TIE-Brasil
17/11/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Agosto/2008)

(clique para ver todas)

El fenomeno Barack Obama
Se ha empezado a experimentar un cambio en la historia de los EEUU

Por Martha Ojeda

En los E.U.U. se ha empezado a experimentar un cambio histórico. Hace mas de 45 años las personas de color eran perseguidas, hostigadas y linchadas y no podían ejercer el derecho al voto, mucho menos aspirar a cargos públicos. Anoche miles de ciudadanos se conglomeraron en las calles, parques, plazas y jardines de muchos lugares públicos y privados en Nuevo México, California, Illinois, New York y muchos estados del país para escuchar el discurso de Barack Obama.

Obama un joven aspirante atacado por su inexperiencia en la política en Washington, que mas que identificarse como persona de color en su campaña, se centró en los conceptos de la unidad, el cambio y la inclusión de los jóvenes y ancianos, mujeres, discapacitados y de las minorías. Pero sobre todo se centró en la promesa de desafiar un régimen que desplazó el rol del estado e impuso la ley del mercado como regulador de la economía global. Un régimen neoliberal que favoreció a las corporaciones y que menoscabó la fuerza de trabajo y el nivel vida, no solo en los ciudadanos de clase baja y media en Norte America sino en todo el mundo. Un régimen que se negó a ratificar el protocolo de Quioto, anteponiendo la ganancia proveniente de la emisión de combustibles al control del calentamiento global. Un régimen que profundizó la dependencia del petróleo y que usa el argumento del combate al terrorismo para justificar y prolongar la invasión bélica. Un régimen que con el argumento del combate al crimen organizado construye bases militares en México y en los paises en desarrollo y que con el mismo argumento menoscaba los derechos civiles de los ciudadanos a nivel mundial interfiriendo en su privacidad. Un régimen neoliberal que sobreprotege el corporativismo anteponiendo la educación, salud y seguridad social. Ante este panorama el discurso de Obama representó la esperanza para un cambio.

El discurso de Barack Obama no defraudó a los que lo apoyaron, sino todo lo contrario. Su convicción pudo avivar el fuego en el espíritu de más de 80,000 participantes en la convención democrática. Una convención que rompe el esquema del partido abriendo las puertas a la participación publica ciudadana, y donde la diversidad en la representación de los delegados fue remarcable: un 4% de delegados representaban discapacitados, un 5% asiáticos, un 6% lesbianas y homosexuales, un 12% Latinos, un 17% de la tercera edad, un 14% menores de 35 años, un 24% afroamericanos, un 44% de las minorías, y más de la mayoría de los presentes eran mujeres. La audiencia de la convención fue el pueblo en general ampliándose más allá de los sectores sociales usuales de cabildeo.

Hace 45 años Martín Luther King dio el discurso “tuve un sueño”, el cual remarcó el movimiento por los derechos civiles en los EU. El discurso de Obama fue excelente, no solo aceptando la candidatura para la nominación a la presidencia, sino honrando con su elocuencia aquel discurso de Martín Luther King. Obama presentó un programa desafiante y concreto para su administración, en cuanto a la agenda domestica e internacional. El discurso del joven e inexperto Obama, vino a recuperar la esperanza que habían perdido los demócratas desde J.F. Kennedy.

El discurso se centró en la promesa de recuperar el rol del estado como regulador del mercado, de invertir 150 millones de dólares del presupuesto federal en la economía verde [energía solar y eólica,] generar empleos y terminar con la dependencia del petróleo en un lapso de 10 años. La promesa de crear un programa de salud para niños y ancianos, y de educación accesible. De recortar los impuestos al 95% de las familias y crear un sistema de impuestos a los corporativos. Así como de salir responsablemente de la guerra de Irak, además de responder a cada uno de los ataques de los republicanos. Este culmino en ovaciones.

Su discurso fue un paso abierto y desafiante rumbo a un verdadero cambio en el sistema economico y en la historia del capital. Si los republicanos lo dejaran llegar, el dia 4 de Noviembre indiscutiblemente habría un cambio en la historia de los E.U y por ende en el mundo.

Por tal motivo, los republicanos no se quedaron con los brazos cruzados, para contrarrestar el contundente avance de Obama y enfrentar el primer reto que tendrían los republicanos la semana entrante, pues tendrían que demostrar su poder de convocatoria para su convención la cual solo cuentan con 10,000 delegados en este momento, así que movieron una pieza estratégica en el tablero.

Con el objeto de recuperar el voto de la mujer, y de aquellas que aspiraron a que Hillary Clinton fuera la candidata a la Presidencia, John McCain juega la carta de género para combatir estratégicamente al desafiante Obama.

McCain de 72 años, eligió a una mujer para la vicepresidencia, Sarah Palin de 44 años quien fue electa gobernadora de Alaska en el 2006. Sarah es una devota cristiana, feminista a favor de la opción de que la mujer decida el derecho a la vida. Uno de sus 5 hijos tiene el síndrome de dawn y a sabiendas de su estado, ella decidió darle el derecho a la vida. Otro de sus hijos esta en el servicio militar. Sarah esta apoyando la perforación de pozos petroleros en Alaska.

Los republicanos atacaron constantemente a Obama por su juventud e inexperiencia sin embargo ante las circunstancias desafiantes, eligen una candidata con las mismas características que critican en Obama.

Las cartas de género y religión regresan a la mesa de la contienda, con la esperanza de que una mujer feminista y joven pueda ser la primera mujer en la vicepresidencia será el viento que sople para contrarrestar la avalancha del cambio pronunciado por Obama.

El próximo 4 de noviembre los ciudadanos tendrán que evaluar detenidamente las opciones sobre educación, salud, crisis económica, calentamiento global, y la guerra para salir de la situación actual sin perjuicio de que los conceptos de raza, color, religión o género interfieran en su libre elección.

Martha Ojeda, ex-trabalhadora na Sony-México, é diretora executiva da Coalização por Justiça na Maquiladoras - CJM - uma organização tri-nacional de Trabalhadores, Sindicalistas e organizações da Sociedade civil do México, EUA e Canadá.
A CJM é parceira de TIE no Projeto Latinoamericano.
Enviada por Martha Ojeda, às 09:18 29/08/2008, de Laredo, Texas, EUA


Quem deve a quem?
A verdadeira dívida externa
Um discurso feito por Guaicaípuro Cuatemoc embasbacou os principais chefes de Estado da Comunidade Européia

A Conferência dos Chefes de Estado da União Européia, Mercosul e Caribe, em maio de 2002 em Madri, viveu um momento revelador e surpreendente: os chefes de Estado europeus ouviram perplexos e calados um discurso irônico, cáustico e de exatidão histórica que lhes fez Guaicaípuro Cuatemoc, cacique de uma nação indígena da América Central.

Eis o discurso: "Aqui estou eu, descendente dos que povoaram a América há 40 mil anos, para encontrar os que a encontraram só há 500 anos. O irmão europeu de aduana me pediu um papel escrito, um visto, para poder descobrir os que me descobriram. O irmão financista europeu me pede o pagamento - ao meu pai s-, com juros, de uma dívida contraída por Judas, a quem nunca autorizei que me vendesse. Outro irmão europeu me explica que toda dívida se paga com juros, mesmo que para isso sejam vendidos seres humanos e países inteiros sem pedir-lhes consentimento. Eu também posso reclamar pagamento e juros.

Consta no "Arquivo da Companhia das Índias Ocidentais" que somente entre os anos 1503 e 1660 chegaram a São Lucas de Barrameda 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata provenientes da América. Teria sido isso um saque? Não acredito, porque seria pensar que os irmãos cristãos faltaram ao sétimo mandamento! Teria sido espoliação? Guarda-me Tanatzin de me convencer que os europeus, como Caim, matam e negam o sangue do irmão.

Teria sido genocídio? Isso seria dar crédito aos caluniadores, como Bartolomeu de Las Casas ou Arturo Uslar Pietri, que afirmam que a arrancada do capitalismo e a atual civilização européia se devem à inundação de metais preciosos tirados das Américas! Não, esses 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata foram o primeiro de tantos empréstimos amigáveis da América destinados ao desenvolvimento da Europa. O contrário disso seria presumir a existência de crimes de guerra, o que daria direito a exigir não apenas a devolução, mas indenização por perdas e danos. Prefiro pensar na hipótese menos ofensiva.

Tão fabulosa exportação de capitais não foi mais do que o início de um plano "MARSHALL TESUMA", para garantir a reconstrução da Europa arruinada por suas deploráveis guerras contra os muçulmanos, criadores da álgebra, da poligamia, e de outras conquistas da civilização. Para celebrar o quinto centenário desse empréstimo, podemos perguntar: Os irmãos europeus fizeram uso racional, responsável ou pelo menos produtivo desses fundos?

Não. No aspecto estratégico, dilapidaram nas batalhas de Lepanto, em navios invencíveis, em Terceiros Reichs e várias formas de extermínio mútuo. No aspecto financeiro, foram incapazes, depois de uma moratória de 500 anos, tanto de amortizar o capital e seus juros, quanto independerem das rendas líquidas, das matérias-primas e da energia barata que lhes exporta e provê todo o Terceiro Mundo.

Este quadro corrobora a afirmação de Milton Friedman, segundo a qual uma economia subsidiada jamais pode funcionar, e nos obriga a reclamar-lhes, para seu próprio bem, o pagamento do capital e dos juros que, tão generosamente, temos demorado todos estes séculos em cobrar. Ao dizermos isso, esclarecemos que não nos rebaixaremos a cobrar de nossos irmãos europeus, as mesmas vis e sanguinárias taxas de 20% e até 30% de juros que os irmãos europeus cobram aos povos do Terceiro Mundo.

Nos limitaremos a exigir a devolução dos metais preciosos, acrescida de um módico juro de 10%, acumulado apenas durante os últimos 300 anos, com 200 anos de graça. Sobre esta base, e aplicando a fórmula européia de juros compostos, informamos aos descobridores que eles nos devem 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata, ambas as cifras elevadas à potência de 300, isso quer dizer um número para cuja expressão total será necessário expandir o planeta Terra. Muito peso em ouro e prata... quanto pesariam se calculados em sangue? Admitir que a Europa, em meio milênio, não conseguiu gerar riquezas suficientes para esses módicos juros, seria como admitir seu absoluto fracasso financeiro e a demência e irracionalidade dos conceitos capitalistas.

Tais questões metafísicas, desde já, não nos inquietam, índios da América. Porém, exigimos assinatura de uma carta de intenções que enquadre os povos devedores do Velho Continente e que os obriguem a cumpri-la, sob pena de uma privatização ou conversão da Europa, de forma que lhes permitam entregar suas terras, como primeira prestação de dívida histórica..."

Quando terminou seu discurso diante dos chefes de Estado da Comunidade Européia, o cacique Guaicaípuro Guatemoc não sabia que estava expondo uma tese de Direito Internacional para determinar a Verdadeira Dívida Externa. Agora resta que algum Governo Latino-Americano tenha a dignidade e coragem suficiente para impor seus direitos perante os Tribunais internacionais.

Os europeus teriam que pagar por toda a espoliação que impuseram aos povos que aqui habitavam, e com juros civilizados.

Fonte: http://resistir.info/mexico/cacique_port.html
Enviada por Juan Sanchez, às 09:10 29/08/2008, de Porto alegre, RS


Argentina: Organização de base é perseguida pela direção do sindicato
PEDIDO DE SOLIDARIDAD SUBTE

LOS TRABAJADORES DEL SUBTE RECLAMAMOS DEMOCRACIA SINDICAL y FIN A LAS PERSECUSIONES

Los trabajadores del subte nos encontramos frente a una situación de extrema gravedad: la Comisión de Ética Gremial de la Unión Tranviarios Automotor (UTA) ha decidido revocar el mandato de nuestros delegados y expulsarlos de la organización gremial.

Para ello ha organizado un Congreso Extraordinario el próximo martes 2 de septiembre.

Esta resolución que se propone tomar nuestra organización sindical vulnera el derecho democrático más elemental en cuanto a la convivencia de diferentes formas de pensar. La dirección del sindicato nos acusa de no cumplir sus órdenes. La razón que esgrimen pone en evidencia que se trata finalmente de un claro caso de discriminación ideológica.

Al mismo tiempo se ha violado el derecho a la defensa ya que no hemos podido intervenir en el juicio que ha armado la dirección del sindicato contra nosotros.

Como trabajadores y delegados hemos luchado siempre en la reivindicación de nuestros derechos. Es así que:

§ Desde hace más de 10 años no hay despidos en el subte.

§ Recuperamos la jornada de trabajo de 6 horas de trabajo por realizar un trabajo insalubre, con lo que se logró crear 1200 puestos de trabajo.

§ Logramos la incorporación a Metrovías de más de 800 trabajadores que pertenecían a empresas tercerizadas.

§ Denunciamos el mal estado de los trenes y la inseguridad en la que viajan los pasajeros.

Estás son nuestras faltas, por eso nos quieren echar. Todo esto lo hemos logrado nosotros junto con los delegados que hemos elegido.

Una vez más reclamamos que podamos trabajar tranquilos y que no se persiga a nuestros delegados. Nos proponemos poder ejercer nuestros legítimos derechos laborales y sindicales.

Reclamamos un sindicalismo democrático y sin persecuciones!!!

Por todo ello les pedimos a los trabajadores, a las organizaciones sociales, sindicales y políticas que nos envíen su apoyo y solidaridad.

Trabajadores y Cuerpo de Delegados del Subte

*** ***

Sugerimos enviar el texto que se encuentra más abajo a:

solidaridadsubte@metrodelegados.com.ar;

Ministro de Trabajo ;

Jefatura de Gabinete ;

Defensor del Pueblo

Nos solidarizamos con los trabajadores y cuerpo de delegados del subte frente al injusto proceso de discriminación ideológica llevado a cabo por la dirección de la Unión Tranviarios Automotor (UTA), en las que se ha decidido revocar el mandato de sus delegados y expulsarlos de la organización gremial.

Por esta razón adherimos al justo reclamo de los trabajadores del subte de ejercer sus derechos como trabajadores al poder elegir libremente sus representantes sindicales.
Enviada por Delegados do Metro de Buenos Aires, às 10:05 28/08/2008, de Buenos Aires, Argentina


Salário médio cresceu 22% em cinco anos
O salário médio do trabalhador brasileiro cresceu 22,36% nos últimos cinco anos. O índice é apontado no estudo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pela primeira vez pelo ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, no Rio de Janeiro, na última quinta-feira (14). O rendimento médio de admissão do trabalhador nos seis primeiros meses do ano passou de R$ 568,88, em 2003, para R$ 696,10, em 2008.

Este aumento decorre da elevação generalizada em todas as Unidades da Federação, com destaque para o estado do Maranhão com alta de 38,71%, seguido do Acre, com 37,08%. Em contrapartida, os estados que registraram menor elevação do salário médio na comparação dos primeiros semestres de 2003 e 2008 foram o Amazonas (12,87%), o Distrito Federal (13,10%) e São Paulo (15,67%).

Diferenças regionais – A análise dos dados, tomando como referência os valores dos salários recebidos pelos trabalhadores evidencia, no primeiro semestre de 2008, um diferencial de 64% entre a média do maior salário de admissão de São Paulo (R$ 818,09) e do menor no Piauí (R$ 499,00), sendo que no primeiro semestre de 2003 esta diferença era de 85,38%, expressa pelos salários de R$ 707,27 verificados em São Paulo e de R$ 381,52 no Piauí - os números comprovam que as diferenças salariais regionais estão diminuindo com o crescimento generalizado da economia brasileira.

Lupi ressaltou que os números verificados, principalmente no Nordeste, reafirmam aquilo que ele tem repetido há mais de um ano: o aumento real do salário mínimo. “Isso significa a melhor distribuição de renda que um país pode ter, porque você aumenta o poder de compra da base da pirâmide. O aquecimento da economia também é responsável por este aumento na média salarial do trabalhador brasileiro”, destacou o ministro.

Tanto homens como mulheres conquistaram expansão nos salários médios de admissão nos últimos cinco anos. Mas o crescimento entre a ala masculina segue maior que a feminina: 23,91% e 19,42%, respectivamente, entre os primeiros semestres de 2003 e 2008. Essa taxa de crescimento maior levou a uma maior distância entre a participação dos salários médios de homens e mulheres. Em 2003, os salários das trabalhadoras eram 8,11% menos do que os dos homens e esta distância ampliou-se para 11,43% em 2008.

2007 x 2008 - No primeiro semestre de 2008, os salários médios de admissão dos trabalhadores apresentaram um aumento real de 3,90%, em relação ao mesmo semestre de 2007, ao passarem de R$ 669,96 para R$ 696,10. Os estados que registraram os maiores salários médios no semestre foram: São Paulo (R$ 818,09), Rio de Janeiro (R$ 792,60), Distrito Federal (R$ 762,50), Amazonas (R$ 679,77) e Santa Catarina (R$ 644,56).
Enviada por Hugo Chimenes, às 10:12 20/08/2008, de São Borja, RS


Algemas, para que tê-las se não usá-las?
Por Ricardo Orlandini

A Operação Satiagraha da Polícia Federal contra o desvio de verbas públicas, a corrupção e a lavagem de dinheiro, pode não ter atingido seu objetivo inicial, pelo menos por enquanto, de prender os envolvidos que eram investigados desde 2004, mas deixou algumas marcas na sociedade brasileira.

Uma delas é a grande criatividade da PF na criação de nomes para suas operações. Para quem ainda não sabe, Satyagraha é o termo usado por Mahatma Gandhi durante sua campanha pela independência da Índia. Em sânscrito, Satya significa verdade e agraha quer dizer 'firmeza. Assim, Satyagraha é a firmeza na verdade, ou ainda firmeza da verdade.

Independente do seu significado, o fato é que a PF mexeu num vespeiro, que possui grandes tentáculos e até o poder de criar, interpretar ou mudar a legislação.

Em qualquer país civilizado do mundo, onde o Estado de Direito impera, as leis são iguais para todos, pobres ou ricos, seja quem for.

A Operação Satiagraha brasileira demonstrou ou tornou mais aparente que o poder e os poderosos se protegem a todo custo.

Não sou contra a concessão do Habeas Corpus aos envolvidos, pois ele faz parte de um verdadeiro Estado democrático. Sou contra a velocidade com que a justiça trata os desiguais, pobres e ricos.

Agora a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que regula o uso de algemas criou uma situação não vivenciada até o momento, e talvez até sem precedentes nos países onde a lei é igual para todos.

Esta polêmica sobre o uso das algemas nos leva a outra reflexão sobre o tratamento desigual em nossa sociedade. Enquanto só Joãos e Marias eram presos e algemados, estava tudo bem. Quando algemaram o Doutor João e a Doutora Maria, tudo mudou.

O alicerce da democracia deve ser sólido e respeitar a igualdade entre todos. Estas diferenças entre uns e outros podem nos levar a um caminho perigoso.
Enviada por Hugo Chimenes, às 10:07 20/08/2008, de São Borja, RS


Brasil: o país onde assassino é vítima e o povo paga a indenização
Um jornalão publica neste domingo que "cerca de 175 ex-militares já ingressaram na Justiça Federal em Brasília com ações contra a União pedindo indenização por danos morais, físicos e psicológicos sofridos durante o combate à guerrilha do Araguaia, na primeira metade dos anos 70".

É uma afronta a tod@s @s Brasileir@s que lutaram e lutam por Democracia, Justiça, Dignidade e Igualdade neste país.

Os militares usurpuram, roubaram o poder, que emana do povo segundo a Constituição que eles nunca respeitaram, torturaram e mataram seus compatriotas em defesa dos interesses do imperialismo norte-americano e das empresas transnacionais. Eles agrediram o país, maltrataram seu povo e agora querem se passar por vítimas.

A desgraça toda não está somente aí, mas no fato de que isso é regra neste país medieval. Há um série de bandidos condenados ou processados que estão a solta e dando risada do povo.

Neste país só vai para cadeia quem luta por um país melhor e os chamados "ladrões de galinha" que por muito menos pegam décadas de prisão. Os bacanas não! Estes se safam, com a ajuda de advogados e juízes sempre a serviço de quem pagar mais...

Inversão da acusação e o desvio do foco

Vejam o caso de Daniel Dantas. O cara foi preso, acusado de montar um esquema de espionagem e desvio de verbas públicas e o Supremo Tribunal Federal fica discutindo se podia ou não usar algemas para prender figurões???

A imprensa puxou a discussão, parlamentares e membros do executivo deram contiuidade. Até mesmo o Lula entrou nessa da algema. Só que, quando o mesmo Lula foi preso em 1980 pelo regime militar, ninguém se preocupou se ele estava algemado ou não. Porque de fato não é esta a questão e sim o porque o cidadão está sendo preso.

Com o debate das algemas se esqueceu o principal: os esquemas montados por Dantas, investigados pela Polícia Federal, que deram os argumentos e justificativas para sua prisão.

Os milicos embarcam na mesma. Pedem indenização exatamente quando o debate sobre tortura e abusos do regime militar voltam à pauta do debate político nacional. Certamente esperam obter o mesmo sucesso de Dantas e fazer o país esquecer o principal, ou seja, o que os militares fizeram durante 21 anos de ditadura militar, e passemos a discutir a periferia.

E mesmo que admitamos que aqueles que foram para a selva, apenas cumpriam ordens, então quem deveria indenizá-los eram seus superiores, aqueles cidadãos que efetivamente os mandaram para a ação. Que peçam indenização à família Costa e Silva, Castello Branco, Medici, Geisel, Golbery, Figueiredo, etc. Foram os generais destas famílias que mandaram na ditadura e ordenaram as atrocidades cometidas por inferiores. Nenhum deles foi condenado por nada até hoje...

Não se pode admitir que o privado faça a coisa errada e o poder público pague as indenizações com o dinheiro que não é dele, mas sim do povo pagador de impostos.

É muito comum esta inversão dos debates em nosso país. Só falta agora "provarem" que a menina Isabele agrediu a madrasta, o pai e caiu ao tentar jogá-los pela janela. Só falta dizer que o réu confesso Pimenta Neves na verdade foi vítima de uma trama de Sandra Gomide, assassinada a 8 anos. Pimenta, aliás, está livre leve e solto, mesmo condenado a 18 anos de prisão. A mesma justiça que o condenou o libertou.

Só falta mesmo inverter o motivo da discussão e das acusações de alguns casinhos menores, porque parece que Dantas e os milicos vão se safar mais uma vez de todas as injustiças e crimes que cometeram. E o país ficará olhando atônito, achando que tudo é culpa de deus, que o mundo é assim mesmo.

Reage, povão!

Porque se não reagir, não botar boca no trombone e não se organizar, boa parte dos impostos pagos neste país serão destinados à indenizações daqueles que detestam o Brasil e o seu povo.

Brasil mostra a tua cara!

Queremos sustentar aqueles que tanto mal fizeram e fazem a nós???

Queremos garantir o bem-bom para os usurpadores de toda a espécie enquanto a maioria do povão vive em favelas, embaixo de viadutos e ganhando um salário mínimo por mês, quando ganha???

Acorda Brasil!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:21 17/08/2008, de Curitiba, PR


Sistema Telebrás: 10 anos de Privatização!
10 anos de privatização dos Sistema Telebrás: de FHC a Lula, passando por Dantas, Anatel e Jereissati, muita coisa mal explicada!

Por Flávio Leonardo Silveira Rodrigues

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso governou o país de 1994 a 2002. Em 1998, um ano antes de terminar o primeiro mandato, teve a reeleição viabilizada por sua fiel base de sustentação no Congresso. O vergonhoso artifício da compra de votos dos parlamentares foi amplamente divulgado pela mídia, pois até aquela data a reeleição era proibida. Com isto, FHC conseguiu concluir a privatização do setor de telecomunicações, realizada cinco meses antes do fim do seu primeiro mandato. Assim como Lula declara que nada sabe, cada vez que um dos seus companheiros aparece envolvido em irregularidades, FHC também disse que não sabia deste processo vergonhoso da história da República, que viabilizou mais quatro anos de mandato.

No texto, As Privatizações reavaliadas, publicado neste espaço no dia 3 de agosto, o ex-presidente comemora os 10 anos de privatização do setor e tece elogios à sua iniciativa. Não bastasse a apresentação das velhas estatísticas para demonstrar o crescimento do setor no país ele valoriza este aspecto desconsiderando que, em função dos avanços tecnológicos, o crescimento se deu em todo o mundo. Nas plantas privatizadas do Brasil e da Argentina e nas estatais da China e do Uruguai. No artigo, FHC se vangloria de ter criado a Anatel, a agência reguladora do setor que completou, dia 16 de julho, 11 anos de ineficiência e subordinação aos interesses das grandes operadoras de telecomunicações. Isto é novamente demonstrado na apresentação de proposta da agência, para a mudança do Plano Geral de Outorgas (PGO) e do PGR, encomendados pelo atual governo para viabilizar o negócio ilegal – do nosso ponto de vista – da compra da BrT pela Oi (criando a BrOi ), que só pode operar se for mudada a legislação.

Mas o mais questionável na análise do ex-presidente é quando ele se defende das acusações de “privataria” – uma invenção de seus inimigos políticos veiculada por parte da mídia, segundo ele –, e sustenta a lisura do processo de privatização, ao afirmar que o seu governo obedeceu aos três princípios do direito público: da publicidade, da impessoalidade e da economicidade. Aí, realmente, é insustentável! É subestimar a inteligência do povo brasileiro e contar com a falta de memória do cidadão. A questão não é ser contra ou a favor da privatização. Cada um tem as suas convicções! A posição é se somos contra ou não os privilégios concedidos a alguns empresários, durante o processo de privatização – quando os princípios da administração pública foram desrespeitados – e à conseqüente impunidade, que se segue até hoje.

Neste sentido, questionamos: por que um ano antes do leilão das teles, quando Sérgio Motta era ministro das comunicações, a Telebrás foi avaliada em 40 bilhões de dólares e o preço caiu a 13,5 bilhões de dólares, só chegando aos 22 bilhões de dólares devido ao pagamento de ágios? Por que, após os concorrentes terem depositado suas propostas lacradas e ser definida a ordem para a abertura dos envelopes, esta ordem foi alterada, influenciando no resultado leilão – como foi divulgado pela mídia? Como os vencedores do leilão da área da Telemar, um consórcio de última hora – o único que não tinha operadora do setor na sua composição – e sem dinheiro para pagar sequer a primeira parcela, conseguiram concretizar a compra? Lembramos que este grupo foi socorrido com recursos, pelo governo e o BNDEs, imediatamente após o leilão.

O consórcio tinha como participantes o Grupo La Fonte, do irmão de Tasso Jereissati, uma das maiores lideranças do partido de FHC, e concretizou a compra com uma proposta de 800 milhões de dólares, menor que a da Itália Telecom, e com o menor ágio – 1% –, de todas as 12 empresas leiloadas – conforme divulgado pela mídia. Tudo isto para viabilizar a privatização da Telebrás, senão o processo poderia fracassar e, junto com ele, a reeleição. Certamente, os princípios da administração pública, citados pelo ex-presidente, foram ignorados por ele e pelos órgãos fiscalizadores.

O absurdo é que, por mais que isto já tenha sido citado em jornais e revistas, nestes 10 anos nem FHC e nem Lula – candidato de oposição, que sempre se opôs à privatização –, depois de eleito e reeleito, moveram um dedo para investigar estas irregularidades. Mais estranho ainda é que após todos os fatos descritos FHC destaque este assunto, bem na época em que a Anatel encaminha mudança do PGO e do PGR, que viabilizam a BrOi e favorecem os mesmos, já beneficiados em 1998: Daniel Dantas, Carlos Jereissati, Sérgio Andrade e outros, com as bênçãos do Planalto.

Enquanto isto, o cidadão brasileiro, convive com uma das maiores tarifas telefônicas do planeta; com uma agência reguladora refém das empresas multinacionais do setor; com um péssimo atendimento aos clientes, pelos serviços de atendimento à distância (call centers), motivo de piada nacional; com subemprego e terceirização abusiva; com o início de apagões de serviço por falta de investimentos na rede, como aconteceu em São Paulo no mês passado e com este serviço sendo apontado sistematicamente como o campeão de reclamações do Procon. Só uma operação “mãos limpas”, como aconteceu na Itália, livrando o país dos tentáculos da Máfia, poderá realizar uma investigação isenta das influências dos corruptos e corruptores e punir os culpados. Pois, se continuar como está, assistiremos a impunidade prevalecer, o delegado rebelde apurar, o juiz sério mandar prender e o outro – mais poderoso –, mandar soltar, e a turma abafar. Assim, negócios como os da privatização da Telebrás e da BrOi continuarão no Brasil.

Portanto, senhores presidentes, comemorar o quê?

Flávio Leonardo Silveira Rodrigues
Presidente do Sindicato dos Telefônicos do Rio Grande do Sul Técnico de Telecomunicações, formado em administração de empresas pela UFRGS
Enviada por Juan Sanchez, às 14:24 13/08/2008, de Porto Alegre, RS


Dez anos de privatização da CRT, nada melhor que o tempo para quem quer esclarecer a verdade!
Por Flávio Leonardo Silveira Rodrigues

A CRT foi privatizada em duas fases: em 1996, foram vendidas pelo Estado 35% das ações com direito a voto e, em 1998, o restante das ações. Estes dois momentos aconteceram no governo de Antônio Britto – ex-funcionário da RBS –, e foram coordenados por Assis Roberto de Souza, tesoureiro da campanha eleitoral do governador, em 1994, depois nomeado Secretário de Minas e Energia e Coordenador do Processo de Desestatização do Estado.

Estes personagens principais nunca mais ganharam uma eleição, mas não se pode dizer que ficaram mal, pois Britto, neste período – fruto de seu prestígio e contatos –, conseguiu uma suspeita vaga no Conselho de Administração da Telemig Celular, para defender os interesses de Daniel Dantas, que participou dos leilões da CRT. Esta empresa foi apontada, posteriormente, na investigação do mensalão, como uma das maiores parceiras de Marcos Valério. Hoje, Britto é vice-presidente da Claro e, certamente, vai prestar bons serviços, ao mega-empresário, Carlos Slim, um dos homens mais ricos do mundo, dono da Telmex, Embratel, Net e Claro.

Já Assis, o comandante da privatização, ficou muito bem. Após a privatização, ele se tornou dono das maiores empreiteiras do setor, prestando serviço às principais operadoras de telecomunicação (Oi, BrT e Telefônica) criadas nestes últimos anos. No comando destas empresas, estão os grupos concorrentes do leilão da CRT. As empreiteiras de Assis começaram a perder contratos justamente após a queda do poder de Dantas no setor. Neste caso, o que impressiona é que os homens que venderam a CRT, representando o interesse do Estado, após fracassarem politicamente, conseguiram com os compradores empregos e contratos e continuam livres de qualquer acusação.

Nem por seus inimigos políticos foram investigados. Pois Olívio Dutra se elegeu em 1998 dizendo que auditaria a privatização da telefônica estadual, que ele considerava “maracutaia das grossas”! E nem ele, nem Dilma Rousseff, sucessora de Assis na Secretaria que privatizou a CRT, moveram um dedo, para isto. E não foi por falta de razões para investigar os leilões da CRT, pois eles estão recheados de evidências de favorecimentos a grupos econômicos. Vejamos alguns fatos:
Primeiro que o vencedor dos dois leilões, Telefónica de Espanha e RBS, apresentaram uma proposta só 1% maior que do grupo da Itália Telecom. Diferença tão ínfima que, segundo entendidos no assunto, estatisticamente evidencia vazamento das propostas de forma fraudulenta, antes do leilão, conforme resultado de investigação realizada na Itália.

Depois, o consórcio, da France Telecom, nem concorreu. Deixou de apresentar proposta, pois foi sabotado internamente por seus parceiros no processo – Dantas e Fundos de Pensão das estatais, comandados por cargos de confiança de FHC, que desistiram de concorrer na véspera do leilão.

Também a outra concorrente, a Cooperativa dos Empregados da CRT, criada após a definição da privatização da estatal gaúcha e que tinha preferência na aquisição – através de dispositivo na Constituição estadual – foi inviabilizada pela mudança no texto constitucional pelo governador Antônio Britto, na véspera de concretizar a privatização.

A Assembléia Legislativa do Estado, através de seu presidente João Luiz Vargas no período da privatização, também prestou um grande serviço a Britto ao engavetar milhares de assinaturas, para emenda de iniciativa popular, e inviabilizar que o povo fosse consultado sobre a proposta de privatizar a CRT. Esta atitude lhe rendeu mais tarde o cargo de presidente do Tribunal de Contas do Estado, possibilitando que o senhor Vargas continuasse engavetando outras coisas, como demonstram as investigações da Polícia Federal, neste seu provável envolvimento na corrupção do Detran, da governadora Yeda Crusius.

Outra situação curiosa é que, quem ganhou o leilão da CRT, em 1996 e 1998 (Telefónica de Espanha e RBS), acabou sendo obrigado a vender a mesma para o perdedor (Itália Telecom, Daniel Dantas e Fundos de Pensão), por força da mudança de regras do jogo, feitas de última hora no leilão da Telebrás, realizado um mês depois do leilão da CRT.

A Telefónica de Espanha ao adquirir a Telesp, conhecida como a jóia da coroa, tinha que vender a CRT, para o ganhador da área Tele Centro-Sul (TCS, hoje Brasil Telecom) – justamente os perdedores do leilão da CRT – 18 meses após a compra. Isto só aconteceu, após uma crise para definir preço de venda, com intervenção da Anatel e do Ministro das Comunicações da época, Pimenta da Veiga, que obrigou a TCS a comprar a CRT da Telefónica de Espanha por 250 milhões de dólares a mais que era avaliada. Esta situação gera conflito societário até hoje nas cortes internacionais, sendo que na Itália foi motivo de uma investigação no Parlamento e publicação de um livro sobre o tema.

Agora, o Governo Lula pretende dar mais uma mãozinha, aos empresários que se deram bem nas privatizações da CRT e da Telebrás, mudando a legislação para viabilizar a criação da BrOi que, novamente, vai favorecer Daniel Dantas e Carlos Jereissati, entre outros.

Quando estas maracutaias serão investigadas pelo boverno brasileiro até o fim, doa em quem doer? Parece que ainda não vai ser. Com o afastamento do delegado Protógenes da PF, já esvaziaram a operação Satiagraha, como aconteceu na operação Chacal e nas investigações do mensalão. Só a realização de uma operação mãos limpas, como aconteceu na Itália, pode nos livrar das influências desta nova máfia.

Flávio Leonardo Silveira Rodrigues - Presidente do Sinttel-RS
Técnico em telecomunicações, formado em Administração de Empresas pela UFRGS
Enviada por Juan Sanchez, às 14:16 13/08/2008, de Porto Alegre, RS


Pobres mostram dignidade, coisa que falta à elite brasileira
Beneficiários que melhoram de vida pedem para sair do Bolsa-Família

Desde a criação do programa, em 2004, 60.165 famílias pediram voluntariamente seu desligamento

"Bom dia! Eu, Sueli Miranda de Carvalho Silva, venho, por meio destas linhas, agradecer os idealizadores do Bolsa-Família, os anos que fui beneficiada. Ajudou-me na mesa, o pão de cada dia. Agora, empregada estou e quero que outro sinta o mesmo prazer que eu, de todo mês ser beneficiada. Obrigado."

Com essa cartinha, enviada à coordenação municipal do Programa Bolsa-Família em Belo Horizonte, a ajudante de serviços gerais Sueli Miranda, de 47 anos, pediu dias atrás seu desligamento. Mãe de quatro filhos, moradora do bairro Jaqueline, na periferia da capital mineira e com uma renda familiar mensal de R$ 200, há um ano e meio ela recebia R$ 122 de ajuda do programa de transferência de renda. Agora, recém-contratada por uma revenda de automóveis e "fichada", como ela diz, ao se referir ao registro em carteira profissional, acha que deve deixar a vaga para alguém mais precisado.

A cartinha foi festejada na coordenação municipal do programa, que despachou uma cópia para Brasília, para a sede do Ministério do Desenvolvimento Social - o quartel-general do programa que atende 11,2 milhões de famílias, distribuídas por todos os municípios brasileiros. Lá, o caso de Sueli ajudou a engrossar uma estatística que soa como música aos ouvidos do ministro Patrus Ananias: recém-atualizada, ela mostra que desde a criação do programa, em 2004, um total de 60.165 famílias pediram voluntariamente seu desligamento.

"Isso mostra que as pessoas pobres não estão se acomodando", diz o ministro. "Em todos esses casos, as famílias tomaram a iniciativa."

Renda

Mais da metade dos pedidos - 34.185 - veio das Regiões Sul e Sudeste do País. E na maior parte das vezes a justificativa foi o aumento na renda das famílias.

Creunilde de Oliveira, empregada doméstica, com 33 anos, pediu desligamento depois que sua patroa decidiu registrá-la. Mãe solteira de um garoto de 8 anos, estava desempregada e vivia da venda de panos de prato nas feiras de Cidade Soberana, bairro pobre da periferia de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, quando se inscreveu no programa e passou a receber R$ 75 por mês.

Seguiu assim até que conseguiu o emprego, o registro em carteira e um empurrão da patroa para matricular-se num curso de auxiliar de enfermagem. "Fui salva pelo Bolsa-Família. Me ajudou pra caramba", conta Creunilde. "Mas agora não estou precisando. Liguei para a assistente social e disse: não acho justo."

A lavadeira Mercedes dos Santos Oliveira, de 53 anos, também procurou o serviço de assistência social da Prefeitura de Santo André, na região do ABC paulista, para pedir o desligamento. Seu motivo, porém, foi diferente: "Rasguei meu cartão porque minha filha mais nova, de 14 anos, parou de estudar. Então eu disse que não era justo continuar recebendo aqueles R$ 75 por mês. Me ajudava? Claro que ajudava: eu pagava o gás, comprava um calçado, material escolar... Mas não posso pegar mais esse dinheiro."

Cadastro

À primeira vista, a devolução dos cartões revela um sentimento de cidadania entre os pobres beneficiados, além de indicar que o programa tem portas de saída. Mas não é só. Existem fortes indicadores de que esse movimento está ligado a outra questão: o aprimoramento do cadastro único do governo federal, que reúne as informações dos programas sociais.

Quem chama a atenção para o fato é o economista Marcelo Neri, chefe do Centro de Pesquisas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Diante da estatística, ele comenta: "Sei que o pobre brasileiro é muito humilde e já soube de casos exemplares de pessoas que devolveram o cartão. Mas esse número, de 60 mil devoluções, aponta um grau espetacular de civilidade. É surpreendente."

Em seguida ele observa que, com o auxílio da informática, o cadastro único vem se transformando num mapa cada vez mais preciso da pobreza, com informações sobre renda, consumo, registros de emprego formal, educação, saúde, alimentação, mudança de endereço. "Isso melhorou muito a capacidade de gestão social no País", diz Neri.

A análise é partilhada por Rosani Cunha, que dirige a Secretaria Nacional de Renda e Cidadania. Ela diz que desde junho de 2006 o Bolsa-Família reúne um conjunto aproximado de 11 milhões de famílias. Isso não significa, no entanto, que esteja parado: "Nesse período, já saíram quase 2,7 milhões de famílias. Tem de tudo aí: desde as que saem por vontade própria às que são localizadas em auditorias. As prefeituras estão cada vez mais presentes no cotidiano dessas famílias. Podem detectar qualquer mudança e ir atrás."

Transparência

Em Santo André, o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Ademar de Oliveira, confirma essa visão: "Na rotina do atendimento sócio-familiar, notamos que as famílias são transparentes. Além disso, temos um sistema de cruzamento de dados que permite acompanhar tudo o que acontece."

Se uma criança de família beneficiada deixa de ir à escola, a direção comunica o fato ao Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Se não houver uma solução, a informação chega à assistência social, que controla o programa de transferência de renda e a família pode ser desligada. Da mesma forma, empregos com registro em carteira acabam sendo logo detectados pelo cadastro.

Diante disso, a família prefere se afastar voluntariamente, quando melhora de vida, a ser flagrada em irregularidade. A vantagem é que, se a situação tornar a piorar, ela pode pedir a reinscrição.

Isso não significa que não existam casos de pura solidariedade e cidadania. "Eles fazem parte da nossa rotina de trabalho", assegura o secretário Oliveira.

Fonte: O Estado de S.Paulo
Enviada por CNM-CUT, às 10:55 12/08/2008, de São Paulo, SP


Pegou mal!
O urso baixou a bola e decretou cessar fogo

O governo russo decretou hoje o cessar fogo na transloucada guerra contra a Georgia.

Toda e qualquer guerra não tem sentido. Os povos e pobres nelas envolvidos só perdem, enquanto uns poucos se aproveitam dos conflitos militares para enriquecer-se, concentrar mais renda e de quebra promover limpezas étnicas.

Porém, o cessar fogo decretado hoje pegou mal. Bastou o Bushinho falar grosso que o urso se meteu na caverna.

Ora! O urso russo só é valente contra os países pequenos?

Só é machão quando se trata de invadir uma Tchetchenia, uma Ossétia, iniciar uma guerra contra a Georgia???

Não defendemos o militarismo, muito menos as guerras.

Condenamos veemente a invasão de qualquer país, seja pelo motivo que for. Nada, absolutamente nada, justifica uma guerra.

Porém, os russos poderiam ter-se saído melhor dessa. Não precisavam mostrar para o mundo todo que são capachos dos gringos e tremem ao ouvir declarações de Bushinho.

Por sorte evita-se o pior!

A Rússia já perdeu essa guerra. Ufa!

De todas as formas é preciso entender que o fascismo avança sobre a Europa e que "soluções" bélicas como esta poderão ter lugar nos próximos meses e anos como forma de resolução de problemas econômicos e sociais .

Não nos iludamos!!!

O fascismo avança e conquista apoio popular. Boa parte dos povos europeus apoiam medidas discriminatórias e soluções bélicas que poderão levar a humanidade para o fundo do poço. Políticos fascistas tem sido eleitos com o voto popular em vários países do velho continente.

E não venham nos dizer que a Rússia é diferente da Europa Ocidental. Franco, Salazar, Mussolini e Hitler, entre outros, eram europeus ocidentais. Muitos dos ditadores latinos eram descendentes diretos de europeus ocientais, tais como Medici, Stroessner, Videla, etc. Já Stálin nem russo era...

Pense nisso e ajude aos bravos companheiros europeus que querem combater o rascismo e o fascismo, mas ainda não tem forças suficiente para se contrapor a onda fascista.
Enviada por Sergio Bertoni, às 10:40 12/08/2008, de Curitiba, PR


Russos esperam início das Olimpíadas para começar mais uma guerra sem sentido
Tropas russas invadiram na manhã de 08.08.08 o território da Ossétia do Norte, uma das regiões que formam a Georgia, que por sua vez era uma das 15 repúblicas soviéticas.

Os generais russos esperaram o início das Olimpíadas em Pequim para invadir a pobre Ossétia do Norte, em nome de uma suposta defesa dos interesses da maioria de russos que ali habitam. É mais uma invasão que dá início a uma guerra sem sentido. Russos e não russos, tem o mesmo passado em comum e a mesma culpa histórica pela merda que fizeram em mais de 70 anos do regime soviético. Não há santos, nem puros, nem demônios, nem impuros. Tod@s naquela região são parte de uma mesma tragédia. Tod@s levam em suas veias e mentes os genes e o DNA do chamado Homus-Sovieticus.

Parece que os militares russos quiseram dar uma de espertos invandindo a Ossétia enquanto todo o Mundo estava de olho na abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. Mas... como experteza não é sinal de inteligência, os milicos russos mostram que nada sabem da história militar de seu próprio país. Toda vez que a Rússia invadiu ou agrediu outro país, foi derrotada. Toda vez que foi invadida, venceu.

A aventura militar levará a Rússia a um novo Afeganistão, a uma novo Tchetchenia, só para lembrar as derrotas recentes.

A Georgia, apesar de pequena geograficamente, é muito mais forte, organizada e coesa, dentro e fora do país, inclusive na própria Rússia, onde vários georgianos estão metidos em estruturas de poder legal e ilegal. Há georgianos influentes em Washington também.

Os militares russos estão brincando com fogo e torçamos para que o sofrido povo russo não saia chamuscado dessa e que Bush Jr não se meta onde ainda não foi chamado...

P.S.: Nem todo mundo comenta, mas os georgianos conhecem o Cáucaso como ninguém. Inventaram o pedágio na época da Rota da Seda. Antes disso, há mais de 7000 anos, já haviam inventado o Vinho quando ainda os russos nem pensavam em existir. De quebra dizem que os bascos são primos dos georgianos que deixaram o Cáucaso e se instalaram nos Pirineus. Ééé, tem eslavo mexendo com fogo...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 19:06 08/08/2008, de Curitiba, PR


Vivas à competência e austeridade dos tucanos: AL do RS aumenta o salário da governadora em 143%!!!
E o tucanato ainda tem coragem de falar em austeridade, competência e estado mínimo???

Estado mínimo para quem cara pálida do bico grande??? Tucano deveria ser considerado ave de rapina ou pelo menos o Robin Hood dos ricos.

A Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou um aumento de 143% para a governadora Yeda Crusius (PSDB). O salário da governadora passa dos atuais R$ 7.140,70 para R$ 17.343,14.

O momento do aumento coincide com turbulências enfrentadas pelo governo com o funcionalismo. Servidores dos presídios gaúchos estão em greve reivindicando reposição salarial de 20% e a aprovação de um plano de cargos e carreiras. O governo ainda não apresentou contraproposta.

É a divisão da renda segundo os tucanos, nada de aumento para os muitos que ganham pouco e muuiiiito de aumento para os poucos que ganham muitíssimo.

É "populismo" de classe alta, que só beneficia o seu povo (leia-se tchurma), riquinho e bem alimentado.

A aprovação do aumento foi folgada: 35 deputados de partidos da base aliada (PSDB, PMDB, PPS, PTB e PP) votaram a favor da proposta. Apenas dois deputados do PDT votaram contra. A maior parte da oposição --11 deputados do PT e do PC do B-- se absteve.

De autoria do presidente da Assembléia Legislativa, Alceu Moreira (PMDB), aliado da governadora, o projeto também prevê reajuste de 89% nos vencimentos do vice-governador e dos secretários estaduais, cujos salários passam de R$ 6.120 para R$ 11.564.

E ainda tem gente vota nestes caras. Acorda Brasil. Olha tua cara!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:33 06/08/2008, de Curitiba, PRE


Gracias TIE-Brasil
Es bueno no dejar pasar el tiempo, después de participar en un evento tan importante, como fue la CONFERENCIA 30 AÑOS DEL TIE; para quienes lo vivimos intensamente, fue una experiencia extraordinaria, mas allá de que tenemos muchos Seminarios sobre nuestras espaldas, este fue muy diferente a los que hemos vivido, por la excelencia de los Panelista y Moderadores y además por la calidad de la discusión.

Por supuesto que lo primero es lo primero, y esto es agradecer, a quienes organizaron la actividad, por tenernos en cuenta en el momento de las invitaciones; TIE-BRASIL muchas gracias y cuando decimos TIE-BRASIL, decimos Cidinha, Sergio y Mauricio.

El desarrollo de este Seminario, se vio realmente distinguido en los Talleres realizados, por eximios Panelistas, perfectamente elegidos para la temática desarrollada, dejando en nosotros nuevos conocimientos y nuevas experiencias, que además se enriquecieron con la participación y aportes de los presentes.

Observamos como todos los que ahí estábamos, los brasileros y los que somos de otros rincones de nuestra Patria grande Latinoamérica, nos sentíamos mas unidos con los temas desarrollados, ya que los mismos, nos daban argumentos y nuevas armas, para trasladar a nuestras bases y así enriquecer y ampliar el crecimiento de nuestros compañeros y sindicatos.

Para terminar ya que es mejor escribir poco y decir mucho, solo queda volver a decir GRACIAS TIE-BRASIL, se que hace poco recorro el camino con vosotros, pero lo poco se hizo mucho en conocimiento y reconocimiento de mis compañeros de base, así que seguiremos por el mismo camino.

Un abrazo fraterno a todos y nuevamente gracias.

PD.: Esto lo deje para el final, no por ser menos importante, ya que es parte del todo, les pido le hagan llegar de mi parte un agradecimiento muy grande al PERSONAL del PAMPAS PALACE HOTEL, ya que ellos le dieron jerarquía y relevancia al evento por su EFECACIA Y CALIDAD DE ATENCION.

Isidro Carreño Pereira
Coordinador del Foro Latinoamericano de Telecomunicaciones.
www.forotelec.org
Enviada por Isidro Carreño, às 10:43 05/08/2008, de Mantevidéo, Uruguay


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.