TIE-Brasil
20/11/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Julho/2008)

(clique para ver todas)

Aeroportuários entrarão em greve
Os aeroprutários não chegaram a um acordo com a Infraero.

A Assembléia da categoria rejeitou a proposta da empresa e aprovou a paralisação das atividades a partir das 00:00h de 30 de julho de 2008.

Clique na imagem ao lado para ver o boletim Boca 17 com as reivindicações da categoria.

Clique nos Links abaixo para ver outros documentos do SINA e entender melhor todo o processo de luta dos aeroportuários.

Contra proposta dos Aeroportuários

Placar Proposta Infraero

Placar da Assembléia da Categoria

Carta ao Galdenzi, presidente da Infraero

Carta ao Ministro Jobim

Mensagem aos Passageiros (português)

Message to passengers (english)

Boca No. 16
Enviada por SINA, às 10:22 29/07/2008, de São Paulo, SP


Inclusão da nova geração
Em entrevista a este sítio o metalúrgico Henrique Almeida, Trabalhador na Mercedes-Benz e Diretor do SITIM-JF, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Henrique - Na minha opinião coletiva o TIE contribuiu significativamente para o movimento sindical Brasileiro de forma muito particular aos Trabalhadores na Mercedes de Juiz de Fora, que em algum momento teria quem buscar experiêrncia na tradição do setor automobilístico em SBC, Taubaté Curitiba etc. Tivemos um avanço a partir do momento em que começamos a trocar informações com outros sindicatos e também com as realidades de outras regiões. OBS: sobre tudo jornada de trabalho, relações sindicais, salários etc...

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Henrique - A partir deste estreitamento de relações com trabalhadores em outras montadoras e sindicatos distintos de outras regiões, foi possível organizar e elaborar melhor nossa atuação na base observando o que deu certo em outras regiões para com isso ganhar mais tempo em relação a organizar os trabalhadores para debater melhor a ação planejada dos representantes de base dos sindicatos e também promovendo uma pauta mínima nacional entre montadoras.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Henrique - Muito Positivo, devo ressaltar que o TIE tem um papel fundamental para contribuição para o novo Sindicalismo no Brasil, continuar promovendo o estreitamento das relações sindicais entre regiões ramos de atividades e mais, fazer como vem fazendo, organiza o debate e deixe com que os participantes manifestem suas maiores dificuldades e também apontem solução coletivas para melhor atuação em sua classe de trabalhadores.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Henrique - Que possamos fazer um balanço de tudo que fizemos ate aqui, e apontemos para novas formas de organização sindical, e mais importante de tudo, é buscar a renovação dos representantes do movimento sindical como por exemplo trazer os jovens para o debate, mulheres enfim fazer inclusão de uma nova geração no movimento sindical no Brasil é importante buscar isso essa é minha expectativa.

Henrique Almeida
Trabalhador na Mercedes-Benz e Diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora
Enviada por Henrique Almeida, às 09:56 26/07/2008, de Juiz de Fora


Funcionários da Infraero decidem entrar em greve a partir da próxima quarta-feira
Os funcionários da Infraero (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária) decidiram nesta quinta-feira (24) iniciar greve por tempo indeterminado a partir da meia-noite da próxima quarta-feira (30). Além da paralisação, eles resolveram incluir um novo pedido na pauta de reivindicação: a troca de toda diretoria da Infraero.

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários (Sina), Francisco Lemos, os funcionários rejeitaram a oferta da estatal, por terem dúvidas em relação ao cumprimento de algumas cláusulas da proposta apresentada pela empresa.

"O texto [da proposta] não era muito claro e a falta de capacidade [da empresa] para dialogar com os funcionários dificultou [um acordo]".

Lemos afirmou ainda que a categoria quer a troca da diretoria da empresa. De acordo com ele, os funcionários reivindicam a troca dos diretores, que têm contratos especiais, por servidores de carreira da estatal.

"Na grande maioria são trabalhadores com mais de 20 anos de Infraero, que ficam reféns de gente que não sabe tomar decisão dentro do setor aéreo e muito menos dialogar com quem está trabalhando nos aeroportos", disse Lemos.

Além da troca de toda diretoria da Infraero, a categoria quer aumento salarial, reajuste do vale alimentação e bônus de Natal, entre outras exigências.

"Acho que agora a coisa fica mais complicada, porque o governo federal vai ter que tomar uma decisão em relação a esses gestores da Infraero. Do jeito que está, nem os trabalhadores da empresa estão suportando e os usuários dos aeroportos muito menos", afirmou o presidente do Sina.

Ele informou que não foram todos os aeroportos que aderiram a greve, mas adiantou que os principais, como Galeão (RJ), Guarulhos (SP), Campinas ( SP) e Congonhas (SP), entre outros, vão parar as atividades no próximo dia 30.

"Vai ser mantido apenas o mínimo de funcionários necessário para garantir a operacionalização e a segurança dos aeroportos", informou Lemos.

A partir desta sexta-feira (25), o sindicato vai começar a distribuir panfletos, em inglês e português, para alertar os passageiros sobre o movimento e sobre possíveis transtornos operacionais nos aeroportos.

Fonte: Agência Brasil
Enviada por Sergio Bertoni, às 09:54 25/07/2008, de Curitiba, PR


Alavancar uma nova pauta para o movimento sindical
Em entrevista a este sítio o metroviário Eduardo Pacheco, Diretor da CNTT-CUT, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Edu - Acredito que o grande mérito do TIE nestes anos é a capacidade de produzir e disseminar conhecimento. Isso não é uma tarefa simples, não bastam somente recursos financeiros ou humanos. A capacidade de articulação política com os sindicatos - independente de filiação a centrais ou instâncias superiores de organização – a convergência de interesses programáticos, um processo metodológico calcado na construção coletiva do conhecimento e as oportunidades de intercâmbio visando não só a troca pura e simples de conhecimento, mas principalmente de realidades são fundamenatais para uma “tradução” desse conhecimento em diversas linguas.

Para a CNTT-CUT e também ao Sindicato dos Metroviários de São Paulo, tivemos importantes contribuições do TIE em nosso processo de acumulação de conhecimento e planejamento estratégico.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Edu - Dois casos são emblemáticos nesse processo. Em primeiro lugar quando tivemos a oportunidade de participar de um evento junto com os metalúrgicos, traçando políticas convergentes tanto para a cadeia produtiva como também para um entendimento e compromisso em defesa de um programa de transporte priorizando o sistema público coletivo de transporte. Em segundo lugar de forma mais específica com os trabalhadores em sistemas de transporte em trilhos (metrôs e ferrovias), dialogando e trocando experiências de organização e lutas, antevendo problemas ou trabalhando novas práticas na resolução de conflitos.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Edu - Após tantos anos de experiência, ao nivel internacional e mais diretamente no Brasil, a avaliação é extremamente positiva. A qualidade na produçao e sistematização do conhecimento, a criação de espaços democráticos para discussão e a definição de estratégias é fundamental para o avanço no processo de organização dos trabalhadores, assim como de suas lutas. Uma avaliação mais recente desse sucesso foi SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASAGEIROS que aconteceu recentemente em Buenos Aires; onde objetivo e temário foi muito bem arquitetado visando estreitar as relações entre Sindicato, Estado e Sociedade.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Edu - Creio que a oportunidade e o temário proposto possa alavancar uma nova pauta para o movimento sindical em função de mais uma onda transformadora no processo produtivo e das relações de trabalho, que por sinal andam cada ves mais articuladas. Uma resposta contundente à esse projeto de reções globalizadas não se dará de forma isolada ou pontual; no entanto não podemos nos esquecer que os diferentes reflexos desse processo nas sociedades e no mundo do trabalho são bem distintas e não poucas vezes conflitantes. Nesse contexto minha maior expectativa é de podermos sistematizar melhor as experiências em curso e contratar um conjunto de táticas e estratégias de consenso para colocar o mundo do trabalho na negociação internacional e alcançar e construir uma nova hegemonia nesse embate.

Eduardo Pacheco
Metroviários de SP e Diretor da CNTT-CUT - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte da CUT
Enviada por Eduardo Pacheco, às 17:03 24/07/2008, de São Paulo, SP


Trabalhadores (as) da Contax se mobilizam
Clique aqui para ampliar a foto
Conforme deliberado e encaminhado pela Comissão Nacional da FITTEL, foram realizadas mobilizações no dia 10/07, objetivando forçar à empresa a apresentar uma proposta decente para renovação do atual ACT.

Veja abaixo as mobilizações que foram realizadas:

BAHIA – Esteve presente nos dois sites da empresa Comércio e Campo da Pólvora, realizando mobilizações e protestos. Avaliam que foi um sucesso. Realizarão café da manhã e assembléia no dia 17/07.

CEARÁ – Realizou protestos em frente à empresa com panfletagem e carro de som. Houve boa aceitação por parte dos trabalhadores e o compromisso de que eles se envolverão nas próximas atividades.

PERNAMBUCO – Mobilizou os três sites: Príncipe, Aurora com boletins e pirulitos. No conquista além dos boletins e pirulitos, realizou setoriais com carro de som.. Avalia como boa a aceitação dos trabalhadores e afirma que há um sentimento de rejeição à proposta.

RIO DE JANEIRO – realizou atividades nos sites de Niterói, Beneditinos, Mauá, Mackenzie e Passeio. Recepção muita boa. Na próxima quinta irão de preto e também cobrarão o cumprimento da NR 17.

RIO GRANDE DO SUL – Mobilização com panfletos, fogos e apitos. Há boa aceitação por parte da categoria apesar da grande quantidade de novos funcionários. Houve pressão dos supervisores.

Fonte: Sinttel-BA
Enviada por Fittel, às 14:08 24/07/2008, de Brasília, DF


El trabajo realizado por TIE tiene un valor incalculable
Em entrevista a este sítio o sindicalista Isidro Carreño, telefônico uruguaio e Coordenaador do Fototelec, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Isidro - La contribución que TIE, proporciona a nuestra organización, es muy importante para la formación en nuestras bases ya que a traves de los diferentes seminarios y documentos publicados, se puede formar a los trabajadores, en la organización en los centros de trabajo y en la defensa de sus derechos.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Isidro - Hoy podemos decir que los resultados han sido muy buenos ya que por la participación, se ha podido medir y controlar la producción desde la propia línea de trabajo, se ha logrado un alto número de trabajadores sindicalizados y comprometidos con las tareas de organización de la base.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Isidro - Reitero que el trabajo realizado por TIE, tiene un valor incalculable, en todo el apoyo a la dirigencia sindical, ya que ayuda a afirmar la tarea que desde el sindicato se hace hacia las bases.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Isidro - Nuestra expectativa con relación a la Conferencia es mucha, ya que esperamos que en la misma se desarrollen temas de integración a nivel internacional y que cuando se desarrollen y discutan los diferentes temas del Seminario sirvan para evaluar y valorar como estamos trabajando en los diferentes paises y que nos ayude de esa forma a mejorar nuestro accionar sindical, profundizando y enriqueciendo en la discusión un mayor conocimiento de nuestras realidades.

Isidro Carreño
Coordenador do Forotelec - Fórum Latinoamericano dos Trabalhadores em Telecomunicações
Enviada por Isidro Carreo, às 13:53 24/07/2008, de Uruguai


Do Comitê Nacional ao Comitê Internacional dos Trabalhadores na Ford
Em entrevista a este sítio o metalúrgico Paulo Cayres, o Paulão, trabalhador na Ford-SBC e Diretor da CNM-CUT, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Paulão - A contribuição passa pelo mais simples dos seminários que o TIE realiza junto as entidades sindicais, proporcionando ricos debates e ao final dos mesmos, levando os participantes a se sentirem obrigados a colocarem em prática o que foi debatido, para mim este é o diferencial do TIE.

A realização de encontros, de debates importantes para o movimento sindical, sempre com temas relacionados ao dia a dia dos dirigentes, tem contribuído para que estes, quando retornem para o seus sindicatos, implementem aquilo que foi discutido, transformando a teoria em prática, fazendo com que o saber não fique parado.

Só isto já bastaria para demonstrar a importância do TIE, porém tenho que falar do TIE, naquilo que é a sua vocação. Ou seja: a troca de informações entre trabalhadores em empresas multinacionais.

Quero citar o impulso dado por esta instituição, para a FORMAÇÃO DO COMITÊ NACIONAL DOS TRABALHADORES NA FORD, aqui no Brasil. Felicito aqui o companheiro Sérgio, pela insistência na criação deste comite, acredito ser graças a este companheiro que este COMITÊ tornou-se uma grata realidade. Enquanto muitos dirigentes não acreditavam nesta possibilidade, o TIE insistiu na idéia. Neste sentido sinto-me realizado por ter sido um daqueles que, junto com o TIE, acreditaram nesta idéia e mais realizado ainda em ver que hoje começa também a se materializar o COMITÊ MUNDIAL DOS TRABALHADORES NA FORD. É muito gratificante vermos isso.

Afirmo com todas as letras, isto só foi possível graças a intervenção dos companheiros do TIE. Desculpem. mas para falar do TIE, não dá para economizar palavras... Porém, pela importância do TIE para nós brasileiros, sempre faltarão palavras para definir a verdadeira dimensão que o TIE representa para os trabalhadores do Brasil.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Paulão - O resultado tem sido um maior envolvimento dos trabalhadores com as demandas do sindicato, a partir da devolutiva dos dirigentes que participam dos eventos promovidos pelo TIE, para os seus sindicatos e os trabalhadores de sua base. Estes eventos tem se mostrado um poderoso instrumento de qualificação e capacitação para os dirigentes sindicais, que como eu tiveram o privilégio de beber desta fonte. Fonte esta, que pelo saber que constrói junto com aqueles que participam, possibilita aos mesmos promoverem em suas BASES, um debate cada vez mais qualificado.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Paulão - Vejo como imprescindível para o fortalecimento do movimento sindical brasileiro. Quanto a avaliação, os fatos que expus nas respostas anteriores, dão conta desta pergunta.

Mas o que preciso dizer sobre AVALIAÇÃO, no que diz respeito ao TIE é que ela existe e é uma avaliação inclusiva, ou seja, o TIE capacita os de menor conhecimento, incluindo-os, isto sim é uma AVALIAÇÃO, que interessa a CLASSE TRABALHADORA, não aquela tradicional, que visa excluir àqueles que tiveram menos oportunidades.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Paulão - Quanto a expectativa, é da realização de um evento que esteja a altura da grandeza das ações que o TIE vem desenvolvendo nestes 30 (trinta) anos.

Uma certeza eu tenho, estarei na comemoração dos 60 (sessenta) anos do TIE.

Esta é minha contribuição para o momento.

Parabéns e muito obrigado a TIE-Serginho, TIE-Cidinha, TIE-Minolfi. Enfim! a TIE-Todos que já passaram por aí...

Paulo Aparecido Silva Cayres
Trabalhador na Ford e Diretor de Formação da CNM-CUT
Enviada por TIE-Brasil, às 09:05 24/07/2008, de Curitiba, PR


Pró-conferência nacional de comunicação
Pró-Conferência Nacional de Comunicação

Prezad@s Companheir@s:

No último dia 17/07/08 participamos do Lançamento do Movimento Gaúcho Pró-Conferência Nacional de Comunicação, na Sede do Conselho Estadual de Psicologia, em Porto Alegre.

Na ocasião representamos a FITTEL e os Sindicatos filiados e assinamos o "Banner" da campanha.

Após a fala do Companheiro Schröder, da FENAJ e do FNDC, nos pronunciamos em favor desta importante iniciativa que se alastra pelo país.

Foi criada a Comissão de Organização, à qual nos somamos, que realizará o Seminário Estadual Pró- Conferência Nacional e que ocorrerá no Auditório Dante Barone da Assembléia Legislativa do RS, no dia 10/10/08.

Nova reunião organizacional, dia 24/07/08, às 19 horas, no CRP, em Porto Alegre.

Veja aqui o Relatório Final sobre Mudanças no Sistema de Concessões de Rádio e TV.

E clicando aqui leia a carta dos Trabalhadores e da Sociedade Civil enviada ao Parlamento brasileiro.

Fonte:Informe FITTEL nº 083/2008 – Brasília, 23 de julho de 2008
Enviada por Juan Sanches, às 08:30 24/07/2008, de Curitiba, PR


Num mundo globalizado trocar informações é fundamental
Em entrevista a este sítio o sindicalista Jorge Reis, o Tinga, Diretor do Sindicacau, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Tinga - TIE contribui na formação do movimento Sindical, priorizando a organização de base, estimulando a cooperação entre os trabalhadores e a sua organização sindical.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Tinga - Houve uma maior aproximação dos trabalhadores com a entidade sindical favorecendo a mobilização das lutas.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Tinga - A troca de informações e experiências entre trabalhadores no mundo globalizado do trabalho é fundamental para as organizações sindicais e TIE faz esse trabalho muito bem!

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Tinga - A minha expectativa é de adquirir conhecimentos, trocar bastantes informações e de participar de grandes debates.

Jorge Reis
Diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de TRansformação do Cacau de Ilhéus e Itabuna, BA
Enviada por Jorge Reis, às 16:59 23/07/2008, de Ilhéus, BA


Intercambiando informações para crescer sindicalmente
Em entrevista a este sítio o metalúrgico Marco Antônio da Silva, o Marcão, trabalhador na VW-Audi de Curitiba, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Marcão - No se refere ao movimento sindical o TIE tem um papel muito importante, pois além de promover o intercâmbio entre as mais diversas categorias, também promove o crescimento de inúmeros dirigentes que não dispõe de conhecimentos suficientes para a realização do atividade sindical, bem como para aqueles que já tenham longos anos no movimento e muitas vezes estão necessitando de uma reciclagem para poderem acompanhar as várias mudanças de comportamento dos empresários e dos trabalhadores que a cada dia estão mais exigentes com seus representantes. Em se falando de nossa entidade através do TIE passamos a ter uma visão muito mais ampla e clara do movimento sindical dentro e fora de nossa base, pois em vários eventos promovidos pelo TIE, principalmente na área de saúde tivemos outras categorias envolvidas e com isto pudemos avaliar a situação que vivem essas categorias.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Marcão - Posso falar apenas pelos locais onde os representantes fizeram os cursos e intercâmbios do TIE e por estes locais o trabalho resultou em grandes avanços principalmente nas negociações, pois inúmeros representantes não tinham muito conhecimento em como montar uma estratégia de negociação. Aprendemos e treinamos isto em dinâmicas elaboradas pelo TIE, com isto nosso grupo pode antes de entrar em qualquer discussão independente da pauta nos prepararmos para não sairmos se não vitoriosos pelo menos sem o sentimento de derrota.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Marcão - De grande importância não apenas para o movimento sindical, mas também para uma parte da sociedade, pois muitas vezes discutimos situações que implicam diretamente nos assuntos pertinentes a sociedade como um todo. Um destes grandes temas foi o Fórum de discussões sobre reforma trabalhista e sindical onde o TIE fez novamente um brilhante trabalho, trazendo para as discussões não só representantes dos trabalhadores como também grandes nomes especialistas no assunto.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Marcão - Tenho a expectativa de que seja um dos maiores eventos no contexto da relação trabalho - emprego - sindicalismo, devido a gama de conhecimento dos organizadores e do que nós já conhecemos do TIE. Tenho a certeza de que todos que participarem deste evento sairão dele com muito mais conhecimento sobre o assunto e também muito mais crítico e isto fará que nós representantes também tenhamos que nos empenhar para estar a altura do evento e de nossos representados.

Um grande abraço aos amigos do TIE!

Marco Antônio Silva
Trabalhador e Membro da Comissão de Fábrica dos Trabalhadores na VW-Audi
Enviada por TIE-Brasil, às 16:27 23/07/2008, de Curitiba, PR


Trabalho de TIE é Crítico, Propositivo e Alternativo
Em entrevista a este sítio o sindicalista Silvio Ambrósio, Tesoureiro do STIA Erechim e Guaruama e Secretário de Políticas Sindicais da FTIA-RS, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Silvio - TIE contribui em várias áreas:

Na Formação: ajuda a extrair do próprio trabalhador o seu conhecimento e através deste aplicar no chão da fábrica, sendo que este saber consegue transformar em ação sindical, para contribuir na organização e na luta dos trabalhadores, contra os processos produtivos que explora, adoeçe e aumenta a competividade entre os próprios trabalhadores e aposta no individual e esquessem que somos trabalhadores que pensam, que tem sentimentos, e somos peças fundamentais dentro do processo.

Na organização: contribui para fortalecer o sindicato e definir qual seu papel na sociedade e aposta na organização no local de trabalho construindo mecanismos de resistencia contra o capital e a exploração do mesmo.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Silvio - Uma melhor qualificação dos dirigentes sindicais em várias áreas de atuação no sindicato e no chão de fábrica. Como por exemplo: melhor preparo dos Dirigentes sindicais nas Negociações Coletivas, interveções no local de trabalho, conhecimento do processo produtivo através do mapeamento da produção,etc.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Silvio - Crítico: porque se contapõe as injustiças da sociedade fazendo o debate.

Propositivo: propõe alternativas para um novo sindicalismo , atuante , combativo, fortalecido na base e transformador de uma sociedade mais justa e igualitária. Insentiva um novo perfil do trabalhador "que o trabalhador seja sujeito do processo".

Alternativo: incentiva o debate, respeita as varias opiniões dos trabalhadores, propõe debates importantes, facilita a paticipação, etc.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Silvio - Que a conferencia seja participativa e que através dos debates que lá acontecerão, as entidades e pessoas que estejam particiapando consigam satisfazer e reproduzir este conhecimento em ações concretas para melhorar a vida do trabalhador.

Silvio Ambrosio
Tesoureiro do STIA Erechim e Guaruama metalúrgico e Secretário de Políticas Sindicais da FTIA-RS
Enviada por TIE-Brasil, às 16:24 23/07/2008, de Curitiba, PR


Juntos refletimos sobre a realidade e buscamos estratégias de resistência e superação
Neste artigo Marilena Silva, dirigente do SISMUC e da CUT-PR, comparte suas considerações e avaliações sobre o trabalho de TIE-Brasil e os resultados deste trabalho junto aos Trabalhadores e Trabalhadoras no Serviço Público Municipal de Curitiba.

CONTRIBUIÇÃO DO TIE NO MOVIMENTO SINDICAL

O TIE contibui como um forte aliado ao movimento sindical construindo a rede de trocas de experiências, o diálogo e a aproximação dos diferentes segmentos que lutam na defesa dos trabalhadores em várias frentes, no sindicato, na central, na OLT, nas comissões de fábricas. Enfim! nos aproxima, ajuda a refletir a realidade do mundo do trabalho e buscar estratégias de resistencia e superação.

Particularmente, nós servidores públicos do município, temos encontrado neste debate o espaço para aproximar categorias que embora façam parte da mesma classe têm dificuldades para se reconhecer como trabalhadores e trabalhadoras, submetidos à exploração. Estamos juntos quebrando a invisível barreira que dissocia Trabalhador@s na iniciativa privada e @s no serviço público, na medida que buscamos reconhecimento ao trabalho de ambos e desvelamos como se mede o valor do serviço público e como podemos nos somar na luta de classes.

RESULTADOS

O principal resultado está na organização de trabalhadores por local de trabalho, na formação e empoderamento deste servidor que passa a ser o sindicato lá. Sua força de convencimento se amplia na medida que a informação, o diálogo constante e a confiança se estabelece.

As ferramentas debatidas nos encontros do TIE, as opiniões e experiências vivencias pelos participantes nos dão oportunidades de ampliar nossa atuação, trazer novos quadros para viver a experiência de ser dirigente e compartilhar saberes na caminhada.

AVALIAÇÃO

Acompanho o TIE-BRASIL desde 2003 e posso testemunhar que neste período vivemos muitos conflitos e tensões no movimento sindical, onde a presença desta rede nos possibilitou enxergar mais luzes para prosseguir. Assim foi no tema reforma sindical, onde o encontro do TIE foi um dos espaços privilegiados para aprofundamento do debate, formação de opinião e pautar estratégias de mobilização para enfrentar a questão.

Outro eixo de grande importância é a construção coletiva do conhecimento. A Nanotecnologia, por exemplo, é uma questão que muito nos tem preocupado e aqui estamos encontrando espaço para aproximação com o tema e melhor compreensão das implicações, vislumbrando que os trabalhadores tem que resolver qual será sua forma de resistência e como tirar proveito da tecnologia a serviço da vida. Construir coletivamente exige sabedoria, respeito, confiança e solidariedade. E esta tem sido uma marca muito presente nas ações do TIE e de toda a rede.

EXPECTATIVA

Conferir trinta anos não é pouca coisa!

Vamos certamente criar oportunidades de repensar práticas, rever conceitos, conferir entre nós o que praticamos a favor da democracia, da transparência, do protagonismo na ação junto as bases e perceber que avançamos em muitos pontos.

Também sabemos que o momento vivido requer novas estratégias e exige criatividade, ação e compromisso para atingir as mudanças estruturais ainda sonhadas para a sociedade mundial.

Encontrar os amigos, saber como anda a luta em cada parte deste mundo e reanimar o sonho, é o que espero para esta jornada.

Marilena Silva
Dirigente do SISMUC, da CUT Paraná, da Federação dos Municipais do Paraná e CONFETAM-CUT
Enviada por Marilena Silva, às 16:04 23/07/2008, de Curitiba, PR


Qualificar, articular e lutar melhor
Em entrevista a este sítio o sindicalista Cairo Reinhardt, Presidente FTIA/RS, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Cairo - Poderíamos citar várias contribuições que TIE proporciona não só a Federação da Alimentação como também a todo o Movimento Sindical, nos mais diversos aspectos políticos, econômicos e metodológico.
Para a Federação dos Trabalhadores da Alimentação, principalmente, o tema da qualificação metodológica tem tido um destaque especial, no sentido da capacitação de quadros do nosso ramo com capacidade de compreender o meio onde estão inseridos e qualificando-os para uma atuação mais incisiva e transformadora nos vários espaços de atuação, tanto no chão de fábrica quanto dentro dos sindicatos.
Outro aspecto importantíssimo é a questão da articulação com outros ramos e outros setores produtivos da sociedade, fazendo com que os trabalhadores de nosso ramo percebam a realidade social e econômica de nosso país, não só apartir de um olhar específico do ramo, mas de forma mais abrangente.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Cairo - Percebe-se uma maior qualidade de intervenção por parte dos quadros que participam das atividades desenvolvidas pelo TIE-BRASIL.
A partir da aproximação com outras entidades sindicais também passou-se a desenvolver uma rede de relações de mútua ajuda, onde ampliamos nossas relações políticas e nossa capacidade de ação conjunta, visando a consolidação de pautas e lutas conjuntas.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Cairo - Tem grande importância, pois não existem muitas organizações dentro de campo democrático e popular que detém uma capacidade de trânsito interno com diferentes entidades, rede de relações políticas e capacidade de articulação de atores sociais de forma isenta e participativa.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Cairo - Esperamos poder partilhar de mais um momento importante para a história do Movimento Sindical, da qual o TIE BRASIL tem sido protagonista e tem tido uma participação relevante junto aos diversos atores sociais. Além disto servirá para que possamos refletir junto com o conjunto das organizações sociais e política do campo de esquerda um projeto de sociedade que vise a equidade e a solidariedade entre os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil e, porque não dizer, do mundo.

Cairo Reinhardt
Presidente da Federação dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação do RS
Enviada por TIE-Brasil, às 15:53 23/07/2008, de Curitiba, PR


Organizando local, nacional e internacionalmente
TIE tem representado um papel importante no apoio à formação de Grupos de Trabalho formados por trabalhadores e seus representantes de fábricas que possuem mais de uma unidade no Brasil

O debate e as constantes trocas de experiências, tem permitido uma organização à nível nacional em que em cada planta os trabalhadores tem buscado avançar em seus benefícios.

Por se tratar de uma entidade desvinculada de qualquer central sindical, permite a participação dos trabalhadores sem as preocupações das direções sindicais de que estes trabalhos visam à disputa de poder, natural entre elas, que porém muito atrapalha a organização dos trabalhadores.

Aqui entre os Metalúrgicos do ABC e em especial para nós trabalhadores e representantes na planta da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo, o trabalho do TIE foi fundamental para nossa organização à nível nacional (Campinas, Juiz de Fora e SBC) bem como viabilizou diversos encontros internacionais entre trabalhadores na Daimler (grupo ao qual pertence a Mercedes-Benz do Brasil) de diversos países, entre eles da Alemanha e Estados Unidos.

Os programas de intercâmbio organizados por TIE também tiveram um papel importante na formação de novos quadros e dirigentes.

Nossa expectativa para esta Conferência é de debatermos e definirmos novos focos para a atuação que continuem priorizando a organização dos trabalhadores em seus locais de trabalho o que com certeza continuará à criar espaços para o surgimento de mais e novos dirigentes e com isto obtermos mais conquistas que permitam nos aproximarmos ou até igualarmos os direitos dos trabalhadores elevando-os aos patamares dos países mais desenvolvidos.

Walter Souza
Diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Comissão de Fábrica dos trabalhadores na Mercedes-Benz, São Bernardo do Campo
Enviada por Walter Souza, às 17:45 22/07/2008, de São Bernardo do Campo, SP


Trabalho contínuo exige organização, engajamento e definição de objetivos
Em entrevista a este sítio o sindicalista Valdemir Corrêa, Secretário de Formação e Comunicação FTIA/RS, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Valdemir - O TIE oportuniza ao Movimento Sindical, com suas diferentes linhas de pensamento, o debate sobre temas relevantes para os trabalhadores, de forma democrática, o que viabiliza traçarmos objetivos comuns. A troca de experiências com outras entidades sindicais do Brasil e de outros países nos insere na construção coletiva do conhecimento. Além disso, a filosofia de trabalho que equilibra reflexão e ação, se dá com a participação efetiva dos trabalhadores, o que nos motiva a construir, na prática, a estrutura sindical que queremos, a organização e luta de classe a partir do local de trabalho.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Valdemir - O trabalho conjunto com o TIE, nos propiciou ações com a participação efetiva dos trabalhadores, o que ampliou a proximidade com a base. Despertou a capacidade de organização e mobilização dos trabalhadores e a consciência de classe.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Valdemir - Nos últimos anos há um avanço para uma filosofia de trabalho institucional, como é o caso da FTIA/RS, sem prejuízo de sua essência. Ainda falta de parte de alguns parceiros, o entendimento de que o trabalho contínuo exige organização, engajamento e definição de objetivos.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Valdemir - Vislumbramos a concretização de maneiras de intervir no processo produtivo, para que a evolução tecnológica e as práticas de gestão, se dêem de forma responsável e que o lucro das empresas não aconteça às custas do sacrifício e exploração dos trabalhadores. Consolidar uma concepção e prática sindical, alicerçada num trabalho contínuo que repercuta em mudanças efetivas no ambiente de trabalho. A preparação para os embates futuros, com definição de foco e estratégias de participação no processo de transformação do mundo do trabalho, sempre considerando os saberes do peão.

Valdemir Corrêa
Secretário de Formação e Comunicação FTIA/RS
Enviada por TIE-Brasil, às 17:09 22/07/2008, de Curitiba, PR


Entender a realidade e atuar no Local de Trabalho
Em entrevista a este sítio a sindicalista Cláudia Ferigollo, Presidenta da STIA de Erechim e Gaurama, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Cláudia - TIE ajuda o trabalhador a conhecer e entender a sua própria realidade e, a partir disso, determinar ações.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Cláudia - O resultado concreto é que o nosso conhecimento aumentou e passamos a investir mais na Organização no Local de Trabalho.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Cláudia- Muito bom o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos. Um dos melhores que já participei. Nas atividades de TIE-Brasil a gente não vai só para ouvir e sim para participar e falar. Nós tinhamos um problema. Antigamente na empresa a gente só trabalhava, trabalhava e trabalhava e não sabia nada sobre a empresa, seus objetivos, seu funcionamento. A partir do trabalho desenvolvido junto com TIE-Brasil, das tarefas de casa, passamos a conhecer e entender como funciona a Organização do Trabalho e da Produção. Por isso é que a diferença do trabalho de TIE-Brasil é que a gente não vai só para ouvir e sim, também, para colocar em prática, na volta a base, o que discutimos e debatemos, principalmente através do Mapeamento da Produção.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Cláudia - Que seja mais um momento, entre muitos outros, no qual companheiras e companheiros possam discutir e debater os problemas dos Trabalhadores e que sirva também para divulgar ainda mais o trabalho.

Cláudia Ferigollo
Presidenta da Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Erechim e Gaurama, Rio Grande do Sula
Enviada por TIE-Brasil, às 16:56 22/07/2008, de Curitiba, PR


Construir poder na base organizando-se no local de Trabalho é a filosofia central, afirma Alessandra
Em entrevista a este sítio a sindicalista Alessandra Cláudia de Oliveira, Diretora do SISMUC, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Alessandra - TIE contribui na organização dos Trabalhadores, só que a partir do Local de Trabalho. Esse é um diferencial muito importante no trabalho que vem sendo desenvolvido nos últimos anos.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Alessandra - Os resultados vem sendo colhidos agora. Principalmente através da aplicação do mapeamento da produção. Nossa expectativa é de começar agora a construir poder na base.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Alessandra - O trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos, é excelente. A contribuição para o movimento sindical como um todo e para o SISMUC, em particular, é muito grande. Com esta filosofia de trabalho, estamos abrindo novos caminhos e colocando em prática um novo tipo de formação (que de novo não tem tanto, mas que na maioria dos casos não é aplicado) de trabalhar com a base, entendendo que o poder das mudanças está lá.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Alessandra - A expectativa com relação a Conferência TIE 30 anos é de que novos rumos sejam definidos, mas sem deixar de se fazer o que hoje se faz: o trabalho de base.

Alessandra Cláudia de Oliveira
Diretora do SISMUC - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba
Enviada por TIE-Brasil, às 13:49 22/07/2008, de Curitiba, PR


Os Trabalhadores são sujeitos da Luta
Em entrevista a este sítio o sindicalista Inácio Hemsing, Tesoureiro do STIA de São Miguel D'Oeste fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Inácio - A contribuição do TIE para o movimento sindical e para a nossa entidade sempre foi muito boa, principalmente pelo trabalho desenvolvido na base. Os próprios Trabalhadores passaram a ser os sujeitos da luta.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Inácio - Através da filosofia de trabalho que desenvolvemos a partir dos cursos, seminários e eventos que participamos, conseguimos avançar e crescer no nosso trabalho de base.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Inácio - O trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos é excelente. Estamos avançando na construção da organização no local de trabalho e aplicando o Mapeamento da Produção como uma nova filosofia de trabalho.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Inácio - A nossa expectativa é que sejam definidos novos projetos, a partir das discussões e debates que ocorram. Com certeza, a Conferência trará bons resultados para o movimento sindical como um todo.

Inácio Hemsing
Tesoureiro do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de São Miguel D'Oeste, Santa Catarina
Enviada por TIE-Brasil, às 13:39 22/07/2008, de Curitiba, PR


Para Mauro Cava TIE deveria trabalhar com várias Centrais Sindicais
Em entrevista a este sítio o sindicalista Mauro Cava de Britto, Diretor Executivo Social do Sintetel - SP fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

Veja o programa da Conferência TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias clicando aqui.

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Mauro - Participei de apenas uma atividade preparada pelo TIE e saí extremamente impressionado pelo lado positivo. Acredito que essas oficinas de trabalho onde se mescla pessoas com uma certa vivencia no sindicalismo e iniciantes é o grande mote, pois todos aprendemos.

TIE - Quais os resultados desse trabalho todo na sua entidade?

Mauro - Quando participei de uma oficina em Porto Alegre procurei multiplicar os conhecimentos com os delegados de minha entidade.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Mauro - Avalio positivamente, embora acredito que TIE deveria ter uma penetração maior em outras centrais sindicais.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Mauro - Acredito que a mesma será grandioso em virtude de vários fatores tais como: as celebridades sindicais convidadas, o modelo de trabalho, o conhecimento dos membros do TIE e a energia positivo que circunda o ambiente.

Nesse mesmo período terei o Congresso Estadual da Central Força Sindical, onde faço parte da direção. Tentarei fazer o máximo possível para comparecer, para aprender e acima de tudo rever pessoas maravilhosas.

Um grande abraço

Mauro Cava de Britto
Diretor Executivo Social
Sintetel - SP / ABCDM - Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadores de Mesas Telefônicas no Estado de São Paulo
Enviada por TIE-Brasil, às 12:44 22/07/2008, de Curitiba, PR


Fique atento aos desmandos da Atento!
Estamos vivendo um momento muito delicado, na relação capital vs trabalho, no âmbito da ATENTO

Transparece o descaso por parte da empresa no que tange às questões d@s noss@s representad@s. Exemplo disto é a constante postergação da negociação da PPR 2008 o que causa muita preocupação nos Sindicatos envolvidos, filiados à FITTEL.

A transnacional de callcenters ATENTO se vale sobremaneira da exploração da pessoa humana, porém quando deve tratar dos interesses de quem mantém a operação dos serviços, não se apresenta, protela, desmarca compromissos, desrespeitando a organização d@s trabalhador@s.

Passamos da metade do ano de 2008 e até agora não demos seguimento ao acordado entre as partes. A negociação nacional, unificada e centralizada dos ACT’s, buscando a unificação da data-base e o nivelamento dos parâmetros negociados e a negociar é um compromisso assumido em mesa conjunta e que faremos valer, independentemente das mudanças de comando administrativo ou das relações de trabalho na ATENTO.

Os acertos foram construídos entre a representação sindical e a pessoa jurídica ATENTO, cuja, é de abrangência nacional e internacional.

Os ACT’s, nos diversos estados aonde explora a ATENTO e cujas datas-base estão vencidas, amargam negociações emperradas ou mal encaminhadas.

O momento é de rara oportunidade para registrar e denunciar nas organizações de cunho mundial o mau tratamento que é dado pela ATENTO BRASIL às questões que dizem respeito à esta importante parcela da classe trabalhadora brasileira, tanto interna, quanto externamente.

Aguardamos que, na maior brevidade, se apresente a ATENTO, convocando e viabilizando a retomada do processo negocial.

Contamos com a presença na mesa de negociação da atual detentora do comando da área responsável pelas VIDAS que fazem parte do conglomerado ATENTO BRASIL, demonstrando assim, que podemos estar equivocados quanto ao que transpira e se respira na empresa, já citado, anteriormente, nesta manifestação.

Atenciosa e indignadamente,

Juan Sanchez
Pela Comissão Nacional de Negociação da FITTEL
Diana Bulhosa (BA), Ricardo Pereira (RJ), Marcone do Nascimento (RS), Divino Alfredo (GO), André Venturini (MG)
Enviada por Juan Sanchez, às 17:56 21/07/2008, de Porto Alegre, RS


Violência doméstica é assunto discutido na fábrica da Ford no ABC
Trabalhadores debatem a Lei Maria da Penha nos Diálogos de Segurança na Ford

"O que essa Lei Maria da Penha tem a ver com a segurança aqui na fábrica?", perguntou um dos trabalhadores na Ford quando ficou sabendo que o assunto do encontro Diálogos de Segurança era a lei que pune com mais rigor a violência doméstica.

Paulo Brasil, vice-presidente da CIPA, devolveu: "Esse tema é para garantir a segurança na sua vida e na de sua família".

Mesmo com algumas reações de estranheza por parte dos trabalhadores na montadora, eles estão conhecendo mais a fundo as mudanças promovidas pela lei que pune com prisão os agressores de suas companheiras.

Para o pessoal do Sistema Único de Representação na Ford, foi acertada a escolha da Lei Maria da Penha para ser o tema dos Diálogos de Segurança em julho.

Até o final do mês, todos os 3 mil trabalhadores na produção vão debater o assunto.

Paulo e os outros palestrantes dizem que, de maneira geral, a companheirada sabe que a lei existe mas não conhece os detalhes.

Alguns se espantam que a agressão doméstica pode resultar em prisão por até três anos e que o homem pode perder a guarda dos filhos.

Outros trabalhadores também não sabiam que a lei prevê a saída do agressor da casa e a proibição dele ver os filhos.

Simone Vieira, mensalista na Ford e da Comissão de Mulheres, comemorou. "Essa é a primeira vez que tratamos sobre os direitos das mulheres, aumentando o grau de conscientização dos trabalhadores".

Para ela, os Diálogos de Segurança devem incorporar temas como esse. "A construção de um mundo melhor será feita por homens e mulheres, juntos", lembrou.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Enviada por CNM-CUT, às 09:53 21/07/2008, de São Paulo, SP


Espanha culpa as petroleiras pela campanha contra o biocombustível
A Espanha uniu-se ao Brasil e aos EUA na batalha a favor dos biocombustíveis

Contra a enxurrada de críticas que acusam o álcool fabricado de milho ou açúcar de encarecer os alimentos - discurso assumido pelas ONGs, a Agência Européia do Meio Ambiente, o FMI e o Parlamento Europeu -, o governo espanhol afirma que não são a causa principal da fome e que tudo corresponde a "uma campanha das petroleiras, que vêem seus negócios ameaçados", disse o secretário de Estado do Meio Ambiente, Josep Puxeu.

"O petróleo encarece os alimentos, já que o plantio, a colheita e o transporte estão muito ligados ao preço dos alimentos, e mata de fome. Mas, todos atacam os biocombustíveis, que representam uma porcentagem muito pequena", afirma o número 2 do ministério espanhol.

Estas afirmações colocam em cheque muitos paladinos do meio-ambiente.

Fica a pergunta: Estariam os ambientalistas ou pelo menos parte deles sendo financiados pelas petroleiras???

Questão difícil de responder...

Sem dúvida, nenhum humano por mais idiota que possa ser concordaria em passar fome para poder usufruir do confortável transporte sobre rodas. Porém, reduzir um debate tão amplo, com tantas nuances, variantes e interesses envolvidos, a uma dicotomia "comida para gente" ou "combustível para automóveis", simplifica-o, transforma-o em uma discussão quase que religiosa, muitas vezes fantasiosa, e acaba por facilitar a vida daqueles que defendem o status-quo.

- Não seria exatamente (ou também) por isso que a burguesia européia e norte-americana se pôs rapidamente contra os bio-combustíveis?
-Quantas petroleiras e produtoras de automóveis espalhadas pelo mundo têm a Europa e os EUA?
- Quem mais teria a perder se o centro do debate energético migrar do norte para o SUL, passando este último a protagonista no processo de produção e controle de tecnologias?

Os ricos do norte não querem perder o que já conseguiram tirar de todo o mundo. Farão de tudo para manter seu status-quo, inclusive pousar de progressistas, humanistas e dar uma de mecenas financiando até mesmo ditas organizações "sociais" pelo mundo afora.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 19:04 17/07/2008, de Curitiba, PR


Emprego com carteira assinada bate recorde histórico no semestre
Segundo dados do Ministério do Trabalho, foram abertas 309.442 vagas em junho, o que representa o melhor resultado para um mês na histórica do país.

"Nós tivemos o maior número de empregos formais no Brasil conquistados em um mês", disse o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) mostram ainda que nos seis primeiros meses do ano foram gerados 1,361 milhão de novos postos de trabalho, um aumento de 24,3% em relação ao primeiro semestre de 2007.

O número acumulado em 12 meses também foi recorde e chegou a 1,883 milhão de empregos.

Estes dados são importantes porque indicam crescimento da formalização do emprego a partir de patamares já elevados como foram os de 2007.

Uma coisa é subir 10 andares partindo do 4o. subsolo, outra é subir um andar a partir do 20o. andar e no caso concreto a formalização do emprego subiu mais um andar.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 18:58 17/07/2008, de Curitiba, PR


Trabalho de TIE-Brasil estimula a ação sindical, diz Hugo Chimenez
Em entrevista a este sítio o sindicalista Hugo Reginaldo Marques Chimenes, presidente do STIA-SB - Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação de São Borja, fala sobre a relação TIE-Brasil e o Movimento Sindical e suas expectativas sobre a Conferência TIE 30 anos

TIE - Na sua opinião, qual a contribuição que o TIE proporciona ao movimento sindical e a sua entidade?

Hugo - Acho super importante já que contribui para tirar o pessoal do marasmo e alerta o movimento sindical no sentido de não ficar encastelado e ir pra ação, bancando-se na prática. No caso específico da nossa entidade, o trabalho desenvolvido junto ao TIE-Brasil nos proporcionou melhorar nossa ação, o que se vê refletido no dia-a-dia.

TIE - Como você vê e avalia o trabalho desenvolvido por TIE-Brasil nos últimos anos?

Hugo - TIE-Brasil agiu certo nos últimos anos. Diante da demanda gerada por parte de algumas categorias, desenvolveu-se um intenso trabalho, através de cursos de formação contínua no início. Por primeira vez as atividades e os intercâmbios foram interiorizados, ou seja, os trabalhadores e as entidades de base passaram a ser os sujeitos do processo. Um dos aspectos mais importantes com certeza é o seu compromisso com a democracia, com a construção do poder operário e o protagonismo da base.

TIE - Qual a sua expectativa com relação a Conferência Internacional TIE 30 anos?

Hugo - Que seja um momento muito importante para aglutinar em torno de expectativas que apontem não só para a construção de redes como também, e principalmente, para se partir para a prática.
Enviada por Maurício Minolfi, às 17:19 17/07/2008, de Curitiba, PR


Petroleiros denunciam cárcere privado
Apesar das intimidações da Petrobrás, Greve na Bacia de Campos segue forte até sexta-feira.

Desde à zero hora de segunda-feira (14) os petroleiros de 33 plataformas e navios de perfuração da Bacia de Campos atenderam ao indicativo do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) e aderiram à greve de cinco dias por uma proposta de Dia de Desembarque que contemple as reivindicações da categoria. A Petrobrás ingressou na justiça com interdito proibitório e obteve liminar autorizando o embarque de equipes de contingências, colocando em risco a segurança operacional das unidades e expondo os trabalhadores a acidentes. O Sindipetro orientou os petroleiros a entregarem a planta parada às gerências e solicitarem o desembarque imediato. A greve, que inicialmente foi convocada e planejada para seguir até sexta-feira, 18, com o controle da produção nas mãos dos trabalhadores, será mantida, mas com corte de rendição e desembarque dos petroleiros das plataformas que aderiram ao movimento.

Na segunda não houve embarque dos trabalhadores que seguiriam para a P-19, P-26 e P-37. O Sindipetro-NF entrou com pedido de habeas corpus para os petroleiros que foram mantidos pela Petrobrás nas plataformas contra a sua vontade, o que configura cárcere privado. Os trabalhadores que desembarcaram participaram de assembléia na sede do sindicato, em Macaé, e rejeitaram a proposta apresentada pela Petrobrás no último dia 10, mantendo a greve até sexta-feira, 18, como já havia sido aprovado pela categoria.

O dia do desembarque é um pleito antigo dos trabalhadores da Bacia de Campos. A Petrobrás comprometeu-se a discutir a questão em 2005 no âmbito da Comissão de Regimes, mas não o fez. Em dezembro de 2007, durante o fechamento das negociações do ACT, a empresa assegurou que a solução seria encontrada em 60 dias e até agora não cumpriu seus compromissos. Os trabalhadores da Bacia de Campos realizam desde o dia 05 de maio mobilizações pela solução desta pendência, com paralisações de emissões de PTs e outras formas de luta. O Sindipetro-NF deu prazo até o dia 04 de julho para que a Petrobrás apresentasse nova proposta que atendesse as reivindicações da categoria. A empresa, no entanto, apresentou a proposta no dia 10, às vésperas da greve, e não contemplou os trabalhadores, retrocedendo em vários pontos que já haviam avançado na negociação.

Petrobrás faz de tudo para tentar intimidar os trabalhadores

Durante todo o domingo, 13, a Petrobrás tentou de tudo para tentar impedir a deflagração da greve na Bacia de Campos. Desde a intimidação, através de pedido de interdito proibitório junto ao Tribunal Regional do Trabalho, até mentiras deslavadas em uma videoconferência, onde a empresa chegou ao ponto de se dizer surpresa com o movimento. Ameaças e intimidações continuaram ao longo desta segunda-feira, 14, com os embarques das equipes de contingências, manutenção dos trabalhadores de algumas plataformas em cárcere privado e o corte do acesso dos petroleiros à internet, inviabilizando a comunicação com o sindicato, via e-mail, portal e webradio. Um total desrespeito à organização sindical e ao legítimo direito de greve.

Diga não ao trabalho inseguro. Exerça o Direito de Recusa

Desde 2001, os petroleiros conquistaram em acordo coletivo o Direito de Recusa. A cláusula 109 do acordo coletivo garante ao trabalhador suspender a realização de atividades que coloquem sua vida e a de seus companheiros em risco grave e iminente. Mais do que nunca, os petroleiros próprios e terceirizados das plataformas da Bacia de Campos devem exercer este direito, denunciando assédios, cooptações e intimidações das equipes de contingência que a Petrobrás embarcou para manter a qualquer custo a produção. Recuse-se a exercer qualquer tipo de trabalho inseguro.

Fonte:www.fup.org.br
Enviada por CUT-SP, às 01:54 16/07/2008, de São Paulo, SP


Conferência TIE 30 anos:
Mapeando as Novas Tecnologias
Clique aqui para ver o programa da Conferência
Temos o prazer de convidar a tod@s @s noss@s Amig@s e Companheir@s a participar da Conferência Internacional
"TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias"

Em 2008 TIE - Transnationals Information Exchange completa 30 anos de existência.

Fundado em 1978, na qualidade de rede de troca de informações e experiências entre Trabalhadores em empresas transnacionais, TIE se propõe a participar na tarefa coletiva de construção de conhecimento que parta dos próprios Trabalhadores, que seja guia e estímulo para a ação diante da poderosa ofensiva, promovida pelas empresas e governos, que ameaça acabar com os direitos e conquistas históricas dos Trabalhadores e busca impedir os avanços da Classe Trabalhadora.

TIE centra a sua atenção nas formas que a ofensiva patronal assume nos locais de trabalho: as novas estratégias empresariais de exploração e controle do trabalho, a flexibilização laboral, as novas tecnologias informatizadas, etc.

A Democracia, a Transparência, o Respeito e o Protagonismo do ativismo de base, são princípios que o TIE defende, por considerá-los essenciais no processo de mudanças estruturais tão almejados pelo conjunto da sociedade.

Objetivos da Conferência

Durante todo o ano de 2008 TIE promove uma série de atividades nos países onde atua com objetivo de comemorar esta longa jornada de lutas e ativismo comprometido, debater o futuro do Trabalho, criar espaços democráticos para o debate de novos temas e pensar como transformar tudo isso em ações concretas nos locais de Trabalho.

No Brasil, especificamente, realizaremos entre os dias 31 de julho e 01 e 02 de agosto a Conferencia Internacional “TIE 30 anos: Mapeamento Comparativo e as Novas Tecnologias”, onde enfocaremos as formas de Produção Coletiva de Conhecimento, suas aplicações e implicações para a organização dos Trabalhadores e do Trabalho.

Clique aqui para ver os temas que serão abordados e porque serão debatidos.

Ao clicar na imagem acima você também terá acesso ao programa de atividades.

Quando: 31 de julho a 02 de agosto de 2008

Onde: Pampas Palace Hotel, Av. Barão de Mauá, 71, São Bernardo do Campo, SP
Enviada por TIE-Brasil, às 00:54 16/07/2008, de Curitiba, PR


Trabalhadores na Aurora fazem greve e conquistam acordo!
Clique aqui para ampliar o boletim
Oi companheir@s!

Depois de várias rodadas de negociação conseguimos uma grande vitória.

Os Trabalhadores na Industria de Alimentação de Erechim e Sarandi mostraram que unidos sã muito mais fortes.

O acordo foi fruto da paralização e organização do próprios Trabalhadores.

Clique na imagem ao lado para ver o boletim com as principais conquistas dos Trabalhadores na Aurora.

Quem luta conquista, pois quem sabe faz a hora!
Enviada por Silvio Ambrósio, às 23:50 15/07/2008, de Erechimm, RS


Novos documentos em TIE-Brasil
Os problemas técnicos em nossa página já foram solucionados e vocês poderão acessar os documentos recém publicados clicando em
www.tie-brasil.org/documentos.php

Ou ainda, se preferirem, poderão clicar nos links abaixo:

Convenção 87 da OIT

Relatório Global sobre Liberdade Sindical 2008

Deixamos aqui nossas desculpas, certos de poder contar com vossa compreensão.

Equipe de TIE-Brasil
Enviada por TIE-Brasil, às 12:34 15/07/2008, de Curitiba, PR


Metalúrgicos da Volkswagen rejeitam banco de horas no ABC
A partir de 14/07/08 os trabalhadores da planta da Anchieta da Volkswagen trabalham 40 horas semanais. Na sexta-feira, em assembléia, os metalúrgicos rejeitaram uma nova proposta de banco de horas apresentado pela empresa, que elevava a jornada semanal da classe para 42 horas.

A previsão é que a empresa deixe de produzir 1.100 carros por mês com o fim das oito horas mensais que os trabalhadores realizavam para o banco (sendo que apenas quatro eram pagas como extra fixo). Em valores, a queda de faturamento estimada é de R$ 38 milhões.

O fim do acordo para a flexibilização da jornada - de 34 a 42 horas por semana, que existia desde 1997 - fará a montadora quitar as horas excedentes feitas nas duas últimas semanas enquanto não havia uma proposta para o sistema de compensação. A previsão de desembolso para a Volks só para esses dias é de R$ 1,134 milhão, além do que os trabalhadores tinham acumulado no banco.

"Acredito que o principal motivo para a rejeição são as 42 horas diárias. No nosso ritmo, todo dia é muito pesado, ainda mais para quem faz o turno da noite. E com isso, a meta de PLR (Participação nos Lucros e Resulatdos) também foi rejeitada", conta Francisco Duarte de Lima, o Alemão, integrante do comitê sindical.

Segundo o dirigente, as duas questões foram votadas juntas porque as metas colocadas pela empresa só seriam cumpridas com as 42 horas de jornada. Com o fim da flexibilização, não há como produzir o que a empresa colocou para calcular o abono.

O integrante da comissão de fábrica Ailton Gomes também atribui a rejeição de todas as propostas à meta apresentada pela montadora, que foi de 140 mil unidades acima de 2006, quando a empresa pagou o mesmo valor de PLR oferecido neste ano.

Na assembléia, os dirigentes sindicais da fábrica também fizeram questão de deixar claro que a empresa não tem nenhum plano de demissões nos próximos meses e que o acordo feito em 2006, quando foi iniciada a reestruturação da empresa e demitidos 1.300 trabalhadores, se encerra em dezembro deste ano.

"Os trabalhadores temporários também já tiveram os contratos renovados por mais um ano. Acredito que com a demanda do mercado não deve haver qualquer movimento para demissão até 2010. Mas se houver qualquer questão relacionada a corte, quero deixar claro que iremos para a briga", comenta Alemão.

A empresa também não prevê desaquecimento de mercado, pois segundo os dirigentes há negociações para as propostas de sábados extras - 26 ao todo, pagando adicional de 75% - e quatro feriados - com 130% de adicional.

Fonte: Diário do Grande ABC
Enviada por CNM-CUT, às 09:05 15/07/2008, de São Paulo, SP


Infraero apresenta contra proposta ao SINA
Clique aqui para ampliar
A Infraero, empresa estatal que administra os aeroportos brasileiros, apresentou no último sábado, 12/07/08, uma contraproposta ao Sindicato Nacional dos Aeroportuários, o SINA.

Parece que a instransigência inicial da direção da empresa foi superada, graças a ação sindical e coletiva dos Aeroportuários e a ajuda do Ministério Público do Trabalho.

Clique na Imagem ao lado para ver o conteúdo do boletim "Boca na Turbina" do SINA.
Enviada por SINA, às 10:04 14/07/2008, de São Paulo, SP


O papel das centrais sindicais pós-reconhecimento
Por Antônio Augusto de Queiroz

Passado um mês da publicação da Lei 11.658/08, o movimento sindical ainda não se deu conta do papel estratégico que passam a jogar as centrais sindicais brasileiras na formulação das políticas públicas no âmbito das relações de trabalho, tanto do setor público, quanto da iniciativa privada. Sua importância e influência, por força das novas atribuições legais, transcendem ao governo Lula.

Desde o governo Sarney, amparadas no artigo 10 da Constituição, as centrais sindicais ocupavam importantes espaços de diálogo social, mas isso decorria mais da vontade políticas dos governantes do que propriamente de obrigação de ordem legal.

Com a publicação da Lei 11.658, as centrais sindicais – que já gozavam de legitimidade e representatividade – ganharam poder político expresso na prerrogativa de coordenar a representação geral dos trabalhadores por intermédio de suas filiadas, além de participar de negociações em fóruns, colegiados de órgãos públicos e de demais instâncias tripartites, nas quais estejam em discussão assuntos de interesse geral dos trabalhadores.

Aparentemente, trata-se de simples coordenação, por intermédio de entidades filiadas, mas a leitura correta é outra. Caberá às centrais sindicais indicar, entre os seus filiados, aqueles que terão a responsabilidade de discutir, formular e negociar nas instâncias com poder de decisão em matéria trabalhista, previdenciária e sindicais, inclusive no que diz respeito aos servidores públicos.

Isto significa que se filiar a uma central sindical passou a ser uma condição quase que indispensável para ter voz e voto nas instâncias de formulação de políticas públicas que realmente importam, independentemente do governante do dia.

É verdade que para os temas corporativos, que envolvam a relação bilateral – entre entidade sindical e empresa ou entre entidades sindicais representativas das categorias econômicas e profissionais – a prerrogativa continua sendo dos sindicatos, das federações e das confederações específicas.

Mas a grande política e os temas gerais – salário mínimo, previdência, legislação trabalhista e sindical, imposto de renda, política de saúde, educação, segurança etc – estão reservados às centrais, que, aliás têm dado exemplo de maturidade e unidade política.

Com este texto não se pretende recomendar esta ou aquela central, mas apenas chamar a atenção para um dado da realidade. As centrais sindicais serão protagonistas na formulação de políticas públicas no mundo do trabalho, tanto pela legitimidade e representatividade, quanto por imperativo legal.

Antônio Augusto de Queiroz é jornalista, analista político e Diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)
Enviada por Sergio Vidal, às 22:54 12/07/2008, de Camaçari, BA


Trabalhadores da Delfi Cacau fecham acordo coletivo 2008/2009
Em assembléia realizada pelo Sindicacau no dia 11 de julho os trabalhadores na Transnacional Chinesa Delfi Cacau Brasil (antiga fábrica de transformação do cacau da Nestlé) concordaram com a proposta de:
- Reajuste Salarial de 7,5%
- PLR de R$ 2200,00
- Ticket (cesta básica) no valor de R$ 350,00.

Nota desta redação:
Sem dúvida nenhuma os resultados apresentados acima são um avanço, pois no início da campanha salarial a direção da empresa asiática além de não querer negociar, chamou a polícia militar para reprimir os trabalhadores, pensando que @s companheir@s baian@s aceitariam qualquer coisa assim como acontece em seu país de origem.

Parabéns, companheirada!
Enviada por Jorge Reis, às 22:36 12/07/2008, de Ilhéus, BA


Toyota: um novo desafio para os metalúrgicos de Sorocaba
Depois de muito vai-e-vem, visitando cidades em dez Estados e promovendo uma espécie de leilão, a diretoria da transnacional japonesa Toyota acabou escolhendo Sorocaba, no interior de São Paulo, para abrigar sua nova fábrica de carros no País.

O anúncio oficial deve ser feito na próxima terça-feira (dia 15) ao governador José Serra. Poderão criados 2,5 mil empregos e o início das operações está previsto para 2010.

Executivos da empresa já disseram que ali será fabricado um modelo de pequeno porte, porém não popular. As apostas são de um compacto premium, na faixa de R$ 35 mil. Há quem fale em preços mais baixos, já que a intenção é produzir cerca de 200 mil unidades ao ano, como o Gol e o Palio.

Especulações do mercado indicam que o investimento deve ficar entre US$ 750 milhões e US$ 1 bilhão, incluindo a fábrica de motores. A Toyota tem uma unidade em Indaiatuba (SP) inaugurada há dez anos, que atualmente produz o sedã Corolla e a perua Fielder. Em São Bernardo do Campo (SP), mantém uma linha de componentes, antes responsável pela produção do jipe Bandeirante. Foi a primeira fábrica da Toyota fora do Japão, instalada há 50 anos.

Confirmada a instalação da nova planta, o Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba passará a enfrentar um novo desafio - o de sindicalizar e representar os Trabalhadores na Toyota, empresa que não se esforça para manter boas relações como o Movimento Sindical e busca instalar suas fábricas em novas cidades para impedir ou retardar ao máximo a livre e autonoma organização dos Trabalhadores.
Enviada por Almir Américo, às 15:32 12/07/2008, de São paulo, SP


Trabalhadores da Cargill Cacau fecham acordo coletivo 2008/2009
Após varias rodadas de negociações iniciada no dia 21 de maio, os trabalhadores da Cargill aceitaram a proposta de:
- Reajuste Salarial de 7,5%
- PLR de 1,5 salário base e
- Ticket (cesta básica) no valor de R$ 340,00.

Aprovação do acordo aconteceu em assembléia realizada pelo Sindicacau nos dias 03 e 04 de julho.
Enviada por Jorge Reis, às 15:12 12/07/2008, de Ilhéus, BA


Rede de dados do setor público exige proteção
Clique aqui para ampliar o panfleto
Plano B, segurança de rede,dupla abordagem,redundância de meios e equipamentos,sistemas em anel com proteção com chave óptica para comutação...etc...

Tudo isso que o Sistema Telebrás tinha como norma e obrigatoriedade em seus documentos como Prestadora de Serviços Públicos de Telecomunicações. Após a privatização, virou DESPESA para as empresas que foram privatizadas pelo governo anterior.

Nenhuma delas investe em segurança para o usuário.Até para as grandes corporações e clientes, Governo e Segurança Pública, passando pela Bolsa de Valores, se atendidos somente pela concessão privatizada estão em risco.

Não há fiscalização por parte do órgão regulador - ANATEL. É preciso dotá-la de força política para a fiscalização, penas cabíveis que são contempladas no PGO, chegando até mesmo a retirada da concessão.

Tecnicamente,é perfeitamente possível que se evite o Caladão da Telefônica e de qualquer outra operadora. Basta investimento em redes. E este investimento deve ser encarado pelos gestores como obrigatoriedade e necessidade para a manutenção do cumprimento dos S.L.A's.(Service Level Agremment_Acordo de Garantia de Serviços)... não um capricho da engenharia ou do "imponderável" tecnológico.

Na engenharia não existe nada impossível. Existe o investimento para a garantia da boa engenharia e existe o não investimento para tornar a concessão pública um negócio de acionistas onde o lucro($$$$$) é o que interessa...e não o usuário,o cidadão.

Ajamos com o rigor da lei.

Cabe ação jurídica.
Enviada por Juan Sanches, às 00:17 08/07/2008, de Porto Alegre, RS


Família brasileira está menor e mais saudável
Crianças mais longe da desnutrição, mães mais próximas dos serviços básicos de saúde. O que há algumas décadas podia parecer fantasia é um retrato do Brasil atual. Um país onde as mulheres têm menos filhos, usam mais anticoncepcionais e fazem mais exames pré-natal. O mesmo onde há mais mulheres acima do peso, a vida sexual começa mais cedo e há mais adolescentes grávidas.

Enquanto se afasta de antigas mazelas, o Brasil vê despontar novos problemas de saúde pública. Os avanços e retrocessos estão na Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da mulher e da Criança (PNDS) de 2006, divulgada na quinta-feira 3. Com informações sobre a vida de 15 mil mulheres em idade fértil e 5 mil crianças de até 5 anos, o levantamento é um amplo diagnóstico da saúde materno-infantil brasileira. A edição anterior ocorreu em 1996. De lá para cá, o Brasil mudou muito.

O avanço das políticas de proteção social está ligado a conquistas como a redução de 50% da desnutrição e a queda de 44% na taxa de mortalidade infantil (de 39 para 22 por mil nascidos vivos). Esta, embora confirme uma tendência, é louvável e deve-se a melhorias no saneamento básico, na imunização contra o sarampo, no uso do soro caseiro (em caso de diarréia) e a menos mortes por infecções e doenças parasitárias.

Leia ao artigo todo em CARTACAPITAL, clicando aqui

Boa leitura!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 00:50 05/07/2008, de Curitiba, PR


Professores de SP suspendem greve
Os professores da rede estadual de São Paulo decidiram suspender a greve até a próxima semana. Cerca de 3.000 profissionais, segundo a Polícia Militar, se reuniram em assembléia na tarde desta sexta-feira (4) em frente à Secretaria da Educação, na Praça da República, para decidir o rumo da paralisação. A categoria estava parada há 19 dias.

A Secretaria se comprometeu a apresentar até terça-feira (8) um posicionamento sobre o acordo assinado nesta tarde em reunião conciliatória no TRT (Tribunal Regional do Trabalho). O documento garante a devolução do salário dos professores, cortado durante a greve, e a reposição das aulas perdidas.

"Se até terça o governo não se manifestar, a greve pode ser retomada a qualquer momento", garante a presidente do sindicato, Maria Izabel Azevedo Noronha.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 23:40 04/07/2008, de Curitiba, PR


Dia do Operador de Telemarketing: um rápido mapeamento
Em todo o Brasil são mais de 284 mil pessoas trabalhando na área conforme dados da Rais, do Ministério do Trabalho e Emprego. A maioria na faixa etária de 16 e 24 anos (77.602)

"Estamos providenciando sua solicitação. Enquanto aguarda, tecle 4 para participar das comemorações do nosso Dia"

Sabe aqueles profissionais que ligam para te informar sobre um determinado serviço ou promoção de uma empresa, ou ainda aqueles que te atendem quando você deseja realizar uma compra ou resolver algum problema? Pois então, hoje se comemora o Dia do Operador de Telemarketing.

Em todo o Brasil são mais de 284 mil pessoas trabalhando na área conforme dados, referentes ao ano de 2006, divulgados pela Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego. Dentre os setores de ocupação, destaca-se o de Operador de Telemarketing Ativo e Receptivo que possui maior número de trabalhadores distribuídos entre as faixas etárias de 16 a 64 anos. Basta observar que o grupo de jovens entre 16 e 24 anos responde por 77.602 deste total, e é seguido pelas faixas de 25 a 29 anos (29.178 postos), 30 a 39 (20.038 vagas), 40 a 49 (6.690 empregos) e 50 a 64 (com 1.197 trabalhadores). Vale ressaltar que a ocupação que mais abrigou trabalhadores com 65 ou mais é a de Supervisor de Telemarketing e Atendimento que registrou 29 profissionais.

Segundo o dicionário Aurélio, telemarketing é uma "forma de marketing direto que utiliza o telefone como recurso sistemático e interativo de comunicação, para as atividades de atendimento, promoção, pós-venda, obtenção de informações sobre o mercado etc.". Vale lembrar que esse tipo de serviço está em plena expansão e já é visível o grande recebimento deste tipo de atendimento por parte das grandes empresas.

No Brasil, o estado de São Paulo é de longe o que mais contrata profissionais para atuar nesta área. Ao todo, foram 148.910 durante todo o ano de 2006, conforme dados da Rais. Número expressivo visto que o Rio de Janeiro (segundo maior contratante) registrou 30.382 trabalhadores, seguido por Minas Gerais (25.566) e Paraná (15.324). No Nordeste o destaque ficou por conta da Bahia, que com 11.339 operadores de telemarketing em atividade, aparece como quinto maior gerador do país.

Em contrapartida a Região Norte foi a que teve menor número de empregados no setor, tendo Roraima registrado apenas oito trabalhadores de telemarketing (menor número da federação). Os estados do Acre e do Amapá também aparecem em faixa crescente, com 20 e 39 profissionais respectivamente.

O MTE cuida do trabalhador - Com o objetivo de coibir diversos fatores de risco presentes na atividade de teleatendimento/telemarketing a Comissão Tripartite - composta por representantes do Ministério do Trabalho e Emprego, dos trabalhadores e das empresas - aprovou no ano passado o anexo II da Norma Regulamentadora 17. Com ele definem-se aspectos da ergonomia, que permitem maior adaptação às características do trabalhador, bem como às condições de trabalho inerentes a área.

Dentre os temas abordados pelo anexo encontra-se o repouso semanal e a vedação de trabalho aos domingos por empresas não autorizadas previamente pelo MTE.

Outro avanço encontra-se na gratuidade dos equipamentos utilizados pelos empregados, os quais devem receber conjuntos de microfone e fone de ouvido (head-sets) individuais, que permitam ao operador a alternância do uso das orelhas ao longo do dia. Importante ressaltar que o anexo II da NR-17 é resultado de pesquisas, dos relatórios técnicos das inspeções do Ministério do Trabalho e Emprego e das inúmeras queixas de adoecimento dos operadores de telemarketing.

Aos que desejarem mais informações, a íntegra do anexo encontra-se disponível no endereço eletrônico do MTE.

Bom saber - Com a Lei 5140 do ano passado, o estado do Rio de Janeiro instituiu em seu calendário oficial a data de hoje como Dia do Operador de Telemarketing e do Teleatendente. Em âmbito federal, atualmente, não há projetos de leis neste sentido.
Enviada por Juan Sanchez, às 23:35 04/07/2008, de Porto Alegre, RS


Telefonica deixa "meio mundo" sem internet em Sampa
Problemas no serviço de transmissão de dados da transnacional espanhola telefônica criam caos na Internet em São Paulo e "meio mundo" fica sem acesso a serviços básicos no estado onde tudo é privatizado

Órgãos do governo e usuários domésticos do Estado de São Paulo estão com dificuldades para acessar a Internet por conta de uma severa falha técnica nos serviços de transmissão de dados da operadora Telefônica.

Em alguns casos a conexão está lenta e em outros não é possível completar a conexão. O problema foi detectado desde a tarde de quarta-feira (2) e se intensificou no início da madrugada de hoje.

É de se esperar um caos na metrópole paulistana, pois órgãos como as Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Detran e Poupatempo estão sem sistema.

Boletins de ocorrência não estão sendo feitos. Para caso de flagrante, testemunhas e detidos têm de aguardar até o sistema voltar. Não é difícil imaginar que os dados oficiais sobre a criminalidade cairão, pois muita gente ou não conseguirá registrar os B.O.s ou desistirá de fazê-los, mesmo quando flagrante. Enquanto até a vítima acaba em cana, a bandidagem pode fazer a festa.

Culpa disso é da política irresponsável dos tucanos que privatizaram tudo sem manter os serviços públicos protegidos por uma rede estatal de comunicação, tornando toda a população paulista e parte da brasileira reféns da incompetencia e da ganância de empresas estrangeiras.

E ainda tem jornalista idiota que fica lambendo a bota dos coronéis tucanos e elogiando sua capacidade administrativa. Palhaçada, pois onde tucano mete a mão a coisa desanda!!!

O que diz a Anatel???

A Anatel (Agencia Nacional de Telecomunicações) informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda está apurando os motivos da pane nos serviços de transmissão de dados da Telefônica. Por enquanto, não há estimativa do total de usuários afetados, nem dos serviços que estão indisponíveis.

A Anatel também não informou quais tipos de punições a Telefônica pode sofrer pelo transtorno gerado aos usuários, que contabilizam um quarto de todos os internautas que utilizam banda larga no Brasil.

A Anatel tem que agir com rigor, punir a empresa responsável pelo caos e parar de defender as transnacionais e o capital estrangeiro. Ou então muda de nome e passa a se chamar Atratel - Agência das Transnacionais de Telecomunicações.

Aliás esta história de agências reguladoras é outra invenção tucana que infelizmente o governo petista não teve peito nem coragem para detonar.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 18:50 03/07/2008, de Curitiba, PR


Greve e abuso patronal na Teksid
Em assembléia no período desta terça-feira (01/07), o metalúrgicos da Teksid do Brasil e da Nemak, em Betim, decidiram manter a greve iniciada à meia noite de ontem. Por pouco, entretanto, a assembléia não pôde ser realizada, em razão de um confronto entre chefias e trabalhadores, controlado pela Polícia Militar.

O tumulto teve início depois que as empresas orientaram suas chefias a se juntarem aos grevistas, para convencê-los a interromper a paralisação, o que acirrou os ânimos na portaria das fábricas. O principal motivo da paralisação são as propostas de Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) relativa a 2008 feitas pelas empresas.

Entenda o caso

Os metalúrgicos na Teksid do Brasil e Nemak, em Betim, estão em greve desde segunda-feira (30). A decisão de paralisar a produção nestas duas empresas foi tomada em assembléia conjunta, realizada nas portarias das fábricas, pouco antes do início do turno de zero hora do dia 30 de junho .

O principal motivo da paralisação são as propostas de Participação nos Lucros ou Resultados (PLR) relativa a 2008 feitas pelos patrões.

Até o momento, a Teksid do Brasil oferece R$ 2.400,00 - caso a meta de produção fosse alcançada, o valor seria acrescido de R$ 100,00. Já a proposta da Nemak é de R$ 2.000,00. Os trabalhadores, por sua vez, reivindicam R$ 3.000,00 em ambas as empresas. Além disso, os metalúrgicos na Teksid do Brasil querem uma solução para outros problemas como a obrigação de comparecer ao trabalho aos sábados para compensar folgas concedidas durante a semana e as diferenças salariais entre contratados que cumprem funções idênticas.

A Teksid do Brasil - que pertence ao Grupo Fiat - é fornecedora de blocos de motores da montadora instalada em Betim e emprega 3.800 trabalhadores. A Nemak, que fabrica peças fundidas de alumínio para a Fiat e outras montadoras, possui 1.400 funcionários.

É provável , portanto, que a greve venha a afetar a produção da montadora italiana, líder de vendas no segmento de comerciais leves em 2008, mas, até o momento, as empresas não mostraram disposição de negociar com o Sindicato dos Metalúrgicos de Betim.

Desrespeito à Lei

Na tentativa de dar fim à greve, a Nemak passou a veicular mensagem em duas das maiores rádios da Região Metropolitana de Belo Horizonte a partir desta terça-feira para anunciar que está contratando e orientar os interessados a comparecerem à empresa de posse de currículo e documentação pessoal.

O procedimento é vedado pelo artigo 7º da Lei 7.783/1989, que só admite a contratação de trabalhadores para substituir grevistas em atividades consideradas essenciais à população, quando a paralisação resultar em prejuízo ao patrimônio em virtude da deterioração irreversível de bens, máquinas e equipamentos ou se o funcionamento for essencial à retomada das atividades após o fim da greve.

A mesma iniciativa foi tomada pela Teksid do Brasil, que, também a partir desta terça-feira, passou a veicular nas mesmas emissoras de rádio anúncio semelhante ao da Nemak. "Ainda hoje, vamos formalizar uma denúncia junto ao Ministério do Trabalho e Emprego para que esta chantagem seja apurada e punida com o rigor necessário", afirma Marcelino da Rocha, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim.

Paralelamente, as empresas têm se apoiado em um forte aparato repressivo para intimidar os grevistas. Desde a manhã de ontem, homens da Tropa de Choque da Polícia Militar estão de prontidão nas imediações das fábricas e policiais à paisana circulam no local. Além disso, chefias têm sido orientadas a contatar trabalhadores por telefone com a tarefa de convencê-los a interromper a paralisação.

Apesar disso, em nova assembléia que será realizada com os metalúrgicos do terceiro turno de ambas as empresas, a greve deve ser mantida.
Enviada por Ubirajara Freitas, às 19:18 02/07/2008, de Belo Horizonte, RJ


Lula quer evitar que países ricos coloquem a culpa da inflação nos países pobres
Lula pediu aos governos sul-americanos, na reunião de cúpula do Mercosul, uma estratégia comum para evitar que os países emergentes sejam apontados pelos governos dos países ricos como os culpados pela crise de alimentos e pela alta de preços internacional de produtos agrícolas e combustíveis.

"Se não começarmos a discutir essas coisas enquanto temos tempo, eles vão jogar outra vez - por todos os discursos que estamos vendo - a crise da inflação e a crise dos alimentos nas custas dos países pobres", discursou Lula.

"Logo, logo, haverá muitos países recebendo missão do FMI dizendo que têm que fazer um ajuste fiscal pesado, que precisam fazer contenção de despesas, e nós já conhecemos o final dessa história."

"Quando os bancos europeus perdem 400 bilhões de euros na especulação e não dizem nada e toda vez que a gente pergunta pra um ministro e nos respondem que o caso não está apurado é sinal de que algo estranho se passa" "Se fosse um país da América do Sul, já teria um monte de organismos com estudos prontos e dando opinião"
, disse o presidente brasileiro.

Cristina Kirchner, a presidente argentina, comentou que "A economia de cassino, especulativa, que estava circunscrita ao mercado financeiro e de crédito se transferiu ao mercado dos alimentos"

"O mercado futuro de petróleo tem o mesmo estoque de barris que consome a China. Não temos apenas uma China, temos duas: uma que utiliza o petróleo e outra que especula com a mesma quantidade da China"
, concordou Lula.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:49 02/07/2008, de Curitibas, PR


Etanol pode ser vítima de lei européia
A UE prepara uma regulamentação dos bio-combustíveis que definirá a origem do produto para efeitos da meta de substituição de 10% dos combustíveis fósseis.

Uma das exigências para esta "classificação de origem" é que o bio-combustível "não poderá ser feito com matéria-prima obtida em terras com reconhecido valor de alta diversidade", que convenhamos é uma definição bastante ampla e pouco precisa. Outra exigência veta o uso de terras com alto estoque de carbono como pastagens de alta biodiversidade!!!

Sem dúvida é importante a preocupação européia com o clima e a biodiversidade mundial. A coisa fica mais interessante se levarmos em consideração que, pelo menos, desde o século 14 a Europa exporta pobres, famintos, ladrões, mercenários, capitalistas, etc, para o mundo todo. Estes levaram consigo a mesma consciência "civilizatória" e "ecológica" da elite européia que levou à destruição de 90% das matas e florestas daquele continente.

Eles exportaram o modelo e agora querem impor leis de abrangência extra-territorial, ou seja, que vai além das fronteiras da UE, para controlar os países que eles mesmos ocuparam, controloram e detonaram, enquanto mantém seu status-quo e seu modo de vida consumista e elitista.

Será que eles aceitariam uma lei do Mercosul ou da Comunidade Sulamericana de Nações que determinasse que os cidadãos destas comunidades não podem ser expulsos da Europa ou de qualquer outro continente, simplesmente pelo fato de não ter determinados documentos???

Ou será que achariam isso um absurdo e um desrespeito a soberania deles???

Ecologicamente pode parecer lindo o discurso da direita européia!

Porém, contudo, todavia, ele não estaria aí exatamente para encobrir a ânsia incontrolável da direita em manter seu status-quo e a sua dominação sobre o resto do mundo?

Não estaria a serviço, neste momento, de interesses neo-colonialistas para disfarçar a derrota européia e a falta de alternativas viáveis diante da grave crise energética, econômica e social que vem aí???

São perguntas que não querem calar e as colocamos aqui com o objetivo de chamar a atenção de que mais uma vez um discurso de esquerda está sendo expropriado e usado segundo os interesses do capital, dos países industrializados e de sua burguesia míope e destruídora de todos os recursos humanos e naturais...

Agora, cabe a sociedade brasileira e latino-americana criar condições humanas e ecológicas de produção e de relações de trabalho que detonem com as ambições européias de manter o controle sobre o mundo, demonstrem quão equivocada está a burguesia do norte do planeta e que é possível desenvolvimento econômico e social com justiça, igualdade, liberdade, democracia, preservando os recursos naturais.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:39 02/07/2008, de Curitiba, PR


Mídia: a patética torcida pelo aumento da inflação
Por Ricardo Kotscho

Venho notando nos últimos dias um crescente frisson dos mancheteiros e nobres colunistas da nossa grande mídia com a volta do fantasma da inflação.

Desde abril, quando surgiram os primeiros sintomas de alta, a cada novo índice prevê-se o fim do mundo para amanhã mesmo, na próxima esquina.

É até engraçada esta torcida agora indisfarçada para que o pior aconteça e o governo se exploda, quando comparamos o noticiário nativo com o que se escreve lá fora sobre o Brasil. Regra geral, os mais respeitados e influentes meios de comunicação do mundo constatam que o nosso País é um dos que melhor tem enfrentado esta crise globalizada.

Quando fico muito desanimado, depois de ver os telejornais da noite e dar uma olhada nos principais jornais no café da manhã, termino sempre minha rotina informativa lendo a coluna "Toda Mídia", publicada pelo Nelson de Sá, na "Folha".

O contraste é brutal com o que se lê no noticiário das outras páginas do matutino paulista. Nesta terça-feira, por exemplo, Sá abre a sua coluna com o que escrevem sobre nós os dois principais jornais dos Estados Unidos:
"Roger Cohen, colunista do "New York Times" mais entusiasmado com os emergentes, Brasil em especial, voltou a escrever sobre "o mundo de ponta-cabeça". Diz que "uma forma de ver a crise [de EUA e Europa] é como um ajuste entre as velhas estruturas de poder econômico e as emergentes". Nos Brics, "os novos consumidores ainda vivem melhor", as reservas estão altas e "a confiança persiste". O "Washington Post", em análise, também se estende sobre como "lucrar com o Quarteto Fantástico", como chama. Diz que "o crescimento nos próximos dez anos estará nos Brics"". Brics, como sabemos, é a sigla dos emergentes Brasil, Rússia, Índia e China.

Na mesma segunda-feira, dia 30, em que foram divulgados os novos índices da pesquisa Ibope/CNI, mostrando que a popularidade do governo Lula se mantém inalterada num patamar recorde, com 58% de aprovação, agências e jornais fizeram um contorcionismo danado para destacar aspectos negativos do levantamento, omitindo o principal.

Quer dizer, ao contrário de todas as previsões dos "especialistas", apesar da inflação ascendente, a popularidade de Lula e do seu governo não se alterou. Alguns chegaram a acrescentar "ainda"...

Ignorada na capa do jornal, a informação só vai aparecer no final do segundo parágrafo de matéria publicada na página A9. Sob a manchete "Inflação derrota todas as aplicações em junho", o carioca "O Globo" limita-se a registrar, no final da chamada, após listar todos os indicadores negativos da economia, que "o governo mantém 58% de aprovação".

Os dois jornais e mais o "Estadão" destacam que todas as aplicações financeiras perderam para a inflação de 6,82% registrada no primeiro semestre pelo Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M).

Até aí, tudo bem, ou melhor, tudo mal. Mas o que mais me chamou a atenção é como os índices de rentabilidade das aplicações financeiras variam de jornal para jornal, quase nenhum batendo com o publicado pelos concorrentes _ o que mais uma vez me provou que jornalismo e economia não são exatamente ciências exatas.

A febre inflacionária fez ressuscitar no noticiário até César Maia e Roberto Freire, o presidente vitalício do PPS (por onde andará, o que faz atualmente?).

Ao final de suas apocalíticas previsões, o polêmico blogueiro, que nas horas vagas é prefeito do Rio, anuncia: "O relógio está marcando tic, tac, tic, tac, tic, tac... Não se sabe se são as horas do tempo, ou da bomba". A bomba, claro, é o estouro da inflação. Escondida no noticiário de hoje dos grandes portais da internet, a informação que não interessa a ninguém, porque derruba todas as teses. Na "FolhaOnline", fica-se sabendo que "Inflação semanal desacelera para 0,77% com preços de alimentos, diz FGV (...) Foi a terceira desaceleração consecutiva do índice".

Esta certamente não será manchete de nenhum jornal de amanhã porque haverá alguma notícia negativa para destacar (fora da coluna "Toda Mídia", claro).

Também acho difícil que ganhe destaque a informação de Lauro Jardim no online da "Veja", dando conta de que foram vendidos 256 mil novos carros em junho, um carro a cada 10 segundos. Claro, com isso, o trânsito vai ficando cada vez pior _ e é o que vai ganhar mais espaço.

No primeiro semestre deste ano, diz a nota de Jardim, foram vendidos 1,4 milhão de carros novos, um crescimento de 30% em relação ao mesmo período de 2007. Para um País que está novamente ameaçado por uma "crise do fim do mundo" - desta vez, a inflação - até que não estamos tão mal
Enviada por João Cayres, às 10:00 02/07/2008, de São Paulo, SP


Mercosul condena xenofobia européia e subsídios agrícolas
Os presidentes do Mercosul, reunidos hoje, terça-feira, em Tucuman, norte da Argentina, manifestaram-se contra a política de imigração europeia, demonstrando também preocupação com a crise mundial de alimentos e a concessão de subsídios agrícolas.

Os presidentes Cristina Kirchner (Argentina), Luiz Inácio Lula da Silva (Brasil), Nicanor Duarte (Paraguai), Evo Morales (Bolívia), Hugo Chavez (Venezuela), Michelle Bachelet (Chile) e Tabaré Vazquez (Uruguai), e os ministros representantes de Equador, Colômbia e Peru condenaram com firmeza a nova política de imigração da União Europeia (UE), a "Normativa de Repatriação", recebida pelo continente sul-americano como uma manifestação xenófoba.

"Vamos aumentar o tom em uníssono contra a lei da UE favorável à detenção e à expulsão dos estrangeiros em situação irregular em território europeu", disse Michelle Bachelet.

Pouco antes, Lula demonstrou preocupação com "o vento frio da xenofobia que sopra mais uma vez falsas respostas aos desafios da economia e da sociedade", em discurso.

"É injusto", afirmou por sua vez Hugo Chavez, para quem a directriz europeia é a "lei da vergonha".

Evo Morales anunciou que não descarta a adopção de medidas de represália contra este texto europeu aprovado em 17 de Junho pela UE e que ele chamou de "Normativa da Vergonha", evocando por exemplo a interrupção das negociações comerciais em andamento entre a Comunidade Andina de Nações e a UE.

Neste sentido, nesta terça-feira, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (HCR) fez um apelo à presidência francesa da UE contra um endurecimento da política migratória.

A Cúpula do Mercosul examinou a crise mundial de alimentos, no momento em que a ONU lançou alerta sobre o risco de 800 a 860 milhões de seres humanos passarem fome. Na América Latina, cerca de 200 milhões de pessoas, ou seja 40 porcento da população, vivem na pobreza.

A presidente da argentina chamou atenção também para os preços do petróleo, que estão perto dos 140 dólares o barril, e os da soja, a quase 600 dólares a tonelada.

A reunião do Mercosul fez um apelo ao mundo industrializado para que reduza significativamente seus subsídios à agricultura e elimine gradualmente os subsídios à exportação.

Os subsídios são prejudiciais à produção agrícola de inúmeros países em desenvolvimento e à sua segurança alimentar, haviam afirmado os ministros da Economia do Mercosul, segunda-feira, em uma declaração sobre a reunião de Doha da OMC.

Fonte: Agência Angola Press, Luanda
Enviada por Almir Américo, às 22:37 01/07/2008, de São Paulo, SP


CTA rechaça a discriminatória lei européia de imigração
La CTA rechazó la "Directiva de Retorno" aprobada por la Unión Europea

[1/07/2008 - ACTA] La Central de Trabajadores de la Argentina envió una misiva a las máximas autoridades de la Unión Europea para repudiar la sanción de esta norma que viola elementales principios de derechos humanos fundamentales, avanza en la “caza de inmigrantes” y criminaliza a los trabajadores. La central obrera elevó esta propuesta a sus pares de la Coordinadora de Centrales Sindicales del Cono Sur en la cumbre de Tucumán.

La polémica ley denominada “Directiva del Retorno”, que recibió el visto bueno de los Gobiernos de los 27 países de la Unión Europea (UE) y fue aprobada por el Europarlamento el 18 de junio pasado prevé la expulsión de inmigrantes, establece un periodo de detención de hasta 18 meses y una prohibición por cinco años para volver.

La CTA, a través de una carta firmada por el secretario general Hugo Yasky, y el de Relaciones Internacionales Adolfo Aguirre, rechazó la polémica ley, a la que califican como violatoria de los principales artículos de la Declaración Universal de los Derechos Humanos. La misiva fue enviada al presidente del Parlamento Europeo, Hans-Gert Pöttering; al titular del Consejo de la Unión Europea, Javier Solana; al presidente de la Comisión Europea, José Manuel Barroso; y a los diputados del Europarlamento.

Asimismo, la CTA llevó esta carta al seno de la Coordinadora de Centrales Sindicales del Cono Sur (CCSCS), que se reunió en el marco de la Cumbre Sindical en la ciudad de Tucumán. La Central propuso que este espacio que aglutina a las organizaciones obreras de Brasil, Chile, Uruguay, Paraguay y la Argentina, eleve un repudio conjunta a la directiva de la UE.

A continuación reproducimos la carta completa de la CTA enviada a las autoridades de la UE:

Millones de personas circulan diariamente por el mundo. Muchos de ellos, muy lejos de sus hogares y de sus seres queridos, enfrentan el camino del desarraigo y la distancia en busca de un futuro digno, a través de obtener un trabajo decente. Según un informe de la Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL) titulado "Panorama Social de América Latina 2004", más de 20 millones de latinoamericanos; es decir, uno de cada 25, viven fuera del país desde el año 2000. Esta cifra representa un 4% del total de la población latinoamericana. Cifra que se incrementa considerablemente si se toma en cuenta a aquellos descendientes de latinos que nacieron en el exterior obligados en muchos casos por circunstancias políticas, económicas o sociales.

En base a informes recientes del Ministerio de Relaciones Exteriores de la República Argentina, más de un millón de compatriotas residen en el exterior, y en especial en países como España e Italia, con quienes nos une una relación histórica de hermandad y afecto, ya que la Argentina siempre se ha caracterizado por haber recibido sin concesión alguna a millones de ciudadanos del mundo en general y aquéllas dos naciones en particular. De hecho en diferentes etapas de nuestra historia, la población inmigrante llegó a superar a la autóctona.

Resulta provocador y desagradable observar que en el mundo actual no se pone traba alguna a la circulación de bienes y capitales, a la especulación financiera y al comercio desigual e injusto, pero sí al movimiento de trabajadoras y trabajadores, que han aportado y aportan al progreso económico de los países en los que residen. Por eso, la Central de Trabajadores de la Argentina (CTA), organización obrera que aglutina a 1.200.000 afiliados, quiere expresar su más enérgico repudio a la decisión de los países miembros de la Unión Europea , de sancionar la “Directiva de Retorno”, que viola elementales principios de derechos humanos fundamentales, avanza en la “caza de inmigrantes” y criminaliza a los trabajadores.

Muchos argumentos falaces han circulado en torno a los males que causa la migración. Sin embargo, un estudio de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) demuestra que los inmigrantes no suponen una competencia laboral para los nativos, ni provocan una caída de los salarios. Todo lo contrario: los inmigrantes latinos suelen realizar tareas que los nativos no quieren realizar como aquellas vinculadas con la agricultura, ganadería, trabajos manuales y de servicios, y que en muchos casos reciben un salario por debajo de lo que establece la ley.

Además los inmigrantes que habitan los países centrales, no solo incrementan la demanda de bienes y servicios generando beneficios tanto al país como a su población, sino que también dichos países se ven beneficiados por la descarga en el sistema de pensiones, contrarrestando asimismo el crecimiento negativo de la población.

La Unión Europa con su “Directiva del Retorno” ha ignorado estos hechos de la realidad, ha decidido comenzar a tratar a trabajadores como delincuentes y ha olvidado que América Latina acogió, sobre todo en el siglo XX, a millones y millones de inmigrantes europeos que escapaban de hambrunas y guerras. Ellos vinieron a nuestras tierras y se les abrieron las fronteras y los derechos nacionales de par en par. Nada se les pidió. Nada se les exigió. La inmensa mayoría se estableció aquí y construyó familias, hogares, sueños. Millones de nosotros somos hijos de europeos, orgullosos hijos de quienes con su trabajo forjaron Nuestra América.

Es muy triste saber que los brazos generosos latinoamericanos que cobijaron a ciudadanos de todo el mundo no tengan reciprocidad en la Europa de hoy. “La Directiva Retorno” prevé cárcel para los migrantes indocumentados de hasta 18 meses antes de su expulsión. Esto implica una violación sistemática del orden jurídico internacional, entre los que podemos mencionar, de la Declaración Universal de Derechos Humanos de 1948, los artículos 2, 3, 5, 6, 7, 8 y 9. Así como también el artículo 13 de dicho instrumento, que señala: “Toda persona tiene derecho a circular libremente y a elegir su residencia en el territorio de un Estado. Toda persona tiene derecho a salir de cualquier país, incluso del propio, y a regresar a su país".

Nos sumamos así a las numerosas expresiones de repudio que se han manifestado en nuestra región. El MERCOSUR, que planteó “el firme repudio del Mercosur ante la discriminación migratoria en Europa” que representa “una violación de los derechos humanos fundamentales”; Asimismo el presidente de Bolivia Evo Morales quién manifestó: “Miles de europeos llegaron a América a lo largo de 500 años y nunca se toparon con medidas migratorias tan injustas”, “Los problemas de cohesión social que sufre Europa no son culpa de los inmigrantes, sino el resultado del modelo de desarrollo impuesto por el norte, que destruye el planeta y desmembra las sociedades de los hombres”; su par de Ecuador, Rafael Correa, quién dijo: “Qué pena que esa Europa de las luces sea hoy un símbolo de contradicciones”; y el Parlamento uruguayo que expresó: “Una flagrante incongruencia de la UE , que nutrió de inmigrantes a Latinoamérica y que se ha beneficiado de la capacidad de trabajo, de la honestidad y el esfuerzo”.

Desde la CTA convocamos a las autoridades la Unión Europea a una reflexión profunda y sin prejuicios sobre la migración, los derechos humanos y justamente los derechos de los trabajadores para vivir en un mundo mejor, que nos incluya a todos.

Adolfo Aguirre - Secretario de Relaciones Internacionales

Hugo Yasky - Secretario General

Central de Trabajadores de la Argentina
Enviada por Agencia CTA, às 22:26 01/07/2008, de Buenos Aires, Argentina


VW: Sindicato negocia, anula acordo e põe fim ao risco de demissões
Após dois anos, acordo que previa PDV - Plano de Demissões Voluntárias - foi modificado por conta da evolução do mercado brasileiro, levando as montadoras a bater recordes de produção e venda de veículos.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e a Comissão de Fábrica conseguiram mais uma importante vitória para os trabalhadores da Volkswagen. O Acordo Coletivo do Plano de Reestruturação da Unidade Anchieta foi alterado, cancelando, assim, a possibilidade de a montadora demitir 1.800 funcionários nos próximos anos.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Enviada por CNM-CUT, às 10:08 01/07/2008, de São Paulo, SP


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.