 40%.

Outro dado interessante é aquele que diz que 54% dos entrevistados aprovam como Lula está governando o país.

Quando feita a direta e objetiva pergunta "O(a) sr.(a) confia ou não no presidente LULA" 59% dos homens e 48% da mulheres responderam que sim. No total 53% dos brasileiros confiam no presidente.

Quando feita a análise por grau de instrução percebe-se mais uma vez que os setores menos privilegiados da sociedade confiam em Lula: entre aqueles que cursaram até a 4a. série do ensino fundamental 62% confiam no Presidente, 49% - entre os que tem até 8a. série do ensino fundamental e 47% entre aqueles que completaram o ensino médio ou superior.

Na análise por níveis salariais mais uma vez se comprova o fato de que o povo brasileiro confia em Lula: 62% entre os que ganham até 1 salário mínimo, 52% - de 1 a 2 sm, 51% de 2 a 5 sm, 53% de 5 a 10 salários mínimos mensais.

A pesquisa foi realizada entre os dia 14 e 18 de julho em 143 municípios brasileiros das cinco regiões geográficas do país, sendo entrevistadas 2002 pessoas com margem de erro de 2,2%. Portanto, dois meses depois de iniciada a onda de denuncismo que toma conta do país. Os dados são extremamente favoráveis ao presidente da república e terrivelmente cruéis com aqueles que incitaram a crise tentando manchar a imagem de Lula.

O recado é claro: a grande massa do povo brasileiro está cansada das mazelas e jogatinas da elite nacional e não mais se deixa enganar pela propaganda viciada veiculada pela grande imprensa na tentativa de jogar todos na mesma vala comum como se fossemos todos desonestos, assim como boa parte da elite brasileira o é. A desonestidade e a propaganda viciada podem ser comprovadas pela publicação dos dados da mesma pesquisa feita por um grande jornal de São Paulo.

Esta pesquisa também é um alerta a Lula e demais membros do governo federal: é preciso adotar políticas mais voltadas aos setores da população que realmente apoiam o governo sob a pena de perder o apoio e a confiança depositadas em LULA.

Divulguem estes dados a todos os seus companheiros na fábrica, no bairro, na escola, pois a elite está preparada para todo tipo de jogo sujo afim de não permitir que nenhum projeto dos Trabalhadores tenha futuro neste país.

A integra da pesquisa pode ser encontrada aqui em formato pdf.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:04 26/07/2005, de Curitiba, PR


Autoliv: Trabalhadores ganham mais uma
Os Trabalhadores na Autoliv podem ficar tranquilos, pois o Juiz Federal da 15a. região do TRT de Campinas, Antônio Miguel Pereira, determinou um prazo de 48 horas a partir desta segunda dia 25.07.05, para que a empresa se manifeste a respeito da compensação dos dias de paralisação. Portanto, fica garantida mais esta conquista para os Trabalhadores que não terão os dias de paralisação descontados de seus salários.
Enviada por SITIM Taubaté, às 10:59 26/07/2005, de Taubaté, SP


Telesur: uma alternativa em sua TV
Tendo como lema "Nosso Norte é o SUL" e como objetivos promover a integração na América Latina e combater o imperialismo informativo entrou no ar no último domingo, dia 24.07.05, a Telesur (TV Sul), canal de televisão via satélite que oferece programação em espanhol e português.

A Telesur surge simultaneamente ao processo de criação da TV Brasil - Canal Público Internacional, iniciativa do Estado brasileiro que reuniu os três poderes da República para lançar a primeira emissora brasileira voltada para o público da América do Sul. Ambas têm como objetivo fortalecer o processo de integração do continente e nascem com a proposta de incentivar o intercâmbio de informações entre os países.

"É um olhar totalmente diferente. É o olhar latino-americano sobre a realidade latino-americana, que tem uma agenda informativa totalmente diferente da que nós recebemos do norte", diz Aram Aharonian, diretor-geral da Telesur. "As grandes corporações nos mandam uma imagem única. Nós só aparecemos como notícia quando há algum desastre. No norte, a visão é em preto e branco e nós somos um continente multicolorido, cheio de diversidade e pluralidade".

A nova empresa de comunicação sul-americana, com sede em Caracas, é financiada pelos governos da Venezuela, Argentina, Uruguai e Cuba e conta com correspondentes nesses quatro países e também no Brasil, na Colômbia, no México e nos Estados Unidos.

No Brasil, as TVs comunitárias de Brasília, Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro e Recife, parceiras da Telesur, realizaram neste domingo, paralelamente ao inicio das transmissões, um ato político em defesa da democratização da comunicação. "Nós queremos deixar claro que há um grupo determinado a fazer na prática a democratização da comunicação. Não vamos esperar os meios oficiais e estatais para praticar a democratização. A TV comunitária está aí para isso", afirma o jornalista Paulo Miranda, diretor da TV Comunitária e organizador do ato em Brasília.

A Paraná Educativa, canal de TV pertencente ao governo do Estado do Paraná, tem um acordo de parceria com a Telesur e fornecerá notícias e programas em língua portuguesa ao novo canal de TV Latinoamericano.

TIE-Brasil apoia iniciativas como essas, porque visam democratizar a circulação e distribuição de notícias e informações, contribuindo para a democratização da sociedade latinoamericana, hoje refém da informações enlatadas geradas em estúdios estado-unidenses de acordo com os interesses do governo daquele país.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 22:25 25/07/2005, de Curitiba, PR


Mercosul: Toyota terá nova fábrica de compactos
A transnacional japonesa Toyota anunciou que irá investir em uma nova fábrica no Mercosul para alcançar a meta de 10% do mercado regional em 2010, estabelecida pela matriz no Japão.

O novo modelo será um carro compacto com motor bicombustível. O local da nova fábrica ainda não foi definido, pois a empresa espera tirar vantagens de uma possível guerra fiscal entre Argentina, Brasil, México e Venezuela.

Em 2005-2006 a empresa japonesa estará investindo US$ 43 milhões nas fábricas instaladas na Argentina e no Brasil visando aumentar a capacidade instalada de 45 mil para 60 mil unidades na fábrica de Zárate, Argentina, e de 53 para 57 mil na fábrica de Indaiatuba, Brasil. Outra fábrica que deverá receber investimentos no período é a de São Bernardo do Campo, Brasil, que fornece peças para as fábricas de Zárate e Indaiatuba.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 17:47 25/07/2005, de Curitiba, PR


Nua, rica e poderosa
Esse nosso Brasil está ficando previsível demais!

Vejam só onde vai parar a testemunha! Neste nosso país de "deuses marketeiros", notoriedade (por mais instantânea que seja) é moeda conversível em dinheiro, poder e até beleza!

A Itália já teve sua Cicciolina, a atriz pornô de origem húngara, naturalizada italiana, eleita em 1987 para o parlamento italiano. Será que com algumas fotos de uma secretária nua a elite brasileira conseguirá criar uma cópia de laboratório com mais sucesso???

Fernanda Karina quer R$ 2 milhões para posar nua para "Playboy"

Fernanda Karina Somaggio, 32, ex-secretária do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, foi sondada pela revista "Playboy" para posar nua. A ex-secretária, que ganhou notoriedade ao denunciar um possível esquema de corrupção envolvendo o PT, pediu R$ 2 milhões para aceitar a proposta da revista.

Segundo o advogado de Karina, Rui Caldas Pimenta, representantes da revista já teriam feito três contatos com ela.

"Inicialmente, eu disse que estava fora de propósito. Mas depois ela mesma abriu o diálogo." O dinheiro seria usado para financiar sua campanha à Câmara de Deputados em 2006.

"Estivemos várias vezes em Brasília e vi que despertou nela um interesse maior pela política. Ela me consultou e eu disse: 'Sem dinheiro ninguém se elege, você vai precisar no mínimo de uns R$ 2 milhões'. Foi quando ela repensou a proposta da Playboy." Para ele, Karina virou uma "catalisadora de votos": "Nos aeroportos e em tudo quanto é lugar que ela vai as pessoas pedem autógrafo, dizem que estão com ela. Ela morou dois anos na Inglaterra, é filha de professor universitário, tem uma visão política mais acentuada", disse.

Um representante do PSDB já teria consultado a ex-secretária: "Ela não tem preferência por partido, escolherá o que oferecer melhores condições e uma proposta mais ligada à área social. Ela tinha uma identificação com o PT, pelo histórico de honestidade, mas se sentiu enganada".

Pimenta já sugeriu até um slogan para a campanha da cliente. "Eu até brinquei com ela e disse que o slogan tinha de ser 'antes nua que corrupta'. O dinheiro tem de sair de algum lugar, então que seja das fotos, não da corrupção", afirmou Pimenta.

"Ela é uma moça de classe média, modesta, acho que [a publicação das fotos] criaria até um interesse maior do público, por ser algo mais secreto, mais indecifrável. Desde que não seja feito de forma escrachada. No caso dela, será um nu artístico mesmo, algo com sombras", disse.
Enviada por Almir Américo / Sérgio Bertoni, às 12:53 25/07/2005, de São Paulo, SP / Curitiba, PR


Revistas dão vexame e ninguém se incomoda
Por Alberto Dines

A mídia ligou os holofotes, mas detesta holofotes em cima dela. Acionou o ventilador giratório, mas esconde que a lama respingou nela. Adora fazer barulho, desde que o barulho não seja sobre ela. É um fenômeno, essa nossa mídia.

Ágil, criativa e ousada mas, ao mesmo tempo, penosa, omissa e pusilânime. A transfiguração da bela em fera dá-se apenas em uma circunstância: quando lhe oferecem um espelho. Basta ver-se equiparada às instituições dos comuns mortais, nossa alada mídia vira bruxa. Ou um tiranossauro.

Foi uma matéria de capa na Veja (edição 1.905, de 18/5) que deflagrou a cascata de escândalos que está virando o país de ponta-cabeça. Mas quando a CPI dos Correios, criada pela repercussão desta matéria, desvendou na terça-feira (5/7) como esta matéria foi realizada e quem a realizou, o quinto maior semanário do mundo comporta-se como um panfleto paroquial: por pudor ou despudor, omitiu dos leitores qualquer referência sobre esta revelação.

Em sua última edição (1.913, de 13/7, página 9), a Veja comporta-se como a grande vestal da crítica da imprensa. Denuncia o denuncismo, defende a apuração diligente, parece até fiel seguidora deste Observatório, não fosse a omissão sobre as constrangedoras confissões do araponga-videomaker-e-agora-jornalista Jairo Martins sobre as suas promíscuas relações com a sucursal brasiliense.

Operação de compra e venda

Não apenas a Veja enrustiu seus pecados perante a opinião pública. No dia seguinte, quarta-feira, foi a vez do lobista Marcos Valério revelar diante da CPI e das câmeras de televisão que a reportagem de capa da IstoÉ Dinheiro com a entrevista-bomba de Fernanda Karina, programada para sair em setembro do ano passado, foi engavetada depois da visita de Marcos Valério a Domingo Alzugaray, dono da Editora Três, responsável pela publicação da Istoé Dinheiro. O lobista revelou ainda que pagou R$ 300 mil ao jornalista Gilberto Mansur, funcionário da editora e seu consultor.

Menos de 24 horas antes, no programa Observatório da Imprensa na TV, o repórter Leonardo Attuch, autor da matéria com Fernanda Karina, declarava peremptoriamente que a matéria não foi publicada em setembro de 2004 por falta de provas; negava, também peremptoriamente, qualquer encontro com Marcos Valério. O depoimento no dia seguinte de Marcos Valério mostrou que o jornalista mentiu duas vezes: esteve com Marcos Valério e a razão que impediu a publicação daquela bomba não foi a falta de provas, mas o peso dos R$ 300 mil pagos à Editora Três.

Na última edição da IstoÉ (o carro-chefe da Editora Três, com data de 14/7, na página 29), numa pequena e ardilosa nota, tenta-se defender Gilberto Mansur (que não precisa ser defendido, foi apenas intermediário de uma operação de compra e venda) e tira-se de cena o ex-galã de fotonovelas Domingo Alzugaray, atual publisher da editora.

Gentleman?s agreement

A revista Época, completamente livre para mostrar à opinião pública os lamentáveis tropeços dos concorrentes, de repente foi atacada de um inopinado surto de discrição e solidariedade. Parecia uma lady inglesa que finge um pigarro para não revelar as malícias da vizinha. Com o título "Bastidores da notícia", descreve rapidamente as transações da IstoÉ, mas ignora totalmente o modus operandi investigativo da Veja (edição 373, 11/7, página 38).

O recato dos semanários sobre as mazelas do setor contrasta vivamente com o esbanjamento de indignação no relato sobre as patranhas do PT, do Executivo e do Legislativo. E não foi acidental. Os jornalões de quarta e quinta-feira (6 e 7/7) também foram omissos ou, na melhor das hipóteses, parcimoniosos ao contar os vexames das revistas na CPI dos Correios. Na quarta-feira, sobre a Veja, a Folha publicou pequena nota, O Globo algo ligeiramente maior e o Estadão, nada. Na quinta-feira, sobre a IstoÉ, apenas o Estadão registrou as constrangedoras revelações de Marcos Valério.

A fleuma não foi casual, é pactual. Faz parte de um histórico gentleman?s agreement, acordo de cavalheiros, montado no início dos anos 1980 (como reação à greve dos jornalistas) que resultou na criação da ANJ (Associação Nacional de Jornais, onde se incluía a Editora Abril). Mais tarde, em função de interesses específicos, a ANJ gerou um filhote, a Aner (Associação Nacional de Editoras de Revistas), controlada pela Abril mas no momento presidida por Carlo Alzugaray, filho de Domingo.

Falta alguém na CPI

Como esperar, então, que a Aner condene a falta de decoro de duas poderosas associadas e que a loquaz e beligerante ANJ saia em defesa do bom nome da imprensa, se o grande pool da mídia impressa foi montado justamente para abafar as críticas?

Esta atuação corporativa tem origem fisiológica e pode ser flagrada no episódio da custosa campanha de publicidade para promover a imagem da Câmara dos Deputados, então comandada pelo desastrado João Paulo Cunha (PT-SP).

Num país verdadeiramente democrático, com uma imprensa verdadeiramente independente, seria inconcebível que o Poder Legislativo usasse o dinheiro do contribuinte para lustrar a imagem de uma instituição que abriga 300 picaretas.

Não obstante, a campanha foi lançada com estardalhaço no ano passado na TV, no rádio, em jornais e revistas. Nenhum veículo jornalístico protestou contra este abuso. Exceto este Observatório.

Ninguém quis abrir mão dos caraminguás que a Câmara distribuía tão generosamente. Agora descobre-se na CPI que o deputado João Paulo Cunha contratou uma das agências de Marcos Valério para promover a gastança na mídia. Se 10 meses atrás algum jornal ou jornalista tivesse se indignado diante da promiscuidade do Legislativo com a imprensa, parte dos escândalos poderiam ter sido abortados.

Nesta última semana, ficou claro que falta alguém na CPI. Mas nenhum dos seus integrantes terá coragem para fazer esta convocação.

Publicado no OI e na Revista Online NovaeInf (www.novae.inf.br)

Enviada por Maurício Minolfi, às 11:56 25/07/2005, de Curitiba, PR


Desechos
Por Sandra Russo

Veámoslo así: hay algo de confesional en los dos bandos, aunque uno de ellos no sabe exactamente cuál es el nombre de su fe, y el otro no es exactamente un bando, sino un espectro que de pronto toma cuerpo y ataca.

El mundo occidental cree ciegamente en una deidad que a veces invoca bajo el nombre de libertad, pero cuya filiación es siamesa del mercado. Occidente desespera ante enemigos que encarnan de una manera cada vez más tajante Lo Extraño y Lo Otro. No tiene reflejos para enfrentarse a una identidad fantasmática que acecha desde las sombras y parece solidificarse cada vez más ante las opciones líquidas que ofrece el modo de vida norteamericano o europeo. Si hay una guerra, Occidente la ganaría. Pero lo que asoma no es una guerra convencional: se parece más bien a la irrupción de un malestar constante, a un estado aletargado de amenaza. De Oriente viene una lógica desconocida, enloquecedora. El Islam logra captar muchachos que gozaron desde su nacimiento de todos los beneficios de la vida moderna occidental. Los capta y los empuja a inmolarse porque, por algún resquicio, por alguna ranura que los occidentales no logran detectar, se cuelan el odio y el resentimiento, pero también el desprecio. Esos muchachos, que hasta hace muy poco tiempo pronunciaban la palabra "nosotros" para referirse a sus compañeros de clase o de equipo de fútbol, fueron persuadidos, de alguna extraña manera -esa manera, por lo misteriosa e ininteligible, es lo que más inquieta-, de sentirse miembros de "otro nosotros". Los dos bandos fabrican terror. Lo de Londres está fresco. En los últimos dos años, murieron 25.000 civiles iraquíes.

Hace treinta años, algunas corrientes sociológicas analizaban las diferentes formas que iba adquiriendo el "nosotros" occidental. Richard Sennet advertía que, tras el advenimiento de la modernidad, se reemplazó la antigua "identidad compartida" por los más pragmáticos "intereses compartidos". Los rasgos que antes unían a la gente mediante vínculos fraternos derivados de alguna identidad nacional o racial fueron sustituidos por otros que surgieron de lo que se llamó "mixofobia": la búsqueda maníaca de semejantes muy semejantes. Los occidentales empezaron a sentir un miedo demasiado fuerte hacia lo diferente -a punto tal que, desinvestidos de su humanidad, los diferentes requirieron la creación y la defensa de sus "derechos humanos"-, y dieron rienda suelta a sentimientos comunitarios fragmentados.

La comunidad empezó a ser cada vez más pequeña: fue la del club, la del barrio, la del country, la del consorcio.

Mientras tanto, allí lejos, ¿qué pasaba? En los basureros territoriales, ¿qué pasaba? "Desde sus comienzos, la modernidad produjo y siguió produciendo enormes cantidades de sobrantes humanos", escribió el sociólogo Zigmunt Bauman. Fue en dos ramas específicas que brotaron esos sobrantes sacrificables: primero, en la producción y reproducción del orden social.

Todo orden es selectivo y exige segregación y exclusión. Después, en el progreso económico, que "en un determinado momento exige la invalidación, el desmantelamiento y la eventual aniquilación de ciertos modos de vida y de subsistencia del ser humano, ya que no pueden ni podrían alcanzar los crecientes estándares de productividad y rentabilidad". Los sobrantes humanos de la modernidad fueron recolocados. Huestes de refugiados en todo el mundo pueden dar cuenta de eso. "La industria de la eliminación de desechos humanos" originó oleadas de migraciones legales e ilegales que Occidente toleró, aunque a regañadientes, porque eso le servía para mantener cerrada la olla a presión que significan esos sobrantes que el progreso económico occidental va creando con su propia dinámica. Esa industria de eliminación de desechos es la que ha entrado en crisis ahora. Hay una parte del mundo tan pobre y territorios tan indeseables que los bárbaros han empezado a corroer los intestinos del imperio.

En junio de 2002, los Estados Unidos anunciaron el arresto de un sospechoso de pertenecer a Al Quaida, que se había plegado a la red terrorista a su regreso de un viaje a Pakistán. Se trataba de un ciudadano norteamericano, José Padilla, que se había convertido al islamismo y había adoptado una nueva identidad, la de Abdullah al Mujahir. Había sido instruido para fabricar "bombas sucias" que eran "pavorosamente fáciles de armar" con explosivos convencionales. En su momento, el personaje PadillaAbdullah resultó funcional a los requerimientos de la seguridad interior norteamericana: agitó el fantasma de que la hospitalidad ofrecida a los extranjeros era una trampa cazabobos, hizo emerger un nuevo "sujeto peligroso": el norteamericano reciente que, pudiendo ser "uno de los nuestros", elige ser "otro, extranjero perenne, enemigo". El caso Padilla-Abdullah fue inmediatamente silenciado. "Bombas sucias" que se arman de un modo "pavorosamente fácil" no eran un objetivo que permitiera defender en el Congreso un escudo antimisiles multimillonario, y enemigos de entrecasa que despreciaban el modo de vida norteamericano no contribuían a reforzar la idea de ir hasta Irak a aplastar las cuevas terroristas.

Cuando se supo, la semana pasada, que algunos de los responsables de los atentados de Londres eran ciudadanos británicos de ascendencia paquistaní, ciudadanos aparentemente integrados, con trabajo, de clase media y sin antecedentes, una zozobra debe haber recorrido las mentes de los dirigentes del aspaventosamente llamado "Eje del bien": ey, muchachos, esto hay que pensarlo todo de nuevo, somos una vacuna homeopática al revés, generamos nuestras propias bacterias letales, los tenemos metidos en nuestros barrios, sus hijos son amigos de los nuestros, les hemos dado nuestras sobras, han bebido de nuestra mano y nos devuelven una mochila cargada con explosivos.

La cultura de mercado, que crece a expensas de reducir al resto del planeta a simples basureros territoriales y humanos, desfallece bajo la repentina certeza de que no hay nada más temible que un enemigo al que le ha sido concedida una vida que no vale la pena de ser vivida.

Alguien dijo una vez que el sistema económico occidental es una serpiente que inevitablemente alguna vez se morderá la cola. Ya la mordió.
Enviada por Claudia Schilling, às 13:43 24/07/2005, de São Paulo, SP


A moeda e o muro
Graças à moeda da política as pessoas logram criar regras de convivência social. Como toda moeda, ela serve ao bem ou ao mal, produz ou reduz desigualdades, favorece ou pune corruptos, implanta ou suprime a justiça, amplia ou restringe a liberdade, infunde ou implode a paz.

Ética na política é um tema recorrente na literatura, da peça ?Suplicantes?, de Ésquilo, às tragédias de Shakespeare; da obra de Aristóteles à de Maquiavel; do antiimperialismo romano do Apocalipse ao ?Manifesto comunista? de Marx e Engels.

Fazer política significa fazer escolhas. E nesse terreno elas são singulares, porque envolvem o destino de multidões. Ao decidir reter ou subir os juros em 0,5%, o Copom parece apenas lidar com um símbolo matemático aparentemente insignificante. Na realidade são R$ 30 bilhões sugados de circulação. O superávit primário asfixia o investimento público, enquanto o aumento da taxa Selic asfixia o investimento privado.

Como todas as outras, a moeda política tem duas faces. A da corrupção predomina quando se apela ao pragmatismo para garantir uma política de resultados em detrimento da política de princípios. Então a ideologia cede lugar à esperteza; a convicção ao agrado; o programa ao acerto. Instala-se a casa-da-mãe-joana. Quem compra votos do eleitor acostuma-se também a negociar o próprio no parlamento. É como o cafetão que, de tanto recolher dinheiro de suas protegidas, acaba tabelando o próprio corpo.

Em que momento a esquerda brasileira começou a se afastar de seus princípios? Foi a partir de 1989, na queda do Muro de Berlim. Um setor reagiu qual freiras que, de repente, admitem que Deus não existe e caem na esbórnia. Eleita para governar o Brasil entre 1994 e 2002, essa esquerda, que padecera no exílio e nas prisões, esqueceu o que escreveu, e também o que sofreu, e pactuou-se com a direita. Deixou de apurar os crimes da ditadura e o paradeiro de mortos e desaparecidos, entregou-se à fúria privatizadora do patrimônio público, acatou o Consenso de Washington, trocou o projeto de nação pelas injunções do mercado.

Outro setor, livre dos imperativos categóricos das teorias marxistas, descobriu que tudo é possível se não há determinismo histórico. Esse setor diferia do primeiro por seus vínculos com os movimentos populares que, uma vez usados como trampolim eleitoral, foram colocados de escanteio, condenados a gritar em marchas e concentrações, sem que ninguém no poder os ouça a ponto de tornar realidade seus anseios de justiça.

A cabeça pensa onde os pés pisam. Esse setor oriundo dos movimentos populares e sindicais ficou deslumbrado ao ver-se na cobertura do edifício social, cercado de mordomias, desfrutando da paisagem encantadora despoluída da incômoda presença dos pobres. E se convenceu de que inimigos históricos podem ser aceitos como aliados conjunturais e, com eles, aprendeu táticas e métodos de operar a política de resultados.

Um terceiro setor não abandonou seus vínculos com o mundo dos pobres. Foi o menos abalado pela queda do Muro de Berlim. Até porque seu paradigma não se constituía de teorias acadêmicas e noções históricas, mas estava enraizado no fato mesmo que justifica a idéia de socialismo: a existência da pobreza como fenômeno coletivo. E quanto mais próximo dos pobres, menos vulnerável esse setor ficou das tentativas de cooptação, aos agrados da elite, às propostas de dinheiro fácil.

O PT está na encruzilhada: como as paralelas também se encontram na improbidade, pode ser que ele se olhe no espelho e veja o rosto do PSDB. Então, como nas novelas medievais, haverá de se perguntar por que resistiu tanto tempo a essa paixão escrita nas estrelas. E o Brasil terá encontrado o seu caminho de promover a alternância de governo sem ameaça de poder, como nos EUA ocorre entre republicanos e democratas. Será a versão democrática da Arena e do MDB.

A outra via é fazer autocrítica, expurgar indícios de corrupção, retomar o trabalho de base e de formação política, abraçando as razões e os princípios que nortearam a fundação e a construção do partido. Nesse caso, Lula como presidente não terá outra alternativa senão confiar menos nos chamados aliados e mais no apoio popular que fez a esperança vencer o medo. Caso contrário, todo o governo ficará contaminado pelo medo que, na política econômica, venceu a esperança.

E por falar em moeda, levei em mãos, para a campanha de Lula em 1989, o primeiro cheque do pecúlio recebido por Maria Amélia Buarque de Hollanda após a morte de seu marido, Sergio Buarque de Hollanda. Não quero me envergonhar de gestos como aquele, pensando que o óbolo da viúva era ridículo diante da montanha de dinheiro acumulada sem a transparência que se exige do PT.

Enviada por Frei Betto, às 13:42 24/07/2005, de São Paulo, SP


Cinco razões para defenestrar Lula
Em meio à crise, vem-se dizendo à esquerda e à direita que a turma da Casa Grande não teria motivos para defenestrar Lula do Planalto, uma vez que a política econômica lhe satisfaz. Ledo engano. A entrevista de FHC à revista "Exame" é um indício disso.

Em meio à maré de denúncias e debates sobre corrupção no PT, no governo, em estatais e no Congresso, vem-se propalando tanto à direita quanto à esquerda a tese de que a turma da Casa Grande brasileira, em especial a do disco rígido financeiro e rentista, não teria o menor motivo para defenestrar Lula do Planalto, uma vez que a sua política econômica lhe protege e satisfaz o apetite.

Ledo engano. O indício mais claro desse engano é a solerte sugestão do sempre alerta Fernando Henrique Cardoso, em entrevista à revista Exame que ora circula, sugerindo que Lula declare não ser candidato em 2006 como modo de saltar sobre a crise de governo, além de repetir que o PT é um partido anacrônico, estatista, etc. Dou abaixo algumas razões para que a Casa Grande queira defenestrar Lula, seja em 2006, seja antes, se esta oportunidade se oferecer ou se impuser.

1) Há prisões demasiadas de empresários aparecendo na TV, e escritórios de advocacia tendo arquivos abertos. Já se ouvem gritas na também sempre alerta imprensa, em artigos e editoriais, reclamando que a Polícia Federal está demasiado à solta. Ou que o governo faz publicidade e espalhafato com essas prisões e devassas. Ora, um Ministério da Justiça de fato comprometido com a luta contra os crimes de colarinho branco é coisa que tira o sono de muita gente na Casa Grande brasileira. E o povão gosta de ver colarinho branco criminoso algemado ou preso. Ou não?

2) Lula negociou com o MST. E resistiu ao tratoraço dos ruralistas em Brasília, não lhes cedendo tudo aquilo que queriam. Até o momento o governo não reprimiu um único movimento de trabalhadores. Apesar de envolto pela política econômica neoliberal que recebeu de herança, Lula guarda uma identificação de raiz com as classes trabalhadoras e a gente pobre. Não extirpou completamente a esquerda de seu governo nem deixou de fazer políticas sociais de relevo, ainda que comprimidas pela torneira seca do Ministério da Fazenda e dentro da moldura apertada da tecnocracia do Banco Central, através do sacrossanto superávit primário. Mas é o suficiente para que a Casa Grande não goste e veja o governo com desconfiança. Além de lhe ser também uma ameaça ao sono tranqüilo, esse permanente cheiro de pobreza e trabalho no paço é uma ofensa à sua visão de cultura, ao seu gosto e ao seu estilo.

3) A política externa. Hoje se trava uma luta na América Latina de dimensões continentais. A comarca andina está tomada por insurreições populares. Da Bolívia, vieram fotos suficientes para molestar o sono da Casa Grande, sobretudo quando entre os camponeses apareceram os capacetes dos mineiros, com seus cartuchos de dinamite a enfrentar o Exército, como em 1952. Governos à esquerda espalham-se pelo continente. É uma questão de classe: neste quadro de confronto, é fundamental para a Casa Grande retomar o controle direto sobre a política externa de metade da América do Sul, isto é, o Brasil e consolidar a sua política de alianças. Além do mais, a nova inflexão da política externa brasileira inverteu o sentido das negociações da Alca, aproximou-se de países emergentes, consolidou-se como uma das lideranças neste grupo, enfrentou os países onde se concentram os donos do mundo. É demais para a Casa Grande, cujo interesse principal é o de subordinar de todo a política externa à garantia de créditos internacionais.

4) Lula ainda tem por trás de si um partido que pode se reerguer das brasas em que está sendo fritado. Esse partido é um patrimônio da esquerda nacional, continental e mundial. No momento, sua direção está acuada pelas acusações e sua militância, aturdida. Mas se esta militância vencer a confusão e trocar a direção do partido, ou pelo menos forçar a troca da direção em que a direção se move, Lula terá reativado o braço esquerdo de sua administração. Assusta as noites da Casa Grande o pesadelo de ter pela frente um partido que, ao invés de ter de ficar explicando sete dias por semana por que não afasta ou se afastam de sua direção os acusados de corrupção enquanto durem as investigações, passe à ofensiva, rearticulando-se com os movimentos sociais e pressionando para que se acentue o lado social do governo Lula e ponha em declínio o seu lado neoliberal.

5) Lula está grudado em Palocci, na Fazenda e no Banco Central, mas Lula não é Palocci. Palocci comprou e revendeu a política econômica dos tecnocratas da Fazenda e do Banco Central. Para a Casa Grande, é ele o presente fiador público dessa política, como matérias na imprensa vem demonstrando, não Lula. Lula é um acidente de percurso, uma pedra no sapato, ainda que o sapato continue andando na mesma direção. Em algum lugar do passado, Lula se declarou favorável à ampliação do Conselho Monetário Nacional. De vez em quando Lula peita a política da Fazenda. Foi assim no acordo com o MST, foi assim no caso do Fundeb. O sonho dourado da Casa Grande é ter uma disputa em 2006 entre Palocci e Alkmin, ou sucedâneo, como FHC ou Serra. Já pensou? Em que lua de Saturno eu vou me refugiar?

É claro que, para a Casa Grande, ainda há muita coisa a acomodar nesse quadro. Como satisfazer o apetite do PFL? Como ajeitar a disputa interna no PSDB? Que pedaço do PMDB atrair para uma nova frente de direita? Como garantir que a metralhadora giratória do deputado Roberto Jefferson só cause estragos no PT e no governo, uma vez que isso de manchetes só darem destaque a essa parte das acusações tem limites? Como impedir que a crise da esquerda jogue água no moinho de algum Berlusconi à brasileira, ou novo Collor, com quem tenha de renegociar suas pretensões? Como conciliar a bandeira que está se firmando, de diminuir drasticamente o número de cargos de confiança, coisa que o governo Lula deveria empalmar como bandeira, quae sera tamen, ainda que tarde, com o tradicional apetite dos partidos que a representam? Como evitar que a bandeira, que também se afirma, do financiamento público de campanhas eleitorais, comprometa seus métodos tradicionais de influenciar a vida partidária? Que concessões fazer ao Condomínio da Classe Média, agitado ou deprimido pelas novas denúncias de corrupção, e comprimido entre a avidez financeira e rentista, e a pressão por dias melhores dos ?de baixo?, uma vez que o currículo dos partidos que representam a Casa Grande é assustador?

O Brasil é um país peculiar, porque tem movimentos sociais organizados e muito fortes, apesar da retração que lhes é imposta em tempos de império do mercado: como impedir que eles se aglutinem e façam barreira intransponível à pretensão da Casa Grande de acaudilhar de vez o Estado pela próxima década e por todos os séculos dos séculos amém? Como afastar Lula antes da eleição, se seu prestígio junto ao povo permanecer inalterado apesar das denúncias, sem provocar uma comoção social, pondo os movimentos na rua a defender seu mandato?

Como passar à ofensiva ideológica, uma vez que tudo o que os arautos da Casa Grande na imprensa e fora dela defenderam, baseados no Consenso de Washington, deu errado no mundo inteiro e no Brasil, fazendo naufragar antes do tempo os vinte anos da prometida ?era FHC?? Como rearranjar um acordo entre os interesses rentistas, industriais, comerciais, e agronegociais? Como neutralizar a bandeira da reforma agrária sem dar a impressão de que estaria fazendo isso?

Como vêem, a vida na Casa Grande, ainda que mais amena do que no resto do Brasil, também não está fácil. Uma coisa é certa: para ela, nenhuma resposta possível a estas perguntas passa pela presença de Lula no Planalto além de 2006, seja ele símbolo ou líder, ou coisa que o valha. Todas elas exigem a restauração, no paço, dos seus brasões ou varões assinalados, ao invés de alguém que ainda cheira demais a povo.

Resta saber o que a esquerda vai fazer. Se vai enfiar a cabeça no buraco ou se vai de novo olhar o horizonte e recuperar sua estrela-guia. Mas isto é assunto para outra carta, que esta já vai longa na noite que estamos atravessando.

Flávio Aguiar é professor de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo (USP) e editor da TV Carta Maior.

Publicado na Revista NovaE.inf.br - www.novae.inf.br

Enviada por Flávio Aguiar, às 12:51 24/07/2005, de São Paulo, SP


Corruptio optimi pessima est
Esta expressão latina diz de forma breve uma grande verdade: "a corrupção dos melhores é a pior que existe". Houve corrupção em políticos do PT e em outros, não pontual nem episódica, mas intencionada e planejada. Esse tipo de corrupção, como muitos atestaram, vem sendo praticada há muito pela política convencional de forma sistemática: a criação de caixa dois para financiar campanhas eleitorais e comprar eventualmente votos. Se todos fazem isso (reservado fica o direito da dúvida), o PT não poderia jamais fazer o mesmo. Ele surgiu no cenário histórico com a bandeira da moralidade pública, das mudanças, da centralidade do social e da democratização da democracia. E eis que agora setores importantes do PT resvalaram para a vala comum, desonraram uma história gloriosa, atraiçoaram os que viviam de esperança e deram um tranco formidável na evolução política do Brasil. A corrupção destes melhores é a pior coisa que possa existir. Quem será agora o portador coletivo da ética embora ninguém tenha o monopólio dela? Não dá para reanimar um cadáver. Este tem que ser enterrado.

Graças a Deus que existem pessoas no PT que sempre resistiram às tentações das benesses do poder, que não negociaram com as "más companhias", que sempre alimentaram uma relação orgânica com os movimentos populares e que sempre mantiveram alto teor ético-místico em sua prática política. Estes formam a reserva ética, ganharam, nesta crise, credibilidade e emergem como pontos luminosos de referência. Se não forem escutados, se não ocuparem posições intrapartidárias importantes na reconstrução da figura do Partido é sinal que este não se dispõe a aprender nada da crise e persiste na arrogância e no farisaísmo.

Esta crise ética nos faz pensar. Não é suficiente uma ética social, expressão de um projeto coletivo, representado, por exemplo, pela generosa tradição marxista/socialista. Em função de um bem coletivo e por causa do dinamismo próprio da dialética, há na prática marxista a tendência de justificar deslizes éticos como passos toleráveis para se conseguir certos avanços na luta de classes. A ética pessoal é sacrificada em nome de um fim mais alto.

Esta posição não é esposada pelos cristãos de onde vêm muitos do PT. Se há uma colaboração perene que o cristianismo trouxe ao discurso ético é certamente este: o caráter inegociável da ética pessoal. A razão reside no entendimento da consciência como norma interiorizada da moralidade. Esta interiorização é um fato irredutível. Não é fruto de algum superego social, nem é eco da voz do dominador externo. Há lá dentro, no íntimo de cada pessoa, uma voz que não se cala, sempre vigilante, aprovando e proibindo, advertindo, aconselhando e dizendo: "não faças isso, faça aquilo". Por mais que psicanalistas, marxistas e outros mestres da suspeita tenham tentado deconstruir essa voz, ela perdura soberana. Sócrates e Kant a chamaram de "voz de Deus em nós". Ela não cessa de falar. Os corruptos do PT e outros não escutaram esta intimidação da consciência. Nenhum projeto de poder, nenhuma vitória eleitoral justifica a desobediência à consciência. E assim, poderão ser punidos pelas leis e muito mais pela própria consciência. Não adianta fugir, ela sempre os perseguirá.

Texto extraído de www.adital.com.br

Leornado Boff é Teólogo, uma das maiores expressões da Teologia da Libertação, calada pelos decretos dos poderosos de Roma Carol Wojntila e Ratzinger.
Enviada por Leonardo Boff, às 11:56 22/07/2005, de São Paulo, SP


Trabalhadores na VW criam Comitê Nacional
Encontro realizado neste final de semana decidiu pela ciração do Comitê Nacional dos Trabalhadores na Volks. A nova representação reúne 28 mil trabalhadores nas plantas de Curitiba, Resende, Taubaté, São Carlos e São Bernardo.

Numa tentativa de negociar de forma unificada as questões que envolvem a montadora, foi criado o Comitê Nacional dos Trabalhadores na Volkswagen, integrado por direigentes sindicais e membros das comissões de representação das cinco fábricas da empresa no país. O grupo reunirá membros da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e da Força Sindical.

A escolha dos representantes desse comitê acontecerá numa reunião às 10 h da próxima sexta-feira em São Bernardo. Ao todo serão 11 membros.

A criação do Comitê foi definida no Primeiro Encontro Nacional dos Trablhadores na Volkswagen, no último final de semana em Ubatuba (litoral Norte de São Paulo). Os representantes aprovaram o estatuto do comitê nacional, que agora será entregue a direção da montadora.

Com a nova representação, os trabalhadores passam a contar com uma organização em nível nacional para enfrentar problemas semelhantes.

Para ver esta matéria na íntegra em formato "pdf" clique aqui.
Enviada por CNM-CUT, às 11:26 22/07/2005, de São Paulo, SP


Repressão, Luta e Vitória em Taubaté
Os 540 Trabalhadores da Autoliv decidiram paralisar suas atividades em represália a posição da empresa que se negava a negociar o PLR reivindicado.

A Autoliv, uma empresa de capital argentino que fornece cintos de segurança, air-bags e volantes para as fábricas da Ford, General Motors, Regeout e Renault instaladas no Brasil, reagiu a greve dos Trabalhadores convocando a polícia militar do Estado de São Paulo que chegou a porta da fábrica com mais de 100 homens armados e não economizou gás-pimenta, socos e outras "delicadezas" usadas pelos orgãos de "segurança" do Sr. Geraldo Alckim e seu PSDB, quando se trata de reprimir Trabalhadores.

Alguns sindicalistas foram presos e outros feridos, mas os Trabalhadores não se intimidaram, resistiram e mantiveram a greve.

No final da tarde de 21 de julho a empresa recuou e cedeu à reivindicação dos Trabalhadores. Pagará R$ 1000,00 de PLR para cada Trabalhador em julho de 2005 mais R$ 600,00 no final do ano vinculados ao cumprimento de metas e dará estabilidade no emprego a todos os Trabalhadores que fizeram parte da Comissão de Negociação.

Para ver os boletins publicados pelo sindicato em formato "pdf" sobre o início da greve clique aqui ou sobre o fim da mesma aqui
Enviada por Monteiro, às 18:57 21/07/2005, de Taubaté, SP


Trabalhadores na Ford criam Rede Internacional
Os Trabalhadores na Ford da Argentina, Brasil, Canadá, Estados Unidos, México, Rússia e Venezuela estiveram reunidos no período de 09 a 17 de julho de 2005 nas cidades paulistas de São Bernardo do Campo e Taubaté e na bahianíssima Salvador.

Depois de cumprir extenso programa de visitas às fábricas da Ford e trocar informações com Trabalhadores de base e Dirigentes Sindicais, sindicalistas estrangeiros e brasileiros participaram de um seminário sobre "Reforma Sindical: Liberdade e Autonomia", no dia 15/07, e do Primeiro Encontro Internacional dos Trabalhadores na Ford, realizado nos dias 16 e 17 de julho em Salvador.

Segundo Fernando Lopes, secretário-geral da CNM-CUT, "os primeiros frutos já começam a ser colhidos, ou seja, a criação da Rede de Trabalhadores na Ford e a criação de uma página na internet destinada a organizar as atividades da rede".

O Encontro foi fruto de um esforço comum internacional que envolveu em seu processo de organização a CNM-CUT, os Sindicatos dos Metalúrgicos do ABC, da Bahia e de Taubaté (Brasil), a Rede de Mulheres Sindicalistas (México), TEL (Argentina) TIE-Chicago (EUA), TIE-Moscou (Rússia) e TIE-Brasil.

Enviada por Sérgio Bertoni, às 18:39 21/07/2005, de Curitiba, PR


TIE realizará seminário sobre Reforma Sindical
Nos próximos dias 04, 05 e 06 de agosto, TIE-Brasil estará realizando na cidade de Curitiba mais um seminário sobre a Reforma Sindical.

Neste seminário serão discutidos os principais pontos da proposta de Reforma Sindical, bem como as ações concretas a serem desenvolvidas junto aos Trabalhadores de base e à sociedade em geral para que a Reforma Sindical a ser aprovada atenda aos interesses dos Trabalhadores.

Nos últimos tempos muita coisa tem sido publicada nos meios de comunicação de massa e nos periódicos sindicais. Muitas delas refletem realmente as aspirações dos Trabalhadores e do movimento sindical; outras as intenções do governo; e terceiras posições de quem não quer que o país mude e se modernize.

Para tentar dirimir as dúvidas que povoam o debate sobre a Reforma Sindical, assessores do Fórum Nacional do Trabalho prepararam um documento que visa ajudar a companheirada no debate sobre a importância da Reforma Sindical e suas vantagens para os Trabalhadores e à Organização no Local de Trabalho.

A íntegra do documento (um quadro comparativo) você encontra aqui
Enviada por Sérgio Bertoni, às 13:18 21/07/2005, de Curitiba, PR


Lula e Chaves anunciarão refinaria em Pernambuco
Os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Venezuela, Hugo Chaves anunciarão oficialmente nos próximos mêses a construção de uma nova refinaria de petróleo no estado de Pernambuco.

A Refinaria terá o nome de José Inácio Abreu e Lima, general pernambucano que lutou ao lado de Simón Bolívar na Venezuela.

A nova refinaria será construída pelas estatais brasileira Petrobrás e venezuelana PDVSA e poderá ser a primiera experiência concreta da PetroSur - futura Empresa Pública de Petróleo Sulamericana.

Também está em estudo a instalação de uma fábrica de lubrificantes em Cuba que deverá ter a participação da Petrobrás, PDVSA e da estatal cubana Cupete.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:18 21/07/2005, de Curitiba, PR


Emprego e renda vão bem em 2005
O emprego e a renda estão se comportando bem neste ano de 2005. Depois de 7 anos consecutivos em queda a renda do Trabalhador brasileiro deverá ficar 2,5% maior neste ano. Já o desemprego deverá ficar em torno de 10%, ou seja, a menor taxa dos últimos 10 anos (que compreende os 8 anos de FHC e 2 de Lula).

A cadeia produtiva automotiva é um dos principais seguimentos que vêm sustentando o emprego na indústria. Em 2005 foram contratados 91,7 mil Trabalhadores que significa 10% de aumento em relação a número de Trabalhadores no setor em 2004. As empresas de autopeças também prometem contratar neste segundo semestre de 2005 para poder atender aos pedidos das montadoras.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:04 20/07/2005, de Curitiba, PR


Ford lucra muito na América do Sul
Segundo balanço financeiro mundial publicado pela Ford Motor Company a montadora americana elevou em 346% o lucro no primeiro semestre de 2005 na América do Sul. Foram US$ 165 milhões contra US$ 37 milhões no mesmo período de 2004.

O faturamento da empresa na região chegou a US$ 1,8 bilhão.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:50 20/07/2005, de Curitiba, PR


Trabalhadores da Cotrel repudiam demissões
Os Trabalhadores da Cotrel repudiam demissões e não aceitam pagar a conta da crise.

Em Assembléia Geral realizada domingo (26/06/2005), na sede do Sindicato, por unanimidade, decidiram repudiar o plano de reestruturação apresentado pela direção da Cooperativa para enfrentar a crise econômica da empresa cujos números indicam uma dívida de mais de 260 milhões de reais.

Além disso, os trabalhadores ficaram indignados com a falta de transparência nas informações divulgadas pela empresa, pois sempre esconderam a realidade aos funcionários, dizendo que a situação econômica era estável e que não haveria demissões.

Diante do anúncio de que poderão acontecer 1000 demissões dos trabalhadores nos próximos seis meses os trabalhadores decidiram pelo seguinte:

1) Os trabalhadores não podem pagar por uma conta que não fizeram, portanto não vão aceitar as demissões e vão exigir o cumprimento de todos os direitos trabalhistas (salários em dia, reajustes acordados em acordo coletivo, pagamento do auxílio-estudante previsto para o início de julho, depósitos do FGTS e INSS, entre outros).

2) Solicitar ao Ministério Público e à Polícia Federal uma investigação para identificar os culpados pela grave crise econômico-financeira que passa a Cotrel.

3) A COTREL NÃO PODE PARAR! Por isso, os trabalhadores decidiram apoiar a criação de um grande Movimento Regional para construção de uma Alternativa Viável para a Cotrel com todas as forças vivas da sociedade regional (funcionários, agricultores, prefeitos, empresários, etc.), cujos pressupostos sejam a real participação dos funcionários e agricultores nas decisões, transparência administrativa, garantia do emprego e direitos trabalhistas aos funcionários, entre outros.

4) A Cotrel não deve ser entregue para um grupo econômico de fora da região, pois com certeza, haveria muitas demissões e falta de compromisso com o desenvolvimento regional. A alternativa deve ser construída na região.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Erechim e Gaurama tudo fará para defender os interesses da categoria, pois não foram os trabalhadores que causaram a crise na Cotrel. A causa desta crise é a má gestão feita pelas últimas direções que dirigiram a Cooperativa. Exemplo neste sentido foi a Operação Anaconda que apontou o envolvimento de diretores da Cotrel. Outro exemplo é contratar um consultor com altos salários para propor como saída para a crise demitir 1000 trabalhadores, num quadro de 2.900, ou seja, mais de um terço.

SILVIO AMBROZIO é presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Erechim e Gaurama.
Enviada por Silvio Ambrósio, às 12:28 19/07/2005, de Erechim, RS


Brasil: Sindicato é um bom negócio
Criar sindicatos no Brasil hoje se tornou um grande negócio. Segundo governo, nasce uma entidade por dia no país!

Carregadores de malas em rodoviárias, ministros de cultos evangélicos e patrões domésticos. Esses grupos, quem diria, têm algo em comum: sindicatos que os representam.

Segundo o Ministério do Trabalho, há no Brasil centenas de entidades sindicais curiosas. E isso se dá pela facilidade que a legislação oferece para quem quer criar um sindicato e, muitas vezes, fazer dele um negócio. As estatísticas do governo mostram que nasce 1,5 sindicato por dia no país. São, ao todo 18 mil.

- Apenas verificamos prazos e documentação. Não temos autonomia para verificar conteúdo. Se um sindicato de banqueiros está sendo criado por uma pessoa que não é dona de banco, não temos como rejeitar o pedido - disse o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Trabalho, Osvaldo Bargas.

Processo de formação é muito simples

O processo de formação de um sindicato é muito simples. Basta publicar no Diário Oficial e em um jornal da cidade a convocação de uma assembléia, que pode estar marcada para qualquer data, como 31 de dezembro, por exemplo. O passo seguinte é reunir algumas assinaturas, comprovar pelo menos três diretores e formar um regimento sem regras pré-definidas, com tempo de gestão livre para os diretores.

Depois, o pedido de registro é enviado ao ministério, que verifica se a documentação está correta e se o sindicato não está invadindo a base do outro - só é permitido um sindicato de determinada categoria por base municipal.

Sinal verde da Justiça

Quando o pedido é impugnado pelo ministério, o interessado no sindicato pode recorrer à Justiça, que acaba não tendo argumentos legais para negar a abertura do sindicato.

- A legislação, que é dos anos 40, sofreu alteração apenas em 1988, com a Constituição. Mas, em vez de estabelecer um sistema democrático de relações trabalhistas, no qual pudesse se constituir organizações sindicais com base em normas internacionais consagradas, a Constituição fez apenas um remendo do que estava em vigor. Com isso, só pode existir um sindicato por base territorial e por categoria, mas não há nada que defina o que é categoria profissional - disse.

Reforma

A proposta de reforma sindical inclui mudanças importantes nas regras sindicais, como reconhecimento jurídico das centrais, desde que a representatividade seja comprovada. A reforma vai estabelecer ainda critérios mais rigorosos para a criação de sindicatos, além da extinção do imposto sindical.

Papelada

Para quem quiser abrir um sindicato hoje, basta ter em mãos documentos como o requerimento do registro dirigido ao Ministro de Estado do Trabalho e Emprego ou ao Secretário de Relações do Trabalho; a ata da assembléia geral de fundação da entidade; o estatuto social da entidade, com a denominação, a categoria e a base representada; o edital de convocação dos membros da categoria para a assembléia geral, entre outros.

matéria publicada pelo jornal EXTRA
Enviada por Hugo Chimenez, às 12:22 19/07/2005, de São Borja, RS


México: Precárias condições nas maquiladoras
Na cidade de Reynosa, fronteira norte do México, existem 170 empresas maquiladoras que empregam miseravelmente 73 mil trabalhadores. O dinheiro público está a serviço dos parques industriais e financia alambrado e instalações elétricas, água, pavimentação, serviços de drenagem e telefonia, construção de naves para que as empresas se instalem. Além disso, elas não pagam imposto predial e têm o serviço de vigilância feito por policiais.

Nas colônias e nos povoados vizinhos, a realidade é a miséria; os moradores não contam com serviço de água, luz ou segurança pública.

Essas montadoras não aceitam pessoas maiores de 30 ou 35 anos e confinam ao desemprego os maiores dessa idade. Tampouco querem pessoas com mais escolaridade, porque temem a capacidade de organização ou de defesa de seus ! direitos. Das mulheres, exigem o teste de gravidez para ingresso no emprego; uma vez empregadas, elas são revisadas a cada período menstrual para assegurar que não estejam grávidas.

Muitas maquiladoras mudam de nome constantemente para criar "outra" manufatura e, assim, não pagar os benefícios aos trabalhadores no final do ano. Os trabalhadores não podem abandonar seus postos de trabalho nem para tomar água e, se não cumprirem uma cota de produção, são demitidos.

Se algum empregado trabalha mais turnos, são inventados vários descontos para baixar o salário ao mínimo que não obrigue a montadora a maiores prestações sociais ou ao pagamento de impostos. Em geral, a equipe de segurança é nula. Há mulheres que tiveram amputados os dedos pela maquinaria e que nunca foram indenizadas e continuam trabalhando na mesma montadora. A dependência é total. Nas zonas urbanas, está proibido que as casas possam ter animais domésticos para alimentação.

Se algum trabalhador pensa em exigir o respeito a seus direitos ou exige condições dignas para po! der trabalhar, seu contrato não é renovado e ele entra para a "lista negra" compartilhada entre todas as empresas montadoras dos parques industriais.

Fique atento, pois grifes famosas ganham fortunas à custa do trabalho quase escravo desses trabalhadores: por exemplo, por uma camisa da marca GAP uma pessoa no Canadá paga US$ 34,00; a operária que a produz em El Salvador ganha 27 centavos de dólar.

Pense nisto: quando foi assinado o Nafta (por Estados Unidos, Canadá e México), vendeu-se a idéia de melhorias para o trabalhador. O que se vê, na verdade, é a total degradação de suas condições de trabalho e, conseqüentemente, de saúde e qualidade de vida. Por esse motivo, é importante lutar contra a Alca, que segue os mesmos moldes do Nafta, mas estende-se a toda a América Latina.
Enviada por Hugo Chimenez, às 12:18 19/07/2005, de São Borja, RS


Rússia: querem desmontar a Lada!!!
A Fábrica de Automóveis do Volga (em russo VAZ) foi construída em 1967 na então cidade de Stavrapol no Volga usando tecnologia da transnacional italiana FIAT. Junto com a nova fábrica Stavrapol no Volga recebe novo nome em homenagem ao Secrtário Geral do Partido Comunista Italiano Palmiro Togliatti e passa a se chamar Togliatti.

A VAZ é uma empresa-cidade e atualmente vivem em Togliatti 760 mil pessoas dos quais 120.000 são Trabalhadores diretos na empresa.

No início dos anos 90 com a adoção do sistema econômico liberal de mercado a VAZ passa a ser um Sociedade Anônima de capital aberto e passa a se chamar OAO AvtoVAZ.

Atualmente a AvtoVAZ ainda controla 40% do mercado interno de automóveis.

Na época da URSS a empresa mantinha vários programas sociais e mantinha uma série de ?objetos? culturais e sociais (jardins da infância, colônis de férias, casas de descanso, residências para Trabalhadores para 8000 pessoas, ginásio de esportes com 1200 lugares, estádio de futebol, escolas, etc). Em tempos de capitalismo selvagem a direção da empresa recusa-se a manter todos os benefícios sociais e tenta se livrar de todos os ?objetos? sociais e culturais.

A forma de organização da produção vai se adaptando aos padrões adotados nas transnacionais do setor auto. Por recomendação do FMI e das empresas de auditoria contratadas os resultados da empresa devem corresponder ao modelo da produção capitalista.

OAO AvtoVAZ é uma grande produtora de veículos que inclui em seu processo produtivo diferentes setores - estamparia, fabricação de máquinas e equipamentos, fundição, produção autônoma de energia, produção de instrumentos, manutenção de equipamentos, produção de plásticos, solda e montagem de carrocerias, administração de redes, ferramentaria, fábrica de motores, etc). No momento estuda-se a divisão da OAO AvtoVAZ em empresas menores de acordo com seu tipo de produção. Também estão nos planos da direção da empresa a eliminação total de estoques, mas por enquanto eles existem e em grande quantidade.

Atualmente trabalham na AvtoVAZ 120.000 Trabalhadores. No início de 2005 havia a previsão de produzir 730.000 veículos, ou seja, 6 automóveis por Trabalhador por ano.

Depois que o governo russo baixou os impostos de importação de autopeças e componentes feitas pelas transnacionais instaladas no país a direção da AvtoVAZ refez sua previsões para 700.000 veículos em 2005 e anunciou o corte de 5200 empregos. Oficialmente planeja-se demitir 4296 Trabalhadores a partir de 01 de setembro (NT. Neste dia começa o ano letivo na Rússia, cruel lição para os filhos dos demitidos) e os demais sairiam da chamada demissão natural, ou seja, aposentados e indisciplinados.

Atualmente trabalhamos com jornada semanal de 5 dias. Antes trabalhávamos com gráfico móvel e cada turno trabalhava um sábado. Aos poucos o ritmo e a intensidade do trabalho têm sido aumentados e os Trabalhadores tentam trabalhar por dois, fazem horas-extras nos feriados e finais de semana para manter seu poder de compra.

Oficialmente o salário médio na AvtoVAZ é 10.000 rublos (cerca de R$ 830 ou US$ 350), mas a maioria dos Trabalhadores recebe 7.000 rublos (R$ 580 ou US$ 250).

NT R$ 1,00 equivale a 11 r 90 k (11 rublos e 90 kapeiiki), já US$ 1,00 equivale a 28 rublos.

Os preços de alguns produtos alimentícios na cidade de Togliatti são os seguintes:

Pão ? 11 rublos o kg; Batata ? 15 rublos/kg; Carne ? 120 rublos/kg; Ovos ? 24 rublos a dúzia;

Os preços de alguns serviços são:

Aluguel, condomínio, água e luz de um apartamento de 70 m2 (2 quartos, sala e cozinha) ? 2100 rublos/mês;

Aluguel, condomínio, água e luz de um apartamento de 35 m2 (quarto r cozinha) ? 1200 rublos/mês;

Passagem de ônibus ou bonde:

da empresa municipal de transportes ? 6 rublos;

de empresas privadas ? 12 rublos;

Automóvel VAZ-2110 ? 220.000 rublos;

Terno masculino ? 3.000 rublos;

Camisa masculina ? 600 rublos;

Para comprar um apartamento de quarto e cozinha de aproximadamente 35 m2 são necessários 800.000 rublos (114 salários), para um quarto, sala e cozinha de 50 m2 - 1.000.000 rublos (142 salários) e um dois quarto sala e cozinha de 70 m2-1.300.000 rublos (186 salários).

Na AvtoVAZ existem tres organizações de carater sócio-sindical: Sindicato dos Trabalhadores na AvotVAZ ?Edinstvo?, ACM - Sindicato dos Trabalhadores na Industria Automobilística e o Conselho Produtivo.

O ?Edinstvo? é o sindicato independente fundado em 1990 na época da Perestroika. É um sindicato combativo que em defesa dos interesses dos Trabalhadores usa os vários métodos de luta a disposição da classe Trabalhadora e é fortemente baseado nos princípios de autoorganização e autodefesa dos Trabalhadores. Só podem filiar-se ao ?Edinstvo? operários e mensalistas na AvtoVAZ. Membros da direção da empresa não podem filiar-se por estatuto. Atualmente 1700 trabalhadores são filiados ao ?Edinstvo?.

O ?Edinstvo? tem um programa de formação sindical e peridiocamente distribui panfletos e volantes, principalmente nos momentos de confronto aberto com a direção da empresa. Além disso o sindicato defende os Trabalhadores em processos judiciais, na procuradoria e junto a inspeção do trabalho.

O ?Edinstvo? organiza ações coletivas e ativamente participa nas campanhas eleitorais tanto regionais quanto nacionais, conseguindo que um de seus representantes fosse eleito deputado federal e e outro ocupado o segundo lugar nas eleições para prefeito de Togliatti.

A direção da AvtoVAZ e os poderes públicos locais são como ?unha e carne? (NT para não dizer outra coisa mais adequada a situação, porém impublicável) e temendo o poder dos Trabalhadores organizados, juntos fazem o possível e o impossível para destruir o ?Edinstvo?. A direção da empresa sistematicamente pressiona nossos filiados a deixarem nosso sindicato o que criou um clima de terror e medo na fábrica.

O ACM ? é o sindicato pelego, tradicional remanescente dos tempos soviéticos e por isso filia de operários ao diretor geral da empresa. É defensor da ?parceria? social, do colaboracionismo e sempre se coloca na posição do empregador. (NT - São defensores do famoso projeto Caracu, onde a empresa entra com a cara e os trabalhadores com o resto). Segundo os meios de comunicação de massa locais cerca de 150.000 pessoas são filiadas ao ACM. (NT ? Isso em uma fábrica em que trabalham 120.000 pessoas). Se o Diretor Geral da empresa é filiado ao ACM, não é estranho que representantes do ACM estejam no Conselho de Administração da mesma e conte com a apoio da direção da empresa. Por exemplo, quando alguém é contratado o departamento de RH já filia o recém contratado ao ACM.

O Conselho Produtivo - CP - foi fundado depois da privatização com o apoio da direção da AvtoVAZ (e inspirado no sistema de co-gestão alemão) para representar os interesses de todo o coletivo de Trabalhadores, mas suas funções são paralelas às sindicais. O CP é totalmente controlado pela direção da empresa. Não existe uma lei que sustente a existência do CP, por isso toda sua legitimidade e legalidade provem da direção da empresa.

A luta do ?Edinstvo? não é fácil. Em março e abril deste anos organizamos duas assembléias com os Trabalhadores na AvtoVAZ, uma com 5000 participantes e outra com 3000. Os Trabalhadores reivindicavam aumento salarial. Nesta época a direção da empresa anunciou a redução na previsão de produção anual, mudança na jornada de trabalho e demissões. Isso fez com que todos recuassem e desistissem de ações mais radicais em defesa de seus salários.

Nossa atenção agora está voltada à manutenção dos postos de trabalho.

Petr Zolatariev

Presidente do ?Edinstvo?
Enviada por Petr Zolatariev, às 21:26 07/07/2005, de Togliatti, Rússia


O Despertar da Militância
De repente, parece que o PT morreu. Essa frase, porém, contém duas inverdades: não foi de repente, e ainda não morreu. Não morre de repente um partido com 25 anos de luta, sonhos, combatividade e 800 mil militantes espalhados pelo país. Mas os militantes estão perplexos, envergonhados, e isso pode levar à morte do partido. Especialmente se não tiverem clareza de que a crise é mais profunda do que levantam as denúncias de um deputado. Ela tem raízes na história do PT e no comportamento do governo. Não foi importada, foi criada por nós. As denúncias apenas apressaram o afloramento de uma crise já existente.

O PT nasceu contestador. Opunha-se ao regime, ao sistema, aos modelos, mas não tinha uma bandeira nítida para o futuro. Era um agrupamento de movimentos sociais, sindicatos, grupos de esquerda, descontentes e inconformados com a ditadura, com o capitalismo e com as utopias socialistas tradicionais. Já não propunha o socialismo nem aceitava o capitalismo. Não era o portador de uma nova utopia.

Cresceu dividido. Por falta de uma bandeira aglutinadora e para sobreviver, o PT dividiu-se em tendências. Uniam-nas a postura ética e a figura de Lula, mas não havia projeto comum. Dividido em grupos, não conheceu a unificação.

Fortaleceu-se pela reivindicação. Os discursos de suas várias tendências geravam reivindicações que não compunham um programa. Ao contrário de partidos organizados em torno de um projeto de sociedade, o PT fortaleceu-se como guarda-chuva de reivindicações corporativas que, somadas, não poderiam ser atendidas. Era um guarda-chuva que, no governo, seria insuficiente para cumprir todas as promessas.

Desenvolveu uma visão a partir do centro. Nascido no ABC, liderado por sindicatos, com visão reivindicatória, o PT não foi capaz de enxergar o Brasil em toda a sua complexidade. Viu o futuro como uma continuação do velho modelo nacional concentrador, que exigia apenas uma melhor distribuição de lucro e salário para os que têm emprego. Mostrou um novo lado do mesmo eixo, entre capital e trabalho, sem incluir os excluídos nem inventar um futuro diferente. Vê o Brasil como um conjunto de Estados-satélites de São Paulo.

Venceu pela crise. O PT e Lula representavam a última esperança, depois de mais de cem anos de República liderada por uma minoria privilegiada, que construiu uma sociedade dividida e doente, e não uma nação. A eleição de Lula para a Presidência não foi a vitória da melhor proposta para o país, e sim o fracasso dos demais partidos e líderes.

Amadureceu acomodado. Com uma origem corporativa, um viés regionalista e uma visão mais economicista que social, o governo do PT deixou de executar programas transformadores da sociedade brasileira. Não definiu seu legado. Igualou-se, do ponto de vista das propostas, às forças que antes combatia.

Perdeu-se na arrogância. Sem legado próprio, sem bandeira aglutinadora, aprisionado por um grupo regional de São Paulo, o governo do PT perdeu-se na prática política arrogante, isolada. O núcleo central do poder julgou-se acima de qualquer suspeita e, portanto, livre para desprezar o diálogo e relaxar no cumprimento da ética. Fechou-se em um grupo restrito, desperdiçou energia em disputas dentro de um só Estado, sem perspectiva nacional.

Casou-se por conveniência. Por falta de um plano que apontasse para um Brasil diferente, aliou-se a interesses que garantissem a reeleição. Foi vítima da reeleição. Desde o primeiro dia, no lugar de presidente, Lula foi obrigado a ser candidato. Com isso, fez alianças arriscadas e foi tratado pela oposição como mais um candidato, não como o magistrado, chefe de Estado, representante de todos os brasileiros.

Envelheceu na incoerência. Sem render-se às críticas, recusou-se a reconhecer suas fragilidades. Preferiu justificar suas falhas afirmando que os outros partidos faziam o mesmo no passado. Nivelou-se por baixo, do ponto de vista ético, e perdeu a razão de existir. Tentou rebater, em vez de absorver, críticas de adversários e sugestões de aliados.

Mas não morreu. Além da sua direção está uma militância descontente, mas ainda coerente, comprometida, confiante na possibilidade de um novo rumo. Por isso, o PT precisa admitir que a crise é sua e de seu governo, de sua história, de sua prática no poder. Não pode culpar a oposição. Precisa também libertar a esperança do fechado núcleo que o controla, descobrir o Brasil vasto e real, vice-campeão de exclusão, e a necessidade de reorientar seu futuro, completar a abolição e a República.

Se o fizer, terá a chance de definir propósitos claros e transformadores, traçar regras rígidas de comportamento ético dos seus militantes, especialmente dos que ocupam postos no governo. Mas isso não é tarefa somente para seus atuais dirigentes. Só um despertar da militância impedirá a morte anunciada do PT, garantido a formulação de um projeto comum para mudar o Brasil e o resgate de seus sonhos, de sua combatividade e de seu comportamento ético.

------------------------------------ Cristovam Buarque, 61, doutor em economia, é senador pelo PT-DF. Foi ministro da Educação (2003-04), governador do Distrito Federal pelo PT (1995-98) e reitor da Universidade de Brasília (1985-1989).
Enviada por Cristovam Buarque, às 18:34 06/07/2005, de Brasília / DF


Empregador quer se livrar de obrigações sociais
A AvtoVAZ, maior fabricante de automóveis da Rússia, sediada em Togliatti, está decidida a transferir para os poderes públicos suas responsabilidades de manutenção de diversos ?objetos? de serviços culturais e socias. A AvtoVAZ é dona de uma Holding de Comunicação (TV a cabo, estação de rádio e jornal), vários centros esportivos (entre eles o "Olimp", o maior de Togliatti), sanatórios e colônias de férias, além de manter as creches e os jardins de infância da cidade.

Segundo a empresa a manutenção destes ?objetos? custam mais de 1 bilhão de rublos (cerca de R$ 8,5 milhões ou US$ 3,5 milhões) A direção de empresa obteve do Governo da Região de Samara a promessa de estudar a estatização dos mesmos. Neste momento em que, de um lado, os Trabalhadores se organizam e promovem manisfestações e assembléias reivindicando aumento salarial e os acionistas da empresa, de outro, exigem a redução de custos, a direção da AvtoVAZ decide se livrar de suas obrigações sociais.

Se a AvtoVAZ conseguir fazer o acordo com o governo regional, dificilmente o município de Togliatti terá orçamento suficiente para manter os níveis atuais dos serviços prestados e terá que recorrer ao orçamento regional. Como ninguém quer se ?responsabilizar pela criança? as negociações entre empresa e governo estão bastante tensas.
Enviada por Peter Zolatariev, às 14:21 05/07/2005, de Togliatti, Rússia


Imprensa, Independência e Vida Inteligente
É trágica a situação de um país onde a imprensa passa o tempo todo babando nos ovos dos donos do poder durante um governo e em outro procura transformar tudo em escândalo.

Mais triste ainda é ver determinados deputados, hoje, passando-se por santos e heróis "anti-corrupção" quando em 1992 defendiam fervorosamente um presidente que passaria para a história do país como o primeiro a ter seu impedimento declarado pelo Congresso Nacional exatamente por praticar atos de corrupção.

É nojento olhar a falta de criatividade da grande imprensa nativa e sua total parcialidade no debate que toma conta do país.

Por sorte, algumas publicações ainda resistem, não entram no oba-oba irresponsável e declaram "alguém tem de vigiar as raposas".

Clique aqui e leia o que aconteceu na Semana para comprovar que ainda existe independência e vida inteligente na imprensa nacional. Ufa!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 22:42 03/07/2005, de Curitiba, PR


Trabalhadores retomam participação na renda
O salário mínimo teve aumento real (acima da inflação) de 9,3% e chegou a R$ 300,00 ? mais de 100 dólares.

Por outro lado, as negociações salariais apontaram para uma recuperação da renda do trabalhador. Retoma-se, assim, a participação da renda do trabalho na renda nacional, que perdeu 9% do PIB no governo passado.

No final do ano passado, foram tomadas 21 medidas importantes para reduzir a carga tributária.

O governo federal manteve os níveis de tributação abaixo do limite de 16,34% do PIB, verificado em 2002.

Com a implantação do pregão eletrônico em alguns órgãos federais já foi possível diminuir os gastos em licitações; este é o caso do Ministério da Saúde que já economizou 30% em suas compras.

O governo federal tem a meta de aumentar, até o final de 2006, de 30% para 60% o quantitativo de compras feitas por pregão eletrônico.

Só no segundo semestre de 2004, foram fechados mais de 3 milhões de contratos de operações de microcrédito, um movimento superior a R$ 1,2 bilhão.

Através de seus bancos oficiais, o governo garantiu a inclusão de 5 milhões de brasileiros no sistema bancário. Trabalhadores e aposentados ? predominantemente com renda abaixo de 2 salários mínimos ? tiveram acesso a linhas de crédito, com desconto em folha, a juros 50% mais baixos.

Reforma Agrária: o governo vai assentar 115 mil famílias neste ano, somando 400 mil até o final de 2006.

O governo federal vai liberar R$ 100 milhões para acesso exclusivo dos assentados do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e criar um crédito específico aos assentados.
Enviada por Parlamentares do PT, às 21:55 03/07/2005, de Brasília, DF


Trabalhadores preparam Encontro Internacional
Os Trabalhadores na Ford e seus sindicatos em parceria com TIE-Brasil preparam o Primeiro Encontro Internacional dos Trabalhadores na Ford que acontecerá de 09 a 17 de julho de 2005 nos estados de São Paulo e Bahia, Brasil.

Participarão deste encontro Trabalhadores da Argentina, Brasil, Canadá, Espanha, EUA, México e Rússia.

O programa do encontro prevê visitas a São Bernardo do Campo, Taubaté e Camaçari onde os Trabalhadores encontrar-se-ão com Trabalhadores e Sindicalistas de cada região citada e intercambiarão experiências e informações.

Esta atividade conta com o apoio e co-organização da Rede de Mulheres Sindicalistas do México, TEL-Argentina, TIE-Norte América e TIE-Moscou.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 22:32 02/07/2005, de Curitiba, PR


Obesidade mental e a manipulação das massas
O prof. Andrew Oitke publicou o seu polêmico livro "Mental Obesity", que revolucionou os campos da educação, jornalismo e relações sociais em geral. Nessa obra, o catedrático de Antropologia em Harvard introduziu este conceito de obesidade mental para descrever o que considerava o pior problema da sociedade moderna.

Há apenas algumas décadas, a Humanidade tomou consciência dos perigos do excesso de gordura física por uma alimentação desregrada. Está na hora de se notar que os nossos abusos no campo da informação e conhecimento estão a criar problemas tão ou mais sérios que esses.

Segundo o autor, a nossa sociedade está mais atafulhada de preconceitos que de proteínas, mais intoxicada de lugares-comuns que de hidratos de carbono. As pessoas viciaram-se em estereótipos, juízos apressados, pensamentos tacanhos, condenações precipitadas. Todos têm opinião sobre tudo, mas não conhecem nada.

Os cozinheiros desta magna fast food intelectual são os jornalistas e comentadores, os editores da informação e filósofos, os romancistas e realizadores de cinema. Os telejornais e telenovelas são os hamburgers do espírito, as revistas e romances são os donuts da imaginação.

O problema central está na família e na escola. Qualquer pai responsável sabe que os seus filhos ficarão doentes se comerem apenas doces e chocolate. Não se entende, então, como é que tantos educadores aceitam que a dieta mental das crianças seja composta por desenhos animados, videojogos e telenovelas. Com uma alimentação intelectual tão carregada de adrenalina, romance, violência e emoção, é normal que esses jovens nunca consigam depois uma vida saudável e equilibrada.

Um dos capítulos mais polêmicos e contundentes da obra, intitulado Os Abutres, afirma: O jornalista alimenta-se hoje quase exclusivamente de cadáveres de reputações, de detritos de escândalos, de restos mortais das realizações humanas. A imprensa deixou há muito de informar, para apenas seduzir, agredir e manipular. O texto descreve como os repórteres se desinteressam da realidade fervilhante, para se centrarem apenas no lado polêmico e chocante. Só a parte morta e apodrecida da realidade é que chega aos jornais.

Outros casos referidos criaram uma celeuma que perdura. O conhecimento das pessoas aumentou, mas é feito de banalidades: Todos sabem que Kennedy foi assassinado, mas não sabem quem foi Kennedy. Todos dizem que a Capela Sistina tem teto, mas ninguém suspeita para que é que ela serve.

Todos acham que Saddam é mau e Mandella é bom, mas nem desconfiam porquê.Todos conhecem que Pitágoras tem um teorema, mas ignoram o que é um cateto. As conclusões do tratado, já clássico, são arrasadoras. Não admira que, no seio da prosperidade e abundância, as grandes realizações do espírito humano estejam em decadência. A família é contestada, a tradição esquecida, a religião abandonada, a cultura banalizou-se, o folclore entrou em queda, a arte é fútil, paradoxal ou doentia. Floresce a pornografia, o cabotinismo, a imitação, a sensaboria, o egoísmo.

Não se trata de uma decadência, uma idade das trevas ou o fim da civilização, como tantos apregoam. É só uma questão de obesidade. O homem moderno está adiposo no raciocínio, gostos e sentimentos.

O mundo não precisa de reformas, desenvolvimento, progressos. Precisa sobretudo de dieta mental.
Enviada por João Cayres, às 21:20 01/07/2005, de São Bernardo do Campo, SP


Denúncia contra assassinatos de camponeses
Denunciamos o assassinato de dois militantes camponeses ocorrido no dia 27 de junho durante a ocupação de uma rodovia no Paraguai, manifestação essa que faz parte de outras tantas contra a privatização das empresas públicas daquele país.

As vítimas são Angel Cristaldo, 49 anos, pai de 11 filhos, e Leoncio Torres, 20 anos. Repudiamos a repressão contra o povo paraguaio.

Denunciamos el asesinato de dos militantes campesinos el día 27 durante un corte de ruta, en una de tantas masivas manifestaciones que se vienen realizando en contra ley privatizadora en las ultimas semanas.

Las victimas son Angel Cristaldo de 49 años, padre de 11 hijos, y Leoncio Torres de 20 años. Repudiamos la represion contra el pueblo paraguayo.
Enviada por TEL-Argentina / TIE-Brasil, às 20:51 01/07/2005, de Buenos Aires / Curitiba


Paraguai: Privatizações Canceladas
Importante triunfo na luta contra as privatizações das empresas públicas paraguaias. Na sessão de 30 de junho de 2005 a Câmara de Deputados do Paraguai reprovou pro unanimidade a lei aprovada no Senado que abria caminha para as privatizações de empresas públicas. Espera-se que o Senado não insistirá na tentativa de aprovar a lei.

Importante triunfo en la lucha contra la privatización de las empresas publicas paraguayas. En la sesión del 30 de Junio, la cámara de diputados rechazo por unanimidad la ley aprobada por el Senado que habilitaba la privatización de las empresas publicas. Se estima que el Senado no insistirá con la misma.

Enviada por TEL-Argentina / TIE-Brasil, às 17:57 01/07/2005, de Buenos Aires / Curitiba


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.